Repositório Digital

A- A A+

Repouso de três horas no leito após cateterismo cardíaco diagnóstico com introdutor 6 french não aumenta complicações decorrentes da punção arterial : ensaio clínico randomizado

.

Repouso de três horas no leito após cateterismo cardíaco diagnóstico com introdutor 6 french não aumenta complicações decorrentes da punção arterial : ensaio clínico randomizado

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Repouso de três horas no leito após cateterismo cardíaco diagnóstico com introdutor 6 french não aumenta complicações decorrentes da punção arterial : ensaio clínico randomizado
Autor Matte, Roselene
Orientador Silva, Eneida Rejane Rabelo da
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.
Assunto Cateterismo cardíaco
Cuidados de enfermagem
Deambulação precoce
Hemorragia
Repouso em cama
[en] Bed rest
[en] Cardiac catheterization
[en] Early ambulation
[en] Hematoma
[en] Hemorrhage
[en] Nursing care
[es] Ambulación precoz
[es] Atención de enfermería
[es] Cateterismo cardíaco
[es] Reposo en cama
Resumo A despeito das evidências de que a redução do repouso no leito após cateterismo cardíaco diagnóstico sob abordagem transfemoral não aumenta as complicações decorrentes da punção arterial, esta prática ainda não está incoporada em muitos laboratórios de hemodinâmica (LH), principalmente em centros latino-americanos. Buscando preencher esta lacuna do conhecimento testou-se neste estudo se a redução do tempo de repouso no leito para três horas (GI), comparada a repouso de cinco horas (GC), não aumenta as complicações decorrentes da punção arterial após cateterismo cardíaco diagnóstico eletivo com introdutor 6 French e abordagem transfemoral. Foi conduzido um Ensaio clínico randomizado (ECR) no LH de um hospital público e universitário, região metropolitana, do Rio Grande do Sul no período de janeiro de 2011 a setembro de 2013. Foram incluídos pacientes adultos ambulatoriais. O GI deambulou três horas após a retirada do introdutor, e o GC após cinco horas. Todos pacientes permaneceram cinco horas na sala de observação onde foram observados a cada hora, pela equipe de enfermagem, e contatados por telefone em 24, 48 e 72 horas após a alta hospitalar. Foram avaliados os seguintes desfechos: hematoma, sangramento, hematoma retroperitoneal, pseudoaneurisma, formação de fístula arteriovenosa e reação vaso vagal Incluíram-se 730 pacientes: GI (n=367) e GC (n=363), média de idade de 62+11 anos. Durante a permanência dos pacientes na sala de observação do LH o hematoma foi a complicação mais observada em ambos os grupos, 12(3%) no GI e 13(4%) no GC (P=0,87); no GI 11(3%) pacientes apresentaram hematoma classificado como pequeno e 1(0,3%) apresentou hematoma classificado como grande; enquanto que no GC 11(3%) pacientes apresentaram hematoma classificado como pequeno e 2(0,6%) apresentaram hematoma classificado como grande; o sangramento ocorreu em 4(1%) dos pacientes no GI e 6(2%) no GC (P=0,51), tanto no GI como no GC a ocorrência de sangramento foi considerada menor. A reação vaso vagal ocorreu em 5(1,4%) pacientes no GI e 4(1,1%) pacientes no GC (P=0,75). Nos contatos em 24, 48 e 72 horas a equimose foi a complicação mais prevalente nos três períodos, para ambos os grupos, seguida pelo relato de dor no local da punção, para nenhuma das comparações foi observado significância estatistica. Apenas 1(0,3%) paciente do GC apresentou pseudoaneurisma no contato em 48 horas, necessitando retornar ao hospital para tratamento. Não foi observada nenhuma outra complicação durante todo o período do estudo. Os resultados deste estudo permitem concluir que a intervenção na redução do tempo de repouso para três horas após cateterismo cardíaco diagnóstico eletivo mostrou-se segura, sem aumento de complicações quando comparada aos pacientes que permaneceram em repouso de cinco horas.
Abstract Despite evidence that point out that reduction of rest in bed time after diagnostic cardiac catheterization using transfemoral approach does not contribute to complications of arterial puncture, such practice was still not incorporated into several hemodynamic laboratories (HL), especially in Latin American centers. In order to fill this knowledge gap, this study presents a test for the reduction of rest in bed time of three hours (IG) compared to rest in bed time of five hours (CG), aiming at verifying if the time does not increase complications of arterial puncture after diagnostic cardiac catheterization using 6 French introducer and the transfemoral approach. A randomized clinical trial (RCT) was conducted at a HL in a public university hospital located in the metropolitan area of Rio Grande do Sul/Brazil, between January 2011 and September 2013. Adult outpatients were included in this trial. The IG remained