Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da percepção da sensação térmica em uma sala de controle

.

Avaliação da percepção da sensação térmica em uma sala de controle

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da percepção da sensação térmica em uma sala de controle
Autor Grandi, Mariele Stefani
Orientador Guimaraes, Lia Buarque de Macedo
Data 2006
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.
Assunto Conforto termico
Trabalho em turnos
[en] Control room
[en] Shifts work
[en] Thermal comfort
Resumo Este trabalho aborda a avaliação da percepção do conforto térmico em uma sala de controle, tendo como objetivo identificar quais os fatores que influenciam na sensação térmica dos operadores e se esta sensação difere estatisticamente entre os quatro turnos de trabalho. Foram medidas as variáveis ambientais (temperatura do ar, temperatura média radiante, umidade do ar e velocidade do ar), levantadas as variáveis pessoais (vestimenta e taxa metabólica) e aplicados questionários para coletar as sensações térmicas dos operadores a cada 1 hora. A taxa metabólica foi estimada em função da atividade, conforme os valores tabelados pela ASHRAE (2001), mas tal estimação pode apresentar imprecisões devido às diferenças individuais e às condições fisiológicas do ser humano, que são influenciadas pelo ritmo circadiano. O isolamento térmico médio das vestimentas foi de 0,5 a 0,8clo, sendo que os valores mais elevados ocorreram no turno da madrugada. Devido ao controle ambiental térmico da sala, a temperatura média do ar ao longo do dia permaneceu dentro de limites muito próximos. A sensação térmica predominantemente relatada pelos operadores, foi neutra, isto é, nem frio nem calor. Apenas em alguns períodos, principalmente no turno da madrugada, foi relatado desconforto devido ao frio. Não houve diferença significativa entre os resultados de conforto para os diferentes turnos de trabalho, mas o assunto merece estudos mais aprofundados. Os valores de PMV apresentaram baixa correlação estatística com as sensações relatadas pelos operadores, provavelmente em função dos valores da taxa metabólica e do isolamento térmico das vestimentas serem tabelados e não se ajustarem ao ambiente de trabalho. Devido a esta baixa correlação, a Anova não paramétrica de Kruskal-Wallis foi utilizada permitindo identificar que a temperatura do ar, a temperatura média radiante, a umidade do ar e a vestimenta utilizada influenciaram a sensação térmica dos operadores. Tendo em vista que o PMV não predisse a sensação térmica dos usuários, conclui-se que ele não é um bom parâmetro para uso em projetos de ambiente construído.
Abstract This present work approachs the evaluation of thermal comfort perception inside a control room, having the specific goal to identify which factors are important to the worker’s thermal sensation and if this sensation differs statistically among the four shifts work. Each environmental parameter (air temperature, mean radiant temperature, relative humidity and air velocity) were measured. The personal variables (clothing insulation and metabolic rate) were evaluated and questionnaires were applied to collect worker’s thermal sensation each hour. The metabolic rate was estimated through the activity, according to the ASHRAE table (2001). This estimative might not be precise due to individual differences and to physiological conditions of the human being, which are influenced by the circadian rhythm. The clothing insulation was 0,5 to 0,8 clo, and the highest values occurred in the early hours of the morning. Owing to the environmental control of the room, the mean air temperature through the day did not have significant changes. The thermal sensation predominantly reported by the workers was neutral, that is, neither cold nor warm. Only in a few periods, especially in the early hours of the morning, was related discomfort because of the cold. There is not a significative difference among the comfort results for the different shifts work, but the topic deserves deeper studies. The PMV values no small statistic correlation with the sensations related by the workers, probably due to the values of the metabolic rate and to the clothing insulation be tabled and were not to adjustable to the work environment. As a result of this weak correlation, the Kruskal-Wallis non parametric Anova was used to identify that air temperature, mean radiant temperature, air relative humidity and clothing insulation influenced the worker’s thermal sensation. Considering that the PMV did not predict the worker’s thermal sensation, the data suggest that the PMV is not a good parameter to be used in projects of buildings.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/8147
Arquivos Descrição Formato
000569021.pdf (2.733Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.