Repositório Digital

A- A A+

Presença do gene qacEΔ1 em cepas de Acinetobacter sp. multirresistentes de origem clínica e de efluente hospitalar

.

Presença do gene qacEΔ1 em cepas de Acinetobacter sp. multirresistentes de origem clínica e de efluente hospitalar

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Presença do gene qacEΔ1 em cepas de Acinetobacter sp. multirresistentes de origem clínica e de efluente hospitalar
Autor Souza, Maysa Lucena de
Orientador Corção, Gertrudes
Co-orientador Canal, Natalia
Data 2012
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Acinetobacter baumannii
Compostos de amônio quaternário
Efluentes hospitalares : Porto Alegre (RS)
Farmacorresistência bacteriana
Resumo Acinetobacter sp. é um patógeno oportunista de importância clínica frequentemente relacionado com infecções em diversos sítios do corpo humano e é capaz de adquirir mecanismos e genes de resistência a agentes antimicrobianos com facilidade. Os compostos de quaternário de amônio (QAC) são largamente utilizados como anti-sépticos e desinfetantes em ambientes hospitalares, no entanto, têm apresentado problemas de resistência por bactérias Gram-negativas, como por Acinetobacter sp. A presença do gene qacEΔ1 confere resistência ao QAC, sendo este gene encontrado em integrons de bactérias Gram-negativas e pode ser responsável por este perfil de resistência. No presente estudo 29 isolados de Acinetobacter baumannii multirresistentes, 22 de origem clínica e sete de efluente hospitalar, foram testados quanto a presença do gene qacEΔ1 através da realização da técnica de PCR. Os mesmos isolados foram testados em estudo anterior quanto a presença de bomba de efluxo e os resultados comparados ao da presença do gene qacEΔ1. Verificou-se a presença do gene em 13 isolados, sendo que em cinco destes isolados, qacEΔ1 pode ser o fator essencial para resistência ao QAC e nos demais o perfil de resistência foi associado também à presença de bomba de efluxo. Além disso, em cinco isolados não foi identificado nem a presença do gene, nem da bomba de efluxo, de forma que, estes devem ter outros mecanismos de resistência ao quaternário de amônio. Desta maneira, pode-se inferir que a presença do gene qacEΔ1 possivelmente está associada a resistência ao QAC nos isolados que o apresentaram.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/72413
Arquivos Descrição Formato
000883570.pdf (448.3Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.