Repositório Digital

A- A A+

Standard e substandard no contato alemão-português

.

Standard e substandard no contato alemão-português

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Standard e substandard no contato alemão-português
Autor Machado, Lucas Löff
Orientador Altenhofen, Cleo Vilson
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Curso de Letras: Português e Alemão: Licenciatura.
Assunto Imigrantes alemães
Língua alemã
Rio Grande do Sul
Resumo Partindo das diferentes dimensões de análise da presença do Hdt em contextos de contato alemão-português, tendo sobretudo o Hrs como variedade substandard, destaco os seguintes pontos: 1. Dimensão diamésica - predominância do uso da variedade standard no meio escrito quando comparada ao meio falado. Deve-se, entretanto, considerar que no meio falado existe uma oscilação maior do contínuo em relação ao uso de Hdt. 2. Dimensão diafásica - a presença do Hdt/StDt no meio escrito e no meio falado está sujeita ao nível de formalidade da prática em questão. No meio escrito, em atas e no sermão, verifica-se o uso [+standard]. No entanto é no meio falado que a dimensão diafásica desempenha um papel mais determinante, como no sermão [+standard] e na interação entre membros da comunidade [-standard]. 3. Dimensão diatópica - localidades onde se estabeleceram imigrantes de épocas posteriores a 1850 (tipo deutsch, v. mapa 2) fazem uso de variantes mais do Hdt. Supõe-se que os primeiros imigrantes dessas colônias mantiveram maior contato com a variedade Hdt na Alemanha. 4. Dimensão diacrônica – as práticas analisadas remetem a períodos distintos de presença da variedade standard, principalmente antes e depois das políticas do Estado Novo. Por exemplo, ensino em alemão [-atual] e ensino de alemão [+atual]. 5. Dimensão diageracional – A presença da variedade standard na escola e em impressos até 1945 sugere que falantes de gerações mais velhas (GII) tenham tido maior contato com esses contextos do que falantes mais jovens (GI). Cabe aprofundar essa diferença em estudos futuros dos dados da totalidade de entrevistas do ALMA-H (127), nas 41 localidades de pesquisa. 6. Dimensão diastrática – o nível de formação não parece ser determinante na análise da presença de Hdt nos contextos pesquisados. Gerações mais velhas e com grau de formação inferior (CbGII) tiveram, em muitos casos, acesso ao ensino de língua em alemão e a práticas de letramento em Hdt. É preciso considerar ainda que a aquisição de Hdt nem sempre se deu através da escola, mas pela leitura de publicações impressas de circulação nas comunidades.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/95009
Arquivos Descrição Formato
000916871.pdf (2.167Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.