Repositório Digital

A- A A+

Efeitos da estimulação elétrica nervosa transcutânea e da corrente interferencial sobre o comportamento do metaboreflexo muscular

.

Efeitos da estimulação elétrica nervosa transcutânea e da corrente interferencial sobre o comportamento do metaboreflexo muscular

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Efeitos da estimulação elétrica nervosa transcutânea e da corrente interferencial sobre o comportamento do metaboreflexo muscular
Autor Guglielmin, Júlio Zago
Orientador Chiappa, Gaspar Rogério da Silva
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Cardiologia e Ciências Cardiovasculares.
Assunto Estimulacao eletrica
Estimulação elétrica nervosa transcutânea
Fluxo sanguíneo regional
Frequência cardíaca
Resumo Introdução: Nós havíamos demonstrado que a estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) e a estimulação elétrica interferencial (IES) aumentam o fluxo sanguíneo periférico através da inibição do sistema nervoso simpático. Objetivo: A proposta desse estudo foi de comparar os efeitos do TENS e IES sobre a condição controle para examinar o efeito da ativação do metaboreflexo e variabilidade da frequência cardíaca em indivíduos saudáveis. Métodos: Onze sujeitos saudáveis (idade 26 ± 2.8 anos) foram randomizados para TENS, IES ou controle (mesmo protocolo sem aplicação de corrente) aplicado na região ganglionar. Pressão arterial media (MBP), frequência cardíaca (HR), fluxo sanguíneo da panturrilha (CBF) e resistência vascular periférica (CVR) foram mensuradas através de um protocolo de exercício (submáximo estático com handgrip) e períodos de recuperação com ou sem oclusão circulatória pós-exercício (PECO+ e PECO-). O controle do metaboreflexo muscular e a resistência vascular periférica foram estimados através da subtração da área sob a curva (AUC) quando a circulação foi ocluída da AUC sem oclusão circulatória. Resultados: No pico do exercício o aumento da MBP foi atenuado tanto pelo TENS quanto pela IES (p>0,05), o qual persistiu durante PECO+ e PECO-. IES promoveu um aumento do CBF e diminuição da CVR durante o exercício e recuperação comparado com o TENS. Assim como, IES induziu uma redução maior no metobareflexo muscular estimado nos sujeitos controle (placebo 26 ± 5 unidades, TENS 14 ± 4 vs IES 9 ± 2, p<0,01). A análise da HRV mostrou uma melhora superior no balanço simpato-vagal com IES do que com o TENS nos indivíduos. Conclusão: A aplicação aguda da IES parece ter uma eficácia superior à atenuação da pressão sanguínea e respostas vasoconstritoras durante o exercício e ativação do metaboreflexo nos sujeitos saudáveis com
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/97210
Arquivos Descrição Formato
000920642.pdf (1.239Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.