Repositório Digital

A- A A+

A educação para a autonomia em Immanuel Kant e Paulo Freire

.

A educação para a autonomia em Immanuel Kant e Paulo Freire

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A educação para a autonomia em Immanuel Kant e Paulo Freire
Autor Zatti, Vicente
Orientador Veit, Laetus Mário
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação.
Assunto Autonomia
Emancipação
Filosofia da educação
Freire, Paulo, 1921-1997
Kant, Immanuel, 1724-1804
Racionalidade
Subjetividade
[en] Autonomy
[en] Emancipation
[en] Philosophy of Education
[en] Rationality
[en] Subjectivity
Resumo O conceito iluminista de autonomia, que adquire centralidade em Kant, foi essencial para o desenvolvimento da sociedade e da educação desde a modernidade. Kant propôs uma educação a partir da metafísica da subjetividade como uma ética aplicada, formulou tal sentido por meio de uma fundamentação filosófica racionalizada de autodeterminação e autonomia. Para ele, o homem guiado pela sua razão universal, agindo por dever, segundo o imperativo categórico, é auto-responsável e autônomo, enquanto o homem sensível que recebe influências externas à razão é o homem em condição de heteronomia. Em Paulo Freire a autonomia ganha um sentido sócio-político-pedagógico, cabe à educação formar o homem consciente e crítico, capaz de transformar as estruturas opressoras e alienantes, capaz de transformar as condições concretas de heteronomia. Para Freire, autonomia se dá a partir da práxis que leva à libertação. Esse trabalho tematiza, a partir de Kant e Freire, aspectos de uma educação que vise superar as heteronomias do nosso tempo e formar para a autonomia. Para tal, analisamos a concepção de autonomia de cada autor, as heteronomias contra as quais se voltam, as confluências e dissonâncias entre ambos os autores, bem como, as heranças kantianas presentes em Freire. Em oposição às correntes tecnicistas, abordamos a educação como formação da totalidade do humano, por isso também analisamos os aspectos políticos, éticos e estéticos envolvidos na proposta de educação para a autonomia dos autores. Ao tratarmos da formação estética abordamos Schiller, que é um continuador da obra de Kant e que, juntamente com Freire, nos mostra a importância de, ao falarmos de autonomia, não pensarmos ética e estética como opostas.
Abstract The Enlightenment concept of autonomy, which comes to a center stage in Kant, was essential for the development of society and education since modernity. Kant proposed an education from the metaphysics of subjectivity as applied ethics, formulated this meaning through a rationalized philosophical fundament of self-determination and autonomy. To him, the man guided by his universal reason, acting out of duty, according to categorical imperatives, is self-responsible and autonomous, while the sensitive man who receives influences external to reason is a man in a heteronymous condition. In Paulo Freire, autonomy receives a social-political-pedagogical meaning, it’s up to education to form the conscious, critical man, capable of transforming oppressive and alienating structures, capable of transforming the concrete conditions of heteronomy. To Freire, autonomy occurs from the starting point of practice leading to liberation. This paper deals, from the starting points of Kant and Freire, with aspects of an education that aims to overcome the heteronomies of our time, and to form people for autonomy. In order to do so, we analyze each author’s concept of autonomy, the heteronomies against which they direct themselves, the confluences and dissonances between the authors, as well as the kantian heritage present in Freire. Opposing the technicist currents, we approach education as the formation of the totality of the human being, and thus also analyze the political, ethical and aesthetical aspects involved in the authors’ proposition of education for autonomy. When dealing with aesthetical formation, we touch on Schiller, a follower of the work of Kant who, along with Freire, shows us the importance of, when speaking of autonomy, not thinking of ethics and aesthetics as opposed concepts.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/8740
Arquivos Descrição Formato
000587895.pdf (341.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.