Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da sobrecarga e do ambiente familiar de pacientes com transtorno de pânico

.

Avaliação da sobrecarga e do ambiente familiar de pacientes com transtorno de pânico

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da sobrecarga e do ambiente familiar de pacientes com transtorno de pânico
Autor Silva, Tatiana Detzel da
Orientador Heldt, Elizeth Paz da Silva
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Doença crônica
Relações familiares
Transtorno de pânico
[en] Clinical diseases
[en] Family burden
[en] Family environment
[en] Panic disorder
Resumo A presença de doença crônica pode ser determinante de sobrecarga familiar e interferir no ambiente. Por outro lado, os aspectos familiares podem contribuir como um fator protetor ou de risco na evolução da doença. Estudos têm avaliado a sobrecarga familiar em transtornos mentais maiores, como a esquizofrenia, mas ainda não há estudos que avaliem a sobrecarga e o ambiente familiar em relação ao transtorno de pânico (TP). O objetivo deste estudo foi comparar a sobrecarga e o ambiente de familiares de pacientes com TP e de familiares de pacientes com doenças clínicas. Também pretendeu verificar a relação da sobrecarga e do ambiente familiar com as características sociodemográficas dos familiares e com a gravidade do TP. Trata-se de um estudo transversal com familiares e pacientes com TP e familiares de pacientes com doenças clínicas, como hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabete melito tipo 2 (DM 2) e cardiopatias. A sobrecarga foi mensurada através do Family Burden Interview Schedule (FBIS-BR) e, para avaliar o ambiente familiar, foi utilizada a Family Environment Scale (FES). Para verificar a gravidade dos sintomas do TP, foi utilizada a Panic Disorder Severity Scale (PDSS). A pesquisa foi desenvolvida em ambulatório de hospital geral e aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (nº 110109). Foram incluídos no grupo do TP 67 familiares com seus respectivos pacientes e 66 familiares de pacientes com doenças clínicas. Observou-se que existem diferenças significativas entre as características sociodemográficas dos grupos. Entre os familiares de pacientes com TP, predominam indivíduos do sexo masculino e com maior escolaridade do que no outro grupo. Em relação ao grau de parentesco, há um maior número de pais como familiares cuidadores de pacientes com TP e mais filhos(as) como cuidadores de pacientes com doença clínica. A sobrecarga objetiva “assistência à vida cotidiana”, “impacto nas rotinas diárias” e “geral” foi significativamente maior para familiares de pacientes com doenças clínicas (p=0,017; p=0,032 e p=0,024, respectivamente), enquanto a sobrecarga subjetiva “assistência na vida cotidiana” foi maior para familiares de pacientes com TP (p=0,025). O ambiente familiar foi diferente entre os grupos na dimensão “conflito”, sendo significativamente maior no grupo de familiares do TP. Após a análise multivariável com o Generalized Linear Models, permaneceu como variável independente de maior sobrecarga subjetiva quando o familiar é um dos pais em ambos os grupos (p=0,001). A sobrecarga objetiva manteve-se no grupo controle (p<0,05), sendo que a subescala “impacto nas rotinas diárias” e o escore geral permaneceram associados caso o familiar fosse um dos pais (p=0,017 e p=0,021, respectivamente). O ambiente na dimensão “conflito” foi maior quando o familiar era um dos pais (p=0,045) e a “organização” foi menor no grupo de familiares de pacientes com TP (p=0,034). Também foi analisado se pertencer a um dos grupos (controle ou do TP) e se o grau de parentesco determinava a sobrecarga familiar, porém não foi encontrada interação significativa. Observou-se correlação positiva significativa entre a gravidade do TP e sobrecarga familiar objetiva e subjetiva, que se manteve como variável independente após a análise multivariável. Os resultados indicaram que existem diferenças entre os grupos quanto à sobrecarga objetiva e subjetiva e que são determinadas pelo grau de parentesco, sendo maior principalmente quando o familiar é um dos pais. Os resultados também demonstraram queque a sobrecarga familiar está relacionada à gravidade dos sintomas do TP. Portanto, a avaliação de sobrecarga familiar pode ser útil no desenvolvimento de estratégias terapêuticas focadas na própria família e, assim, contribuir para melhorar os resultados dos pacientes.
Abstract The presence of chronic disease can be a determinant of family burden and impinge upon the family environment. On the other hand, family aspects can serve as a protective or risk factor in disease evolution. Studies have assessed the family burden associated with major mental disorders, such as schizophrenia, but there are no studies that assess the family burden and environment in relation to Panic Disorder (PD). The purpose of this study was to compare the burden and environment of family members of PD patients with family members of patients with clinical diseases. It also sought to examine the relationship between family burden and environment with the sociodemographic characteristics of family members and PD severity. This was a cross sectional study involving family members and PD patients and a control group of family members of patients with clinical diseases, such as systemic arterial hypertension (SAH), diabetes mellitus type 2 (DM2) or heart diseases. Burden was measured through the Family Burden Interview Schedule (FBIS-BR) and the family environment was assessed using the Family Environment Scale (FES). To check PD symptom severity, the Panic Disorder Severity Scale (PDSS) was used. The research was conducted in the general hospital outpatient clinic and approved by the Research Ethics Committee of Hospital de Clinicas de Porto Alegre (No. 110109). The groups were comprised of 67 family members with their respective PD patients and 66 family members of control group. It was noted that there are significant differences between the sociodemographic characteristics of the groups. The family members of PD patients are predominantly males with a higher level of education than the control group. As far as the parentage degree, there are a greater number of parents acting as family caregivers for PD patients and more sons or daughters as caregivers for patients with clinical diseases. The objective burden with respect to "assistance in everyday life", "impact on caregiver’s life " and "general" was significantly higher for family members of control group (p = .017; p = .032 and p = .024, respectively), whereas the subjective burden in terms of "assistance in everyday life" was higher for family members of patients with PD (p = .025). The family environment was different between the groups in regard to the "conflict" dimension, being significantly higher in the group of family members of PD patients. After the multivariate analysis using Generalized Linear Models, the independent variable with the highest subjective burden occurred when the family member is one of the parents regardless of the group (p = .001). The objective burden remained the same in the control group (p <.05), and the subscale of "impact on caregiver’s life" and overall score continued to be linked if the family member was one of the parents (p = .017 and p = .021, respectively). The "conflict" dimension of the environment was higher when the family member was one of the parents (p = .045) and "organization" was lower in the group of family members of PD patients (p = .034). It was also examined whether belonging to one of the groups (control or PD) and the parentage degree has a bearing on family burden, but no significant association was found. A significant positive correlation was noted between PD severity and objective and subjective family burden, which remained as an independent variable after the multivariate analysis. The results also demonstrated that family burden is related to PD symptom severity. Therefore, assessment of family burden may be useful in developing therapeutic strategies focused on family itself and thus contribute to improve patients outcomes.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/76160
Arquivos Descrição Formato
000891761.pdf (2.184Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.