Repositório Digital

A- A A+

A evolução do particular ao universal : sobre o desenvolvimento especulativo na transição da sociedade civil-burguesa para o Estado segundo a Filosofia do Direito de Hegel

.

A evolução do particular ao universal : sobre o desenvolvimento especulativo na transição da sociedade civil-burguesa para o Estado segundo a Filosofia do Direito de Hegel

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A evolução do particular ao universal : sobre o desenvolvimento especulativo na transição da sociedade civil-burguesa para o Estado segundo a Filosofia do Direito de Hegel
Autor Danielli, Daiane
Orientador Pertille, José Pinheiro
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de Filosofia: Bacharelado.
Assunto Estado
Filosofia política
Hegel, Georg Wilhelm Friedrich 1770-1831.
Liberdade (Filosofia)
Sociedade civil
Sociedade política
Vontade (Filosofia)
Resumo O objetivo deste trabalho é examinar a diferença e a relação entre sociedade civil-burguesa e Estado na filosofia política de Hegel de acordo com os §§ 187 e 260-1 da obra Filosofia do Direito. Para tanto, foi feito um exercício de esclarecer os pressupostos metodológicos e sistemáticos que esses dois conceitos pressupõem, o que acarretou um exame da terceira parte da obra, a Eticidade. Essa esfera, onde a vontade livre desenvolve cada vez mais sua capacidade de ser livre, é o todo no qual sociedade civil-burguesa e sociedade política estão inseridas. A primeira sociedade se manifesta, inicialmente, como uma esfera dos fins relacionados à subsistência e à busca por bem-estar das vontades enquanto particulares. Por outro lado, a sociedade civil revela-se, num segundo momento, uma instância de realização dos fins de uma universalidade a partir da satisfação mútua de carecimentos individuais mediante leis voltadas para a economia de mercado. O Estado, por sua vez, aparece como fim imanente no desenvolvimento da vontade livre na medida em que a vontade conquista consciência do valor dos fins universais da sociedade política, a qual visa ao Bem público ― o que não implica desconsiderar o bem-estar das particularidades. Os indivíduos (enquanto cidadãos) se sentem representados pelas leis políticas, uma vez que elas estão em concordância com os interesses de caráter privado. Isso ocorre porque, na organização política, tal como Hegel a concebe, a conciliação entre os fins particulares e os fins universais é o que possibilita que ambos sejam realizados.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/78179
Arquivos Descrição Formato
000897195.pdf (719.3Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.