Repositório Digital

A- A A+

Competências requeridas - competências adquiridas : o curso superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações do Centro Federal de Educação Tecnológica Pelotas - RS no contexto das mudanças advindas da reforma da educação profissional

.

Competências requeridas - competências adquiridas : o curso superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações do Centro Federal de Educação Tecnológica Pelotas - RS no contexto das mudanças advindas da reforma da educação profissional

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Competências requeridas - competências adquiridas : o curso superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações do Centro Federal de Educação Tecnológica Pelotas - RS no contexto das mudanças advindas da reforma da educação profissional
Autor Mello, Simone Portella Teixeira de
Orientador Oliven, Arabela Campos
Data 2007
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação.
Assunto Competência profissional
Educação tecnológica
Ensino técnico
Formação
Tecnólogo
Resumo Com base em um estudo de caso - o Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações do CEFET, Pelotas, RS - analiso a polissemia do conceito de competências, trazendo a tona relatos de agentes sociais significativos: egressos e docentes do referido curso, bem como representantes do mercado de trabalho. Resgato a noção de competências no trabalho e na educação, a partir da contribuição de autores como Dubar, Zarafian, Ropé e Tanguy, Mertens, Irigoin e Vargas, Deluiz, Ramos, Tartuce, Teixeira e dos agentes sociais envolvidos na pesquisa. Foram entrevistados os graduados até 2005, num total de 18 egressos e 22 professores. Destaco a trajetória escolar e ocupacional dos tecnólogos, suas percepções sobre as competências adquiridas ao longo do curso, aspectos relacionados às disciplinas oferecidas, estágio supervisionado e Trabalho de Conclusão de Curso – TCC, assim como suas percepções sobre os docentes e outras modalidades de graduação. No segmento docente, apresento suas trajetórias acadêmicas e profissionais, seus entendimentos sobre cursos de graduação, assim como o sentido das competências que aparece polissêmico e pouco problematizado no debate. O tema eclode na educação brasileira no bojo da reforma da educação profissional de uma forma súbita, o que se revela nas entrevistas com os docentes, em especial quando do “silêncio” ao se orientar a conversa no campo da competência na educação e no trabalho. Em se tratando do Mercado de Trabalho, faço uma breve incursão sobre os cursos superiores de tecnologia e obtenho maiores informações a partir da oferta de trabalho para tecnólogos publicada em um jornal de grande circulação no estado do Rio Grande do Sul. Os resultados demonstram o divórcio entre o discurso oficial sobre a importância do tecnólogo e a realidade analisada. A separação pode ser percebida através do projeto pedagógico do curso, o qual foi concebido com base na noção de competências. O desconhecimento das competências por parte de graduados e docentes é um fato, o que revela o distanciamento entre o formal e o real. As competências não parecem sobrepor a qualificação. Mostram-se como mais um modismo, imposto para fins de criação de um curso, nem tanto para fins de reconhecimento, mas, sobretudo, de difícil definição para a maior parte dos agentes sociais envolvidos. A atitude formalista, em se tratando da relação das doze competências a serem adquiridas ao longo do curso, indica mais uma exigência do MEC, na medida em que os relatos revelam o pouco conhecimento dessas por parte de egressos e docentes. Os relatos, em especial, do mercado de trabalho, ratificam isso. Em se tratando de competências na educação, a matriz que se aproxima mais do curso em questão é a funcionalista, de essência descritiva, a qual desconsidera os atributos subjacentes que não podem ser isolados das práticas reais de trabalho, necessárias ao desempenho em situações específicas, algo que está no âmago do sentido de competências.
Abstract Based on a study of case – The Superior Course of Telecommunication Technology Systems from CEFET, Pelotas, RS. I analyze the polysemy of the concept of competences, presenting the stories of significative social agents: students who graduated from this course and professors as well as work market representatives. I bring up the notion of competences for works and education, based on the contribution of authors such as Dubar, Zarafian, Ropé e Tanguy, Mertens, Irigoin and Vargas, Deluiz, Ramos, Tartuce, Teixeira and social agents involved in the research. The students who graduated until 2005 were interviewed, in a total of 18 students and 22 professors. I highlight the school and occupational background of the technicians, their perceptions on the acquired competences during the course, related aspects to the subject’s studies, supervised stage and Conclusion Course Work – CCW, as well as their perceptions about the docents and other kinds of graduation. Concerning the docent part, I present their academic and professional backgrounds, their comprehension about the graduation course, their comprehension about the graduation course, as well as the meaning of the competences which sound polysemous and with little importance in the debate. The theme starts with Brazilian Education and its Professional Education Reform, what may be realized during the interviews with the docents, specially when “silence” leads the talk related to competence for Education and Work. Concerning the work market, I make a brief incursion about the university courses of technology and I obtain further information by analyzing the job advertisements for technicians published in a newspaper of big circulation in the state of Rio Grande do Sul. The results show the separation between the official speech about the importance of the technician and the analyzed reality the separation may be realized through the pedagogical project of the course, which was created based on the notion of competences. The lack of knowledge about competences of the students and the docents is a fact, which shows the distance between the formal and the real. The competences do not seem to overlap the qualification. They seem to be another trend imposed in order to create a course, not so much to establish it, however, a difficult concept to define for the majority of the social agents. The formal attitude, concerning the relation of twelve competences which should be acquired during the course, indicates a demand requested by MEC (Education and Culture Ministry) due to the fact the stories told show the little knowledge the students and the docents have about competences. The stories, specially, about the work market ratify that. Concerning the competences is n Education, the most similar model to this course is the functionalist one, with descriptive essence, which does not consider the underlying attributes that may not be isolated of the real work practices, which are necessary for the development of specific situations, something that is in the soul of the meaning of competences.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/83564
Arquivos Descrição Formato
000906752.pdf (817.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.