Repositório Digital

A- A A+

Entre nós : sobre mudar de lugar e produzir diferenças

.

Entre nós : sobre mudar de lugar e produzir diferenças

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Entre nós : sobre mudar de lugar e produzir diferenças
Autor Marques, Cecília de Castro e
Orientador Palombini, Analice de Lima
Data 2012
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional.
Assunto Centro de atenção psicossocial (CAPS)
Saúde mental
Sistema Único de Saúde
[en] Hemostasis-participation
[en] Mental health
Resumo Este trabalho acompanhou os movimentos de usuários de serviços de saúde mental do nosso Sistema Único de Saúde (SUS) em sua relação com grupo heterogêneo de pesquisadores. Estes atores encontraram-se implicados na construção de saber acerca das práticas em Saúde Mental no Brasil, através da participação na investigação multicêntrica “Pesquisa Avaliativa de saúde mental: instrumentos para a qualificação da utilização de psicofármacos e formação de recursos humanos” e, mais adiante, na Aliança Internacional de Pesquisa Universidade Comunidade - ARUCI. O problema investigado é o que as pessoas que padecem de adoecimento mental e recebem ou receberam atendimento em serviços públicos de saúde mental puderam dizer sobre essa experiência durante sua participação em diferentes atividades de pesquisa. O objetivo desta pesquisa é ouvir e tornar audível a voz daqueles que padecem de adoecimento mental hoje e analisar esse material produzido na pesquisa, relacionando-o ao modelo de cuidado que se almeja construir no campo da saúde mental no cenário brasileiro. Buscou-se observar também quais as diferenças produzidas quando os envolvidos na pesquisa experimentaram mudar de lugar para co-construir saber. Traçou-se assim uma cartografia da participação dos usuários na pesquisa, tendo seus movimentos como bússola e explicitando as condições metodológicas para a emersão de sua voz. Assim, os temas que foram tomados em análise foram aqueles que persistiram na voz dos usuários e retornaram em diversos momentos da pesquisa. São eles: as relações com o outro (familiares, amigos, profissionais dos serviços, pesquisadores); a importância da participação nas atividades sociais, principalmente no trabalho; a relação com os medicamentos. Narrou-se a experiência de ‘pesquisar com’, mantendo a cronologia dos fatos, mas efetuando retornos e desvios a variados momentos da pesquisa e a análises e interpretações enlaçadas às teorias trazidas. A comunicação entre os usuários e os profissionais das equipes mostrou-se limitada, pois existem assuntos que os usuários têm dificuldade de levar ao diálogo com as equipes, o que resulta em baixo poder decisório dos usuários acerca do rumo de seus tratamentos. As relações com familiares, amigos e profissionais foi colocada como algo decisivo no caminho da melhora, havendo uma grande realização quando é encontrado apoio nas mesmas e também uma grande frustração quando acontece o contrário. A realização de atividades foi valorizada pelos usuários, porém eles alertam sobre a necessidade de não realizá-las apenas no CAPS, mas também em outros dispositivos do território. A dificuldade de acesso ao trabalho foi indicada como um limite ao restabelecimento e um desafio da reabilitação psicossocial. A conversa sobre os medicamentos indicou a defasagem de informações acerca do tema dos usuários e dos profissionais não médicos e suas conseqüências – por um lado a dificuldade dos usuários em saber se a emergência de alguns sentimentos e sensações é relativa à doença, aos efeitos dos medicamentos ou ao jeito de ser da pessoa, por outro lado, desresponsabilização de parte da equipe sobre este aspecto do tratamento que fica relegado ao médico prescritor.
Abstract This work followed the movements of users of mental health services of our unified health system (SUS) in his relationship with heterogeneous group of researchers. These actors found themselves involved in the construction of knowledge about Mental health practices in Brazil, through participation in a multicentric research "Evaluative Research on mental health: tools for the qualification of the use of psychoactive drugs and training of human resources" and, later, in the International Community University Research Alliance-ARUCI. The problem investigated is what people suffering from mental illness who receive or have received care in the mental health public services might say about this experience during their participation in various research activities. The goal of this research is to hear and make audible the voice of those suffering from mental illness and analyse this material produced today in research, relating to the model of care which aims to build in the mental health field in the Brazilian scenario. It’s also been sought to observe that the differences produced when those involved in the survey experienced change of place to co-build knowing. A cartography of users ' participation in research has been drew, having their movements such as compass and explaining the methodological conditions for the emergence of his voice. Thus, the themes that were taken under consideration were those who persisted in users ' voice and returned at various times of the research. They are: relations with others (family, friends, professional services, researchers); the importance of participation in social activities, mainly at work; the relationship with the medications. It’s Narrated the search experience , keeping the chronology of facts, but making returns and varying detours and search times and analyses linked to theories from the interpretations already gotten . Communication between users and the professionals of the teams proved to be limited, as there are issues that users have difficulty leading to dialogue with the teams, resulting in users ' low power decision-making about the direction of their treatments. Relations with family, friends and professionals were placed as something decisive in the path of improvement, and there is a great achievement when it found support in itself and also a great frustration when the opposite happens. Activities releasing has been valued by its users, although they warn about the necessity of not releasing them only at CAPS, but also in other territory devices. The difficulty of access to work was nominated as a limit to the restoration and a challenge of psychosocial rehabilitation. Talking about the drugs indicated the information gap on the issue of users and non-medical professionals and its consequences – on the other hand, the difficulty of users whether the emergence of some feelings and sensations is on the disease, the effects of medicinal products or to the person's way of being, on the other hand, part of the disclaimer on this aspect of the treatment team who is relegated to the doctor prescriber.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/70045
Arquivos Descrição Formato
000876179.pdf (1.046Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.