Repositório Digital

A- A A+

Intoxicação por monensina em búfalos.

.

Intoxicação por monensina em búfalos.

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Intoxicação por monensina em búfalos.
Outro título Monensin toxicosis in water buffaloes
Autor Rozza, Daniela
Orientador Driemeier, David
Data 2007
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias.
Assunto Creatina quinase
Intoxicação veterinária : Búfalos
Toxicologia veterinária
[en] Buffaloes
[en] Cattle
[en] CK levels
[en] Degenerative myopathy
[en] Monensin tolerance
[en] Monensin toxicity
Resumo O primeiro artigo desse estudo apresenta a ocorrência de um surto de intoxicação por monensina em búfalos de um rebanho misto com bovinos, os quais não foram afetados. Tal fato sugeriu a possibilidade de que búfalos fossem menos tolerantes à monensina que bovinos. Embora com número reduzido de animais experimentais, dados preliminares foram compatíveis com essa hipótese. O segundo artigo desse trabalho descreve detalhadamente achados clínicopatológicos da intoxicação por monensina em búfalos, confirma a maior susceptibilidade dos búfalos (em comparação com bovinos) à monensina e determina a mínima dose tóxica de monensina para búfalos. Sinais clínicos e lesões característicos de intoxicação por monensina foram induzidos em búfalos dosados (1 dia) com 15, 10, 7,5 e 5 mg/kg de monensina. Apenas os búfalos dosados com 2,5 (1 dia) e 1 mg/kg (7 dias) de monensina não morreram. Os sinais clínicos iniciaram aproximadamente 6 h após dosagem com monensina e incluíram apatia, anorexia, diarréia, sialorréia, fraqueza muscular, taquicardia, dificuldade locomotora, dispnéia, distensão da jugular, decúbito e morte. As dosagens de creatinina quinase (CK) dos búfalos aumentaram acentuadamente após dosagem com monensina. As alterações macroscópicas foram ascite, hidrotórax, hidropericárdio, cardiomegalia, hepatomegalia e áreas pálidas focais no miocárdio e nos músculos esqueléticos. Degeneração e necrose de miofibras foram os principais achados histopatológicos. Os búfalos intoxicados naturalmente no surto desenvolveram predominantemente lesões nos músculos esqueléticos e os búfalos experimentais tiveram lesões cardíacas mais pronunciadas. Por outro lado, nenhuma evidência de doença, nem mesmo alteração nos níveis de CK, foram observados nos bovinos dosados com as mesmas dosagens de monensina, confirmando observações preliminares que esses animais são mais resistentes à monensina que os búfalos.
Abstract The first article of this study reports the occurrence of an outbreak of monensin toxicosis in water buffaloes from a feedlot in which buffaloes and cattle were kept together but only the former were affected. This suggested that buffaloes were less tolerant to monensin than cattle. Although tested with small number of experimental animals, preliminary data were consistent with this hypothesis. The second manuscript describes the clinicopathological findings in monensin toxicosis in water buffaloes, confirms that buffaloes are more susceptible to monensin than cattle, and presents the minimal toxic dosage of monensin to buffaloes. Typical clinical signs and lesions of monensin intoxication were induced in water buffaloes dosed with single doses of 15, 10, 7.5, and 5 mg/kg of monensin. Only buffaloes dosed with 2.5 mg/kg (1 d) and 1 mg/kg (7 d) survived. Clinical signs initiated approximately 6 h postdosing and included apathy, anorexia, diarrhea, drooling, muscular weakness, locomotion disorders, dyspnea, tachycardia, jugular distension and pulse, recumbency and death. The creatine kinase (CK) levels were highly augmented in blood samples of buffaloes dosed with monensin. Most prominent gross changes were ascites, hydrothorax, hydropericardium, cardiomegaly, hepatomegaly, and focal pale areas in the myocardium and in skeletal muscles. Degeneration and necrosis of myofibers were the main histopathological findings. Conversely, no evidence of disease, neither change in CK levels were observed in the beef cattle steers dosed with same doses, confirming preliminary findings that buffaloes are more susceptible to monensin than cattle. Buffaloes in field cases predominantly developed lesions in skeletal muscles, and those from the trial had cardiac lesions as the most pronounced changes. In addition, this report presents the minimal toxic dosage of monensin to buffaloes and suggests that CK tests may serve as monitoring tools in the management of buffalo herds supplemented with monensin.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/8631
Arquivos Descrição Formato
000583689.pdf (582.6Kb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.