Repositório Digital

A- A A+

O impacto do consumo de ecstasy em usuários na cidade de Porto Alegre

.

O impacto do consumo de ecstasy em usuários na cidade de Porto Alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O impacto do consumo de ecstasy em usuários na cidade de Porto Alegre
Autor Remy, Lysa Silveira
Orientador Pechansky, Flavio
Co-orientador Nunes, Maria Lucia Tiellet
Data 2013
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Assunção de riscos
Comportamento sexual
N-Metil-3,4-metilenodioxianfetamina
Porto Alegre (RS)
Transtornos relacionados ao uso de substâncias
Usuários de drogas
Resumo Introdução: As club drugs são substâncias geralmente utilizadas em contextos de música eletrônica. Seu uso tem sido associado a consequências físicas e mentais, bem como à exposição a comportamentos de risco. Estudos apontam para ligação entre características demográficas, manifestações psiquiátricas e exposição a riscos; entretanto, pouco se sabe sobre este tema no que se refere à população brasileira. Embora os prejuízos com o uso das club drugs estejam bem-estabelecidos na literatura internacional, estudos anteriores não relatam detalhes sobre os desafios encontrados na implementação de técnicas de amostragem para contextos culturais diferenciados, como é o caso do Brasil. Elementos do processo de recrutamento – como a cooperação e o engajamento dos participantes – nem sempre compõem as descrições dos métodos. Objetivos: Descrever as dificuldades e as soluções encontradas no decorrer da utilização das técnicas de amostragem respondent-driven sampling (RDS), targeted canvassing (TARC) e ethnographic fieldwork (EFW) para recrutar usuários de ecstasy e/ou de lysergic acid diethylamide (LSD) e avaliar as características demográficas, os sintomas psiquiátricos, os padrões de uso de substâncias e os comportamentos sexuais de risco, além de identificar os fatores associados à prática de sexo desprotegido durante os 12 meses anteriores à entrevista. Método: O Artigo 1 descreve a adaptação de três técnicas de recrutamento – RDS, TARC e EFW – usadas em sequência, em resposta aos desafios metodológicos encontrados, a fim de se obter número suficiente de participantes elegíveis. As estratégias utilizadas foram implementadas durante quatro meses em cada método. O Artigo 2 utiliza um desenho transversal com amostra de conveniência recrutada mediante entrevistas face a face, realizadas em bares e festivais de música eletrônica. A amostra foi composta por 240 homens e mulheres jovens que usaram ecstasy e/ou LSD nos 90 dias anteriores à entrevista e que não estavam recebendo tratamento para uso de drogas. Após algumas adaptações realizadas na coleta de dados (referenciadas no Artigo 1), anexou-se um pequeno estudo etnográfico (artigo em preparação) com 20 participantes (10 homens e 10 mulheres). Na ausência de dados coletados de forma progressiva, visou-se examinar a história de vida dos pacientes, sobretudo no que tange à progressão de uso de drogas e às consequências associadas à saúde. O foco principal das entrevistas diz respeito a obter informações relativas ao início do uso de ecstasy e outras drogas, à progressão do uso ao longo do tempo, ao envolvimento dos participantes com a cena rave/clubber de Porto Alegre e aos problemas sociais e de saúde acarretados. Acredita-se que essas entrevistas foram apropriadas às diretrizes do estudo, tendo em vista as peculiaridades que acompanham tal população. Resultados: No Artigo 1, a amostra final incluiu 174 participantes (64,36% do sexo masculino), dos quais 8 (4,6%) foram selecionados por meio de RDS, 26 (14,94%) por TARC e 140 (80,45%) por EFW. O método RDS recrutou participantes com nível de escolaridade superior, com vínculo empregatício e com renda mensal maior do que dois salários. Entre os participantes selecionados via EFW, por sua vez, observou-se de forma evidente maior frequência de uso de drogas e maior número de drogas já utilizadas. Análise de dados sociodemográficos revelou que, embora os participantes selecionados por meio de diversas técnicas tenham idade semelhante, foram recrutados perfis diferentes de sujeito. No Artigo 2, dos 240 participantes (média de idade: 22,9 ± 4,5), 57,9% eram homens e, desses, 52,5% referiram prática de sexo desprotegido nos últimos 12 meses. Do total da amostra, 63,33% referiram o mesmo comportamento. Após análise de regressão multivariada, duas variáveis apresentaram correlação com a prática de sexo desprotegido, a saber: prática de sexo anal, 1,26 (IC95%: 1,044-1,543) e uso de álcool ou drogas para prolongar o sexo, 1,430 (IC95%: 1,181-1,732). Conclusões: No Artigo 1, o método EFW garantiu acesso a maior número de participantes elegíveis. Conhecer pessoalmente os sujeitos, nos seus ambientes naturais, favoreceu a compreensão dos padrões de consumo e tráfico de drogas e promoveu empatia e credibilidade ao estudo, propiciando o recrutamento dos participantes. No Artigo 2, os indivíduos que relataram prática de sexo anal e uso de álcool ou drogas para prolongar o sexo apresentaram menor prevalência quanto à prática de sexo desprotegido quando comparados com aqueles que não relataram esse comportamento. A compreensão dos fatores associados a comportamentos sexuais de risco tem implicações importantes tanto para a implementação de estratégias de prevenção primárias quanto para intervenções destinadas à redução de tais comportamentos, observando características específicas dos usuários de drogas e incluindo o desenvolvimento de habilidades de negociação de sexo seguro (anal e vaginal).
