Repositório Digital

A- A A+

Degradabilidade ruminal e digestibilidade intestinal da proteína do grão e de farelos de soja, pela técnica dos três estágios in vitro

.

Degradabilidade ruminal e digestibilidade intestinal da proteína do grão e de farelos de soja, pela técnica dos três estágios in vitro

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Degradabilidade ruminal e digestibilidade intestinal da proteína do grão e de farelos de soja, pela técnica dos três estágios in vitro
Outro título Protein rumen degradability and intestinal digestibility of soybeans and soybean meals as measured through three steps in vitro technique
Autor Montagner, Daniel
Orientador Muhlbach, Paulo Roberto Frenzel
Data 2002
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Agronomia. Programa de Pós-Graduação em Zootecnia.
Assunto Degradabilidade
Digestibilidade in vitro
Farelo de soja
Nutricao animal
Proteina de soja
Ruminante
Resumo Grãos de soja submetidos a tratamento térmico e/ou químico e farelos de soja de diferentes empresas foram avaliados em dois experimentos. No primeiro, foi verificado que a temperatura e o tempo de exposição do grão de soja ao calor e a adição de lignossulfonato de cálcio diminuiram significativamente a quantidade de amônia liberada in vitro após incubação de 6 horas e a degradabilidade da proteína após incubação ruminai in situ de 16 horas. A correlação entre essas duas variáveis foi alta (r = 0,9667). Houve diferença significativa na digestibilidade enzimática da proteína não degradada no rúmen. No segundo experimento, 21 amostras de farelos de soja oriundas de 5 empresas foram avaliadas quanto à degradabilidade ruminai da proteína bruta in vitro e in situ e foi determinada a digestibilidade enzimática da proteína que escapou da degradação ruminai. Foram verificadas diferenças significativas entre empresas, quanto à quantidade de amônia liberada in vitro, variando de 22,71 a 29,04 (%N-total), quanto à porção de proteína não degradável no rúmen (PNDR), variando de 46,12% a 54,56% e quanto à digestibilidade intestinal desta proteína (Dl), variando de 81,86% a 85,23%. Em conseqüência, houve diferenças entre os farelos quanto à proteína não degradável no rúmen digestível no intestino delgado (PNDRD), variando de 39,13 a 44,72 (3/0 PB) e 195,02 a 223,69 (g/kg MS). Pode-se concluir que há diferenças na degradabilidade ruminai e digestibilidade intestinal da proteína de amostras de farelos de soja produzidos no Rio Grande do Sul.
Abstract Heat treated and/or lignosulfonate treated soybeans and soybean meal samples from different producers were evaluated in two experiments. In the first trial the in vitro ammonia production during a six hours incubation period and the in situ rumen degradability were affected significantly due to heat and/or lignosulfonate treatments of cracked soybeans. The correlation between the in vitro ammonia production and the in situ rumen degradability was high (r = 0.9667). There was significant difference in the in vitro pepsinpancreatin digestibility of the protein portion undegraded in the rumen. In the second experiment 21 soybean meal samples from five different origens were submitted to the same procedures as in the first trial. Significant differences were determined as for in vitro ammonia production, ranging from 22.71 to 29,.04 (`)/0 of total N), for rumen undegradable protein, ranging from 46.12 to 54.56 % and for pepsin-pancreatin digestibility, varying from 81.86 to 85.23 %. Consequently ruminally undegraded intestinally available protein ranged from 39.13 to 44.72% of crude protein content and from 195.02 to 223.69 g/kg DM. It can be concluded that soybean samples collected from different producers from Rio Grande do Sul show different ruminai degradabilities and intestinal digestibilities.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/72653
Arquivos Descrição Formato
000376313.pdf (15.67Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.