Repositório Digital

A- A A+

O processo de codificação ética da cavalaria e as divergências de suas representações frente aos torneios : séc. XII e XIII

.

O processo de codificação ética da cavalaria e as divergências de suas representações frente aos torneios : séc. XII e XIII

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O processo de codificação ética da cavalaria e as divergências de suas representações frente aos torneios : séc. XII e XIII
Autor Santos, Rhenan Pereira
Orientador Teixeira, Igor Salomão
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de História: Licenciatura.
Assunto Cavalaria
Ética
Sociedade feudal
Resumo O processo de codificação ética da cavalaria pode ser entendido como a tentativa, sob a influência da Igreja, de imprimir um sentido utilitário nesse grupo, de conter as turbulências que seus conflitos geravam no seio da sociedade feudal. Espécie de formatação de conduta ocorrida a partir do séc. X e que, se destacarmos o ritual de adubamento necessário para o ingresso nesta ordem, tornava esse grupo – já economicamente limitado àqueles que podiam arcar com seus altos custos – cada vez mais fechado. Processo que servia tanto como tentativa de “controle” sobre um determinado grupo, pela Igreja, quanto para a sua legitimação. Os torneios se inserem nesse contexto como uma das mais relevantes práticas da cavalaria, contribuindo diretamente para as suas dinâmicas sociais, mas sob a constante crítica da Igreja. O presente trabalho buscou analisar como dois modelos de cavalaria distintos, a partir desse processo, se confrontam com a prática dos torneios. O primeiro, representado no De Laude Novae Militiae, tratado de Bernardo de Claraval (1090 – 1143), que enaltece a cavalaria a partir da vida dos templários. O segundo, no Libro del Orden de Caballería, obra escrita por Ramon Llull (1232 – 1315), pensa a cavalaria, sob preceitos cristãos, mas aceitando muitas de suas práticas. No primeiro capítulo, foi analisado como os dois modelos se confrontam com o uso da violência dentro dos torneios, além das mortes ocorridas em sua consequência. No segundo capítulo, como as buscas que motivaram a participação de jovens cavaleiros nesses eventos – por fama e por fortuna – foram compreendidas em cada autor. Tal opção analítica se deve à escolha pela história comparada como referencial metodológico, a partir do conceito de representação em Chartier, onde esta é uma das formas pelas quais os diferentes grupos – nesse caso, nobreza e clero – tentam perpetuar a sua visão de mundo sobre as demais. Foi possível observar, através da crítica e da defesa aos torneios nas fontes, como o processo de codificação ética da cavalaria foi dinâmico, até mesmo divergente em si mesmo, ora buscando combater os excessos da cavalaria, cristianizando suas práticas, ora legitimando o seu papel dentro da sociedade, enaltecendo valores tipicamente nobiliárquicos.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/90309
Arquivos Descrição Formato
000914820.pdf (266.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.