Repositório Digital

A- A A+

Conteúdo gastrointestinal do Pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) no Litoral do Rio Grande do Sul, Brasil : análise dos itens alimentares e resíduos poliméricos

.

Conteúdo gastrointestinal do Pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) no Litoral do Rio Grande do Sul, Brasil : análise dos itens alimentares e resíduos poliméricos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Conteúdo gastrointestinal do Pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) no Litoral do Rio Grande do Sul, Brasil : análise dos itens alimentares e resíduos poliméricos
Autor Silva, Priscila Moraes da
Orientador Ott, Paulo Henrique
Co-orientador Tavares, Maurício
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Curso de Ciências Biológicas: Ênfase em Biologia Marinha e Costeira: Bacharelado.
Assunto Pinguim de magalhães : Spheniscus magellanicus : Hábitos alimentares
Rio Grande do Sul, Litoral norte
[en] Feeding ecology
[en] Seabirds
[en] Spheniscidae
Resumo O trabalho analisa o conteúdo gastrointestinal e resíduos poliméricos de 73 espécimes de Spheniscus magellanicus encontrados mortos no litoral norte e médio leste do Rio Grande do Sul, sul do Brasil, entre 2010 e 2012. As presas encontradas foram identificadas a partir de presas em início do processo digestivo, além de estruturas mais resistentes, como otólitos de peixes e bicos de cefalópodes. Dos 73 tratos analisados, dois estavam vazios, os outros somaram 22.145 fragmentos de presas que correspondem a um mínimo de 11.426 presas ingeridas, sendo 10.555 espécimes de moluscos cefalópodes (FO = 91,8%), 806 espécimes de peixes teleósteos (FO = 72,6%), 51 espécimes de crustáceos (FO = 16,4%), 13 espécimes de insetos (FO = 2,8%) e cinco espécimes de moluscos gastrópodes (FO = 2,8%). Os resíduos poliméricos foram encontrados em 32 tratos (FO = 43,8%) e classificados em cinco categorias elastômero, PEAD (polietileno de alta densidade), PEBD (polietileno de baixa densidade), PP (polipropileno) e PA (poliamida). Foram encontradas diferenças significativas na ingestão de cefalópodes entre os indivíduos jovens e adultos, em que os jovens consumiram mais cefalópodes. Dez espécies identificadas foram registradas pela primeira vez na dieta de Spheniscus magellanicus no Atlântico Sul Ocidental.
Abstract The study of the diet of the Spheniscus magellanicus was evaluated from the analysis of the alimentary content present in the gastrointestinal tract of 73 specimens found dead in the northern and the middle-eastern coastlines of Rio Grande do Sul, south of Brazil, between 2010 and 2012. The prey found were identified from the prey at theinitial stasges of digestion , as well as from the more resistent structures, like fish otoliths and cephalopod beaks. From the 73 tracts analysed, two were empty, the others added up to 22.145 food itens that corresponded to a minimum of 11.426 ingested prey, being 10.555 (FO = 91.8%) specimens of cephalopod molluscs, 806 specimens of teleost fish (FO = 72.6%), 51 specimens of crustaceans (FO = 16.4%), 13 specimens of insects (FO = 2.8%) and five specimens of gastropod mollusc (FO = 2.8%). Significant differences were found in the ingestion of the prey and in the lenght of the mantle of the cephalopods, between juvenile and adult specimens. Ten species identified were registered for the first time in the diet of the Spheniscus magellanicus in the south-western Atlantic.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/80511
Arquivos Descrição Formato
000894690.pdf (1.236Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.