Repositório Digital

A- A A+

Do mapa à fotografia : planografias de um espaço louco

.

Do mapa à fotografia : planografias de um espaço louco

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Do mapa à fotografia : planografias de um espaço louco
Autor Diehl, Rafael
Orientador Maraschin, Cleci
Co-orientador Tittoni, Jaqueline
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento.
Assunto Adolescente
Conhecimento
Fotografia : Aspectos psicossociais
Hospital Psiquiátrico São Pedro de Porto Alegre. Centro Integrado de Atenção Psicossocial.
Observacao (psicologia)
Saúde mental
[en] Epistemology
[en] Mental health
[en] Photography
[en] Planes of inscription
Resumo Este trabalho busca analisar a produção e legitimação de planos de inscrição no percurso de uma pesquisa-intervenção no Centro Integrado de Atenção Psico-Social (CIAPS) do Hospital Psiquiátrico São Pedro (HPSP) em Porto Alegre/Brasil. A partir da percepção de que o saber técnico sobre os jovens internados no CIAPS se mantinha exterior ao que eles podiam experienciar em relação a si mesmos, como, por exemplo, o fato de não poderem escrever no livro de ocorrências da unidade e suas inscrições não adquirirem permanência nas paredes do local, propusemos oficinas de mapas e de fotografia como estratégia de intervenção em que eles mesmos pudessem produzir seus planos, seja fotografando ou desenhando os mapas. Conceituamos plano de inscrição como qualquer superfície plana que possibilita um reconhecimento simbólico compartilhado, a partir do qual o conceito de planografias - entendida como ação de produzir planos de inscrição - sustentou a estratégia de intervenção. As diferenças técnicas e de legitimação entre a produção de fotografias e mapas serviram tanto para atualizar questões referentes ao funcionamento da instituição como também para especificar a máquina fotográfica como um analisador, pelas suas visibilidades e possibilidades enunciativas relacionadas à participação na configuração de planos de inscrição legitimados. As oficinas de mapas e de fotografia foram realizadas na internação de adolescentes; na internação infantil e no ambulatório de adolescentes, apenas oficinas de fotografia. A intervenção proposta trouxe a questão ética sobre os usos da máquina fotográfica, o que levou à organização de uma exposição interna das fotos produzidas que não deixou de atualizar as limitações impostas pelo sistema da internação a esta proposta de oficinas. As oficinas no ambulatório se mostraram mais potentes, pois além de atualizarem relações cristalizadas entre os jovens e a instituição, foi possível, com a continuidade das mesmas, uma abertura para a criatividade e singularidade das produções dos jovens, apontando para modos de atenção em saúde mental mais desvinculados da lógica manicomial.
Abstract This dissertation analysis the production and acknowledgement of planes of inscription during the course of a research-intervention project at the Centro Integrado de Atenção Psico-Social (CIAPS) [Integrated Psychosocial Attention Center] of the Hospital Psiquiátrico São Pedro (HPSP) in Porto Alegre/Brazil. We observed at the CIAPS that the staff’s knowledge about the inpatients was remote from what these patients could experience in relation to themselves. For example, the fact of not having permission to write in the unit’s pass-it-on journal and that the inscriptions they produced would not stay on the walls. From these observations, we proposed two workshops, one of drawing maps and another of photography. By either photographing or mapping, this intervention strategy could allow the inpatients to produce their own planes of inscription. The concept of “planes of inscription” was conceived as any plane surface that can enable sharing a symbolic recognition, from which the concept of planographs – understood as an action of producing planes of inscription – upheld the intervention strategy. The technical differences and the disparities of acknowledgement among the photographs and maps that were produced, served to update matters referring to how the institution works as much as specifying the photographic camera as analyser, for its visibilities and possibilities of enunciations, related to its participation in configuring acknowledged planes of inscription. The mapping and photography workshops occurred in the adolescent ward, while only photography workshops took place in the child ward and in the emergency ward for adolescents. Ethics concerning the use of the camera was brought up due to this intervention, which led to the organization of a closed exposition of the photos, which, in turn, put the spotlight on the limitations imposed by the institution’s admission system upon the proposal of the workshops. The workshops in the emergency ward for adolescents proved to be more potent, for not only did it update crystallized relations among the youth and the institution, it also enabled, with the continuation of the workshops, an opening for creativity and singularity of the youth’s productions, pointing towards methods of giving attention in mental health centers that are less aligned to the logic of asylums.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/8729
Arquivos Descrição Formato
000587643.pdf (528.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.