Repositório Digital

A- A A+

Algumas observações sobre o foco, contraste e exaustividade

.

Algumas observações sobre o foco, contraste e exaustividade

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Algumas observações sobre o foco, contraste e exaustividade
Outro título Some observations on focus, contrast and exhaustivity
Autor Menuzzi, Sérgio de Moura
Resumo Neste artigo, discuto algumas ideias generalizadas sobre as relações entre foco, contraste e exaustividade, entre as quais: (i) a de que “foco informacional”, “foco contrastivo” e “foco exaustivo” são diferentes em sua “composição de traços; (ii) a de que “contraste” e “exaustividade” são “traços” que podem ser adicionados ao foco; (iii) a de que há alguma diferença significativa (fonológica) entre acentos de foco informacional e foco contrastivo. Quanto às relações entre foco e contraste, procurarei mostrar que as condições em que se afirma que há “contraste” não são facilmente distinguíveis daquelas em que simplesmente temos foco informacional – o que também coloca em dúvida a ideia de que o “acento de contraste” seja distinguível do “acento de foco”. Quanto à exaustividade, procurarei mostrar, seguindo Wedgwood (2005), que é uma “implicatura default” de foco; antes, é a ausência de exaustividade que exige ser “marcada” contextualmente. Além disso, o “traço característico” das clivadas parece ser uma “pressuposição de unicidade” associada à oração clivada – e não um “traço checado pelo constituinte clivado”. Finalmente, explorando os efeitos de exaustividade, discutirei a questão de qual seria a “função básica” do foco: “evocar um conjunto de alternativas contextualmente relevante”, segundo Rooth (1985, 1992), ou simplesmente “assinalar relevância”, segundo Wedgwood (2005). Minha conclusão será a de que a posição de Rooth parece mais adequada.
Abstract In this article, I discuss some widespread ideas concerning the relationship between focus, contrast and exhaustivity, among which: (i) the idea that “informational focus”, “contrastive focus” and “exhaustive focus” are different in their “feature composition”; (ii) that contrast and exhaustivity are “features” that can be added to focus; (iii) that there is a significant (phonological) difference between the accents that mark informational focus and contrastive focus. Regarding the relationship between focus and contrast, I will try to show that the conditions under which contrast is claimed to be found are not easily distinguished from those in which simple informational focus is usually found. This raises doubts on the idea that there is a distinction between “accent of focus” and “accent of contrast”. Concerning exhaustivity, I will try to show, following Wedgwood (2005), that it is a “default implicature” of focus, and that it is lack of exhaustivity that must be “marked” contextually. Besides, the “characteristic trait” of clefts seems to be a presupposition of unicity associated with the cleft clause, hence not a “feature to be checked by the cleft constituent”. Finally, exploring exhaustivity, I will discuss the issue regarding the “basic function” of focus: whether it “evokes a contextually relevant set of alternatives”, as proposed by Rooth (1985, 1992), or simply “signals relevant material”, as proposed by Wedgwood (2005). I conclude in favor of Rooth’s position.
Contido em Revista letras. Curitiba. N. 86 (jul./dez. 2012), p. 95-121
Assunto Contraste
Exaustividade
Foco
[en] Contrast
[en] Contrastive focus
[en] Exhaustivity
[en] Focus
[en] Focus accent
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/89726
Arquivos Descrição Formato
000912685.pdf (211.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.