Repositório Digital

A- A A+

Comportamento da aderência armadura-concreto em situações não usuais : efeito de altas temperaturas

.

Comportamento da aderência armadura-concreto em situações não usuais : efeito de altas temperaturas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Comportamento da aderência armadura-concreto em situações não usuais : efeito de altas temperaturas
Autor Scotton, Josiane Anderle
Orientador Silva Filho, Luiz Carlos Pinto da
Co-orientador Silva, Bruno do Vale
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Curso de Engenharia Civil.
Assunto Engenharia civil
Resumo O concreto armado por sua grande utilização é, atualmente, um dos materiais mais estudados e aprimorados. Esse compósito tem sua eficiência garantida pela boa aderência entre seus materiais constituintes: concreto e armadura, sendo os esforços de compressão absorvidos pelo concreto e os de tração pelo aço. Para tanto, algumas linhas de pesquisa vêm se destacando, como é o caso dos estudos relativos à exposição a situações extremas e novos materiais. A motivação deste trabalho deu-se, principalmente, pela escassez de dados de resistência de aderência entre o concreto e armaduras de aço, e de Glass Fiber Reinforced Polymer (GFRP) quando exposto a altas temperaturas. Assim, o objetivo do trabalho é avaliar o comportamento da resistência de aderência residual, após a exposição a diferentes níveis de temperatura. Para tanto, são utilizados três ensaios de resistência de aderência: o primeiro normatizado pelo ACI 440.3R (AMERICAN CONCRETE INSTITUTE, 2004, p. 1-40), que é o Pull Out Test; e outros dois adaptados da recomendação RC6 (COMITE EURO-INTERNACIONAL DU BETON, 1983, p. 1-5), realizados por pesquisadores do Laboratório de Ensaios e Modelos Estruturais (LEME), que são Push Out Test e Pull Out Test Modificado. Os corpos de prova com barras de GFRP foram expostos à temperaturas ambiente, 80 e 120° C, sendo a seguir, ensaiados à resistência de aderência pelo Pull Out Test. Os corpos de prova armados com aço foram expostos à temperaturas ambiente, 200, 400 e 600° C, sendo ensaiados à resistência de aderência pelo Push Out Test. Para o método de ensaio de resistência de aderência Pull Out Test Modificado, os corpos de prova foram expostos apenas à temperatura ambiente. Após a análise dos resultados obtidos nos ensaios de ruptura, para a verificação da resistência de aderência, concluiu-se que os corpos de prova com GFRP tiveram um ganho de resistência quando expostos a temperaturas de 80 e 120° C, em comparação com a temperatura ambiente. Já para os corpos de prova com aço, os resultados obtidos mostraram que a resistência de aderência é reduzida quando expostos a temperaturas de 200, 400 e 600° C, em comparação a temperatura ambiente.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/78237
Arquivos Descrição Formato
000896753.pdf (2.039Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.