Repositório Digital

A- A A+

Água viva : os saberes que se fazem na fluidez do cotidiano

.

Água viva : os saberes que se fazem na fluidez do cotidiano

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Água viva : os saberes que se fazem na fluidez do cotidiano
Autor Gonçalves, Liv Ludwig
Orientador Costa, Luciano Bedin da
Data 2013
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Curso de Ciências Biológicas: Licenciatura.
Assunto Cotidiano
Experiências de vida
Lami (Porto Alegre, RS)
Resumo Uma cartografia com crianças, sobre seus saberes cotidianos. Um método eminentemente caminhante, que faz do caminhar/bicicletar a potência para a produção de encontros. Duas crianças, uma pesquisadora, cinco encontros. Mas cada encontro, múltiplo que foi, despertou para uma miríade de outros encontros. Dos acasos e do simpático casal de idosos que entra em cena. Do senhor do armazém que cruza com sua bicicleta, do homem que vive a pedir um cigarrinho... O método que inverte curiosidades: do pesquisador curioso (postura esperada) à criança que quer saber da vida do pesquisador: como é a faculdade? Há merenda lá? Da pesquisa que, como a água, por vezes transborda. Cartografia que fala não só da relação das crianças com a água. Fala também das coisas que vão se interceptando porque se está no caminho: gravetos, juncal, joão-de-barro, uma cabrita, um limoeiro-do-mato, uma figueira, um cavalo, uma égua, um gato, uma guarita abandonada, um barquinho ao longe, uma chuteira, um sapato de salto, uma garrafa de cachaça, uma bola murcha, uma cabeça de boneca, um apagador de quadro e uma conchinha “com o beiço vermelho”... Do reservatório de coisas desativadas que habitam os territórios em busca de uma palavra. Dos devires e das coisas que parecem ser outras coisas: um ratinho, um pêssego, uma titica de galinha, um papel manteiga... Do baú das histórias de cada um, histórias que, como linhas de mapas, se cruzam, histórias minoritárias, histórias de como pegar aracuãs... Dos lugares onde se ainda aproveita a água para tomar banho. Dos tempos não cronológicos, tempos aiônicos da infância. Das matas, restingas, trilhas de junco seco. Do clima, dos ventos, do calor, do sol e das sombras. Do pesquisador que vira cartógrafo e se mistura aos pequenos cartógrafos que o acompanham com suas máquinas fotográficas, garrafas d'água e canequinhas. Do casco de tartaruga que leva à tentativa de entender o que é uma Reserva. Da escola e das outras formas de aprender. Afinal, agora é hora de caminhar...
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/96778
Arquivos Descrição Formato
000919615.pdf (5.248Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.