Repositório Digital

A- A A+

Neoptólemo entre a cicatriz e a chaga : lógos sofistico, peithó e areté na tragédia Filoctetes de Sófocles

.

Neoptólemo entre a cicatriz e a chaga : lógos sofistico, peithó e areté na tragédia Filoctetes de Sófocles

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Neoptólemo entre a cicatriz e a chaga : lógos sofistico, peithó e areté na tragédia Filoctetes de Sófocles
Autor Dagios, Mateus
Orientador Marshall, Francisco
Data 2012
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História.
Assunto Filoctetes (Peça de teatro)
Historia antiga clássica
Historia da Grecia
História e literatura
Literatura grega clássica
Mitologia grega
Neoptólemo (personagem)
Sofística
Sófocles 496?-406 A.C. Philoctetes = Filoctetes
Teatro
[en] Arete
[en] Logos
[en] Peitho
[en] Philoctetes
[en] Sophistic
[en] Sophocles
[en] Tragedy
Resumo A presente dissertação, intitulada “Neoptólemo entre a cicatriz e a chaga: lógos sofístico, peithó e areté na tragédia Filoctetes de Sófocles”, busca analisar como Sófocles problematiza para a pólis ateniense o lógos sofístico, a ambigüidade da figura do sofista e os efeitos de tal posição sobre os valores e os significados, em um conflito com os padrões éticos da areté. Examina-se como os personagens Odisseu, Filoctetes e Neoptólemo, na interação dos seus discursos, põem em discussão os poderes, as limitações e os usos dos discursos, em especial o persuasório, a peithó. Trabalha-se com a hipótese de que existe no texto trágico um conflito de visões de mundo e de significados e de que as diferentes posturas dos personagens frente ao lógos constituem representações de discursos antagônicos, pertencentes ao repertório cultural da cidade ateniense do último quarto do século V a.C. Parte-se do pressuposto teórico de que a tragédia grega é uma arte política, que trabalha o mito e a pólis e os seus vocabulários, de forma que o Filoctetes de Sófocles (409 a.C.) discutiria temas caros à pólis como a comunicação e a educação, relacionados então com a ascensão dos sofistas.
Abstract This work aims to analyze how Sophocles discusses before the Athenian polis’ citizens sophistic logos, the ambiguous position of sophists, and their impact as a debate about values and meanings and as a conflict with the ethical standards related to arete. It is examined how the characters Odysseus, Philoctetes, and Neoptolemus deal with the possibilities, limits, and uses of speech in their interactions, rendering persuasion, peitho, as especially problematic. Considering that tragic poetry examines conflicts in meanings and standpoints, the characters’ different stances about logos are regarded as representative of opposing views available in Athens’ cultural repertoire in the last quarter of the fifth century BC. Theoretically, Greek tragedy is taken as a political art that operates with both myth and polis, its issues and vocabularies, so that Sophocles’ Philoctetes (409 BC) could be interpreted as a discussion of issues of great concern for Athens such as communication and education, both then inseparable from the rise of the sophists.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/70646
Arquivos Descrição Formato
000875285.pdf (1.173Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.