Repositório Digital

A- A A+

Efeitos da velocidade de ruptura de aterros na resistência não drenada mobilizada em solos moles : análise de dados de aterros experimentais instrumentados

.

Efeitos da velocidade de ruptura de aterros na resistência não drenada mobilizada em solos moles : análise de dados de aterros experimentais instrumentados

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Efeitos da velocidade de ruptura de aterros na resistência não drenada mobilizada em solos moles : análise de dados de aterros experimentais instrumentados
Autor Pires, Liliana Gonçalves Simões
Orientador Schnaid, Fernando
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Curso de Engenharia Civil.
Assunto Engenharia civil
Resumo Construções de grande porte, como aterros, quando construídas sobre solos moles devem ser feitas em etapas e com constante monitoramento devido à incerteza de comportamento do material. Assim sendo, este trabalho trata sobre aterros experimentais instrumentados, construídos sobre solos moles, argilosos, e monitorados desde a sua construção até sua ruptura, com o propósito de determinar a relação existente entre a velocidade de ruptura dos aterros e a resistência não drenada mobilizada. A partir dos trabalhos de Brugger (1996), Oliveira (2006) e Ortigão (1980) onde foram analisados aterros construídos sobre solos moles, monitorados e levados a ruptura (ou que sofreram grandes deslocamentos), foi possível obter os dados sobre as características geotécnicas das obras e a sua localização, assim como os deslocamentos do solo durante a ruptura, a poropressão e as fases de construção dos aterros para a determinação da velocidade. Desta maneira, foram estudados os dados dos aterros Terminal Portuário do Sergipe (Brugger), da Via Sul (Oliveira), em Santa Catarina e de Sarapuí (Ortigão), no Rio de Janeiro e descritos os procedimentos utilizados para a determinação das características do solo e para o monitoramento durante as diversas fases de construção. São apresentadas três abordagens destinadas à análise da velocidade de ruptura e sua relação com a resistência não drenada, o grau de adensamento e a variação de poropressão. A partir destas análises, concluiu-se que, durante a construção dos aterros, a velocidade desenvolve-se de maneira lenta e quando aproxima-se da situação de ruptura as velocidades apresentam um aumento significativo. Através de relações de velocidade normalizada com o grau de drenagem, foi possível verificar que os aterros possuem comportamento não drenado, sem dissipação de poropressão e sendo assim, verifica-se que na ruptura o ensaio de Palheta corresponde às condições não drenadas do aterro.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/78239
Arquivos Descrição Formato
000896803.pdf (2.956Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.