three hours after the withdrawal of the 6 French introducer and the CG remained five hours in the ambulatory. All patients remained five hours in the observation room, being checked every one hour by the nursing staff and being contacted by telephone at 24, 48 and 72 hours after the discharge. The outcomes hematoma, bleeding, retroperitoneal hemorrhage, pseudoaneurysm, arteriovenous fistula and vasovagal response were assessed. For the study, 730 patients were included and separated into GI (n=367) and GC (n=363), mean age of 62 ± 11. While patients remained in the observation room in the HL, the hematoma was the most common complication observed in both groups, 12(3%) in IG and 13(4%) in CG (P=0.87); in IG, 11(3%) patients presented small hematoma and 1(0.3%) presented large hematoma; in CG, 11(3%) patients presented small hematoma and 2(0.6%) presented large hematoma; bleeding occurred in 4(1%) patients in IG and 6(2%) in CG (P=0.51); both IG and CG presented minor bleeding occurrences. The vasovagal response occurred in 5(1.4%) patients in IG and 4(1.1%) patients in CG (P=0.75). During telephone contacts at 24, 48 and 72 hours, ecchymosis was the most prevalent complication for the three periods in both groups, followed by pain at the puncture site. Statistical significance was not observed in any of the comparisons. Only 1(0.3%) patient in the CG had pseudoaneurysm within 48 hours after discharge and had to return to the hospital for treatment. No other complications were observed during the study period. The results of this study demonstrate that reducing the time of rest in bed for three hours after diagnostic cardiac catheterization proved to be a safe procedure, with no increase in complications when compared to patients who remained resting in bed for five hours.
Resumen Con relación a las evidencias de que la reducción del reposo en el lecho tras cateterismo cardíaco diagnóstico bajo abordaje transfemoral no aumenta las complicaciones decurrentes de la punción arterial, esta práctica aún no está incorporada en muchos laboratorios de hemodinámica (LH), principalmente en centros latinoamericanos. En la tentativa de rellenar este hueco del conocimiento se hizo un test en este estudio para saber si la reducción del tiempo de reposo en el leco para tres horas (GI), comparada a cinco horas (GC), no aumenta las complicaciones decurrentes de la punción arterial tras cateterismo cardíaco diagnóstico con introductor 6 French y vía transfemoral. Fue dirigido un Ensayo clínico randomizado (ECR) en LH de un hospital público y universitario, región metropolitana, de Río Grande del Sur en el periodo de enero de 2011 a septiembre de 2013. Fueron incluidos pacientes adultos ambulatoriales. GI deambuló tres horas luego de la retirada del introductor, y GC tras cinco horas. Todos los pacientes permanecieron cinco horas en la sala de observación donde fueron observados a cada hora, por el equipo de enfermería, y contactados por teléfono en 24, 48 y 72 horas tras el alta hospitalario. Fueron evaluados los siguientes resultados: hematoma, hemorragia, hematoma retroperitoneal, pseudoaneurisma, formación de fístula arteriovenosa, reacción vaso y vagal. Se incluyeron 730 pacientes en la sala de observación de LH, el hematoma fue la complicación más observada en ambos grupos, 12 (3%) GI y 13 (4%) GC (P=0,87); en GI 11(3%) pacientes presentaron hematoma clasificado como pequeño y 1(0,3%) presentó hematoma clasificado como grande; mientras que en GC 11(3%) pacientes presentaron hematoma clasificado como pequeño y 2 (0,6%) presentaron hematoma clasificado como grande; la hemorragia ocurrió en 4 (1%) de los pacientes en GI y 6 (2%) en GC (P=0,51), tanto en GI como en GC la ocurrencia de hemorragia fue considerada menor. La reacción vaso vagal ocurrió en 5 (1,4%) pacientes en GI y 4 (1,1%) pacientes en GC (P=0,75). En los contactos en 24, 48 y 72 horas la equimosis fue la complicación que más prevaleció en los tres periodos, para ambos grupos, seguida por el relato de dolor en el local de la punción, para ninguna de las comparaciones fue observada significancia estadística. 1 (0,3%) paciente de GC presentó pseudoaneurisma en el contacto en 48 horas, necesitando volver al hospital para tratamiento. No se observó ninguna otra complicación durante todo el periodo del estudio. Los resultados de este estudio permiten concluir que la intervención en la reducción del tiempo de reposo para tres horas luego de cateterismo cardíaco diagnóstico electivo es posible y segura, sin aumento de complicaciones cuando comparada a los pacientes que permanecieron en reposo de cinco horas.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/97618
Arquivos Descrição Formato
000920304.pdf (486.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.