Abstract Introduction: Club drugs are substances usually consumed in electronic music contexts. Their use has been associated with physical and mental consequences, as well as with exposure to risk behaviors. Studies report on the association between demographic characteristics, psychiatric symptoms and risk exposure, but little is known about it among the Brazilian population. Although problems associated with the use of these substances have been well established in international literature, previous studies have not reported on details about the challenges in the implementation of sampling techniques in different cultural contexts, such as in Brazil. Elements of the recruiting process, such as participant cooperation and engagement, are frequently not found in method descriptions. Objective: To describe difficulties faced and solutions found during the use of respondent-driven sampling (RDS), targeted canvassing (TARC) and ethnographic fieldwork (EFW) in recruiting users of ecstasy and LSD and evaluating demographic characteristics, psychiatric symptoms, pattern of substance use and sexual risk behaviors, and to identify the factors associated with the practice of unprotected sex during the 12 months before the interview. Method: Study 1 describes the adaptation of the three recruiting techniques, RDS, TARC and EFW, used sequentially as a response to the methodological challenges faced to obtain a sufficient number of eligible participants. The strategies used were implemented one after the other, in a period of 4 months for each method. Study 2 used a cross-sectional design and a convenience sample recruited by means of face-to-face interviews in and electronic music dance events and festivals. The sample comprised 240 young men and women that had used ecstasy, LSD or both in the 90 days before the interview and who were not under treatment for drug abuse. After some adaptations made in the performance of data collection (referred to in Study 1), the results of a small ethnographic study (complementary results) with 20 participants (10 men) were attached to the study. As there were no data collected longitudinally, our purpose was to examine the life history of participants, particularly in terms of drug use progression and consequences to health. The main focus of these interviews was to gather information about the onset of use for ecstasy and other drugs, use progression along time, involvement of the participants with the rave or club scene in Porto Alegre and social and health problems. The interviews were in agreement with this study guidelines considering the particularities of the study population. Results: In Study 1, the final sample comprised 174 participants (64.36% men). Eight (4.6%) were selected using RDS, 26 (14.94%), TARC, and 140 (880.45%), using EFW. RDS recruited participants with a higher level of education, who had a job and a higher monthly income. In contrast, a more frequent use of drugs and a larger number of drugs already used were found in the group of participants selected using EFW. The analysis of socio demographic data revealed that, although participants selected using different techniques were about the same age, each approach recruited individuals with a different profile. In Study 2, of the 240 participants (mean age: 22.9 ± 4.5), 57.9% were men, and 52.5% of them reported having had unprotected sex in the last 12 months. Of the total sample, 63.33% reported this same behavior. After multivariate regression, two variables were correlated with the practice of unprotected sex: anal sex, 1.26 (95% CI: 1.044-1.543) and use of alcohol or drugs to prolong sex, 1.430 (95%CI: 1.181-1.732). Conclusions: In Study 1, EFW ensured access to a greater number of eligible participants. Knowing the subjects personally and being familiar with their natural environment, favored the understanding of the patterns of drug consumption and trafficking, promoted empathy and credibility and favored recruiting. In Study 2, the individuals that reported the practice of anal sex and the use of alcohol or drugs to prolong sex had a lower prevalence of unprotected sex than those that reported those behaviors. The understanding of factors associated with sexual risk behaviors has important implications for the implementation of both primary prevention strategies and interventions to reduce these behaviors, which should take into consideration the specific characteristics of drug users and the development of skills to negotiate safe sex (anal and vaginal).
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/97199
Arquivos Descrição Formato
000920279.pdf (661.3Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.