Repositório Digital

A- A A+

Revamp de coluna de destilação para separação de corte C5 bruto

.

Revamp de coluna de destilação para separação de corte C5 bruto

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Revamp de coluna de destilação para separação de corte C5 bruto
Autor Sant'Anna, Gabriela Damo
Orientador Farenzena, Marcelo
Co-orientador Finger, Graziela
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Curso de Engenharia Química.
Assunto Engenharia química
Resumo Na indústria petroquímica, o reaproveitamento de equipamentos existentes, com modificações ou não, para uso em um processo diferente daquele para o qual foi projetado se mostra uma boa oportunidade quando se leva em consideração os custos e prazos envolvidos na aquisição de equipamentos novos. Neste trabalho, foi avaliada o desempenho de uma coluna de destilação existente para a separação de C5 bruto a partir de uma corrente de gasolina de pirólise leve. Foram projetadas as modificações necessárias no equipamento para que as novas condições de processo pudessem ser atendidas e, além disso, avaliou-se o potencial de produção de C5 bruto nessa coluna, buscando a maximizar a recuperação dos compostos isopreno e piperilenos. Para tais avaliações, após a obtenção dos dados de planta necessários para o estabelecimento das bases de projeto, foram realizadas simulações do equipamento nas novas condições de processo utilizando o software Aspen Plus®. Fez-se uso das ferramentas de desing specs e análise de sensibilidade do software para a obtenção dos resultados. Sabendo-se que existem pratos de alta performance disponíveis no mercado, foi avaliado o efeito da eficiência de pratos utilizada na simulação para o resultado do projeto. Para realizar a separação desejada, a coluna deverá ser ter 8 pratos a mais que o equipamento existente. A eficiência de pratos utilizada na simulação do sistema se mostrou um grande diferencial tanto para as produções atingidas, quanto para as variáveis operacionais da coluna e para a flexibilidade da mesma frente a distúrbios. Portanto, os novos pratos da coluna deverão ser pratos de alta eficiência. No caso de mais baixa eficiência de pratos testada (50%), a coluna modificada recupera até 58% do componente chave-leve alimentado (cis-piperileno) e 83% do isopreno no produto de topo. Nesse caso, são produzidas 10.418 kg/h dessa corrente, dos quais 23,1% são dos compostos de interesse. Para a maior eficiência de pratos testada (85%), no entanto, é possível recuperar até 65% do componente chave-leve e 91% do isopreno no produto de topo, obtendo 11.640 kg/h de produto, com 22,8% de concentração em isopreno e piperilenos.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/85662
Arquivos Descrição Formato
000908807.pdf (1.545Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.