Repositório Digital

A- A A+

Paisagens sonoras etéreas: o dreampop sob a perspectiva das materialidades da comunicação

.

Paisagens sonoras etéreas: o dreampop sob a perspectiva das materialidades da comunicação

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Paisagens sonoras etéreas: o dreampop sob a perspectiva das materialidades da comunicação
Autor Fonseca, Daniela Fischer
Orientador Conter, Marcelo Bergamin
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. Curso de Comunicação Social: Habilitação em Propaganda e Publicidade.
Assunto Comunicação
Indústria fonográfica
[en] Communication
[en] Dreampop
[en] Materialities of communication
[en] Music
[en] Soundscape
Resumo Neste trabalho, realizamos estudo sobre como aparelhos, softwares e instrumentos de composição musical elétricos e/ou eletrônicos modelam e compõem a paisagem sonora de registros fonográficos de canções que se enquadram no estilo dreampop, considerando suas duas fases mais produtivas: a primeira, correspondente à década de 1980, e a segunda, dos anos 2000 até a data atual (2013). É visto que as inovações tecnológicas também repercutem no cenário musical, o que possibilita novas maneiras de se criar sons, além de novas relações do homem com os aparelhos de composição. Constatamos que a maneira como as bandas de dreampop lidam com seus aparelhos e instrumentos resulta em paisagens sonoras que despertam ao ouvinte sensação de ‘não-estar-aqui’, além da constituição de um ambiente sonoro etéreo. Buscamos apontar as diferenças entre as paisagens sonoras da primeira e da segunda geração dreampop, considerando os aparelhos de composição musical e verificando como é realizada a produção de presença nestas músicas. Para isso, analisamos as paisagens sonoras produzidas nas canções das bandas Cocteau Twins e Chapterhouse, que se enquadram na primeira fase do dreampop, e também do grupo Beach House e da cantora Grimes, dentro da segunda fase. Realizamos revisão bibliográfica de autor relacionado à Teoria das Materialidades, Hans Gumbrecht, para refletirmos sobre como os aparelhos de composição musical produzem efeitos de presença. A fim de observarmos a relação que os músicos têm com os aparelhos, utilizamos a teoria de Vilém Flusser e, para análise dos elementos das paisagens sonoras, contamos com a teoria de R. Murray Schafer. Concluímos, por fim, que os efeitos de presença se dão, nos quatro objetos empíricos, através das texturas e efeitos realizados através dos aparelhos, além do preterimento por timbres ao invés de harmonias. Concluímos também que o papel do artista em música encontra-se cada vez mais submetido à tecnologia.
Abstract In this work, we study how equipment, software and music composition tools electrical and / or electronic model and compose the soundscape of phonograph records of songs that fit the style dreampop, considering the two periods of the music style: the first from the 80's, and the second, from the early 2000 to the contemporary date (2013). It is seen that technology innovations also reverberate in the music scene, what makes possible new ways of doing music sounds, and new relations between man and the composition equipment. We found that the way this movement musicians deal with their equipment results in soundscapes that awakes the ‘not-being-here’ sensation, beyond the constitution of an ethereal soundscape. We try to point the differences of soundscapes between the first and the second dream pop generations, considering the musical composition equipment, and verify how the production of presence is accomplished in these songs. For this, we analyze the soundscapes of the groups Cocteau Twins and Chapterhouse, from the first dreampop period, and Beach House and Grimes, from the second period. We reviewed the literature of authors related to the Theory of Materiality, such as Hans Gumbrecht for reflection how the musical composition equipments produce presence effects. In order to see the relation between the musicians and the equipment, we use the Vilém Flusser theory, and for the soundscapes elements analysis, we count on the theory from R. Murray Schafer. We conclude that the effects of presence occurs, in the four empiric objects, through the textures and effects made with the equipment, and the dismiss of timbres, rather than harmonies. We also conclude that the artist function in music is more and more submitted to the equipment technology.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/88706
Arquivos Descrição Formato
000913296.pdf (569.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.