Repositório Digital

A- A A+

Cinco anos de ações afirmativas na UFRGS : avaliação do desempenho da 1ª turma de ingressos na ESEF

.

Cinco anos de ações afirmativas na UFRGS : avaliação do desempenho da 1ª turma de ingressos na ESEF

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Cinco anos de ações afirmativas na UFRGS : avaliação do desempenho da 1ª turma de ingressos na ESEF
Autor Santos, Karen Morais dos
Orientador Gil, Juca
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Ações afirmativas
Avaliação de desempenho
Cotas
Resumo Nesse trabalho propomo-nos à discussão acerca da necessidade de termos políticas de Ações Afirmativas em nosso país. Pontuamos a trajetória de exclusão da população mais pobre de direitos básicos, como à educação pública de qualidade. Expropriação de direito que tem início na educação básica e continuidade, se olharmos para quantos conseguem ingressar no ensino superior público. E resgatamos também para essa discussão a necessidade desse tipo de política para reverter o processo de marginalização do negro enquanto grupo étnico, em uma sociedade que foi fundada através da exploração da mão de obra escrava e alicerçada em uma ideologia racista. O Programa de Ações Afirmativas foi implementado na UFRGS no ano de 2007 e passa a ter validade já no vestibular de 2008 com a previsão de ter sua primeira avaliação após cinco anos da política. Durante a avaliação dessa política foram constatadas diversas debilidades do Programa, como a dificuldade de garantir ações de permanência que atinjam mais estudantes cotistas, e até mesmo uma crítica ao método de avaliação do desempenho através da TIM (Taxa de Integralização Média do curso). Após cinco anos o Programa ainda está se adaptando, enquanto isso, os cotistas estão entrando. Na Escola de Educação Física da UFRGS no ano de 2008 nos cursos de educação física – bacharel e licenciatura – ingressaram 158 estudantes, desses 108 pelo acesso universal e 48 egressos de escola pública e negros, respeitando os 30% previstos na decisão da política. Desses 158 estudantes que ingressaram 38 evadiram, 64 ainda se encontram matriculados e 54 são egressos, desses apenas dois licenciados. Averiguamos também em nosso trabalho que os estudantes cotistas de escola pública e autodeclarados têm mais dificuldade de seguir a seriação proposta pelo Portal do Aluno e também maior índice de reprovações nas disciplinas.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/87751
Arquivos Descrição Formato
000911877.pdf (1.205Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.