Repositório Digital

A- A A+

Bebês em suas experiências primeiras : perspectivas para uma escola da infância

.

Bebês em suas experiências primeiras : perspectivas para uma escola da infância

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Bebês em suas experiências primeiras : perspectivas para uma escola da infância
Autor Vargas, Gardia Maria Santos de
Orientador Barbosa, Maria Carmen Silveira
Data 2014
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação.
Assunto Bebê
Corporeidade
Experiência
Infância
[en] Babies
[en] Childhood
[en] Corporeality
[en] Education
[en] Experience
[es] Bebés
[es] Corporeidad
[es] Educación
[es] Experiencia
[es] Infancia
Resumo A presente tese aborda a educação desde uma perspectiva que remete à responsabili - dade que assumimos por esse mundo em que vivemos, tendo em vista os novos seres que a ele chegam. O estudo aborda questões ligadas aos bebês de zero a dois anos de idade, centrando a investigação nas experiências primeiras deles em espaços de vida coletiva. Como questão norteadora do trabalho tenho que a educação é relação humana, é viver e estar com o outro. Nessa perspectiva, o estudo interroga quais aspectos envolvem uma educação para a formação humana, que se preocupe com o viver coletivo dos seres humanos na contemporaneidade, além de indagar sobre o que compõe a experiência educativa dos bebês na relação com o outro e nas suas ações significantes na escola de Educação Infantil. As reflexões e interpretações deste trabalho estão subsidiadas por um aporte filosófico, em um diálogo entre Merleau-Ponty, Hannah Arendt, Humberto Maturana, Francisco Varela e Walter Kohan, além de contribuições advindas da Sociologia da Infância. Os conceitos que sustentam a discussão estão baseados numa visão fenomenológica de ciência e humanidade, observando-se os fenômenos a partir de uma experiência em primeira pessoa. Nesse sentido, o estudo se desenvolveu pela interpretação das experiências que emergiram entre os bebês, suas educadoras e a pesquisadora, numa pesquisa de cunho etnográfico/interventivo e foi realizada na escola de educação infantil Baby House em Porto Alegre. Pelos conceitos de experiência, corporeidade, espaço-temporalidade, acolhida e hospitalidade, o trabalho indica perspectivas para a Escola da Infância, apontando a necessidade do campo da Educação em pensar uma pedagogia voltada ao acolhimento hospitaleiro desse novo Ser recém-chegado, uma prática interessada nos sujeitos, responsável pela unicidade de cada ser humano. Com o nascimento, o Ser que chega ao mundo toma uma inciativa e rompe com uma continuidade do tempo. Educar a infância necessita fugir do óbvio, do comum, do estabelecido. É necessário pensar na complexidade que envolve a ação dos seres no mundo, com base no princípio de que a condição humana se encontra na formulação explícita das ideias de início, começo e novidade. Desta forma, a infância, muito além de uma etapa da vida é, na realidade, condição da experiência humana. A educação que se proponha a receber e acolher os novos seres que chegam ao mundo precisa de uma abertura, precisa ser vista como uma radical novidade, como formação humana.
Abstract This thesis covers education from a perspective that highlights our social responsibility for the world we live in, taking into account each newcomer individual. The study addresses issues related to babies aged zero to two years of age and focuses on their earliest experiences in collective spaces. My work's guiding force establishes education as human relationship; it is living and being with each other. Therefore, the study not only questions which aspects involve education specifically tailored to human development and those concerning social collective life in contemporary times, but it also investigates what surrounds the educational experience of infants in relation to others and to their significant actions in Early Childhood Education. The reflections and interpretations herein discussed are sustained by philosophical contributions, such as Merleau-Ponty, Arendt, Humberto Maturana, Francisco Varela, and Walter Kohan dialogues; as well as those arising from Sociology of Childhood. The concepts that underpin the discussion and observation are based on a phenomenological view of science and humanity, and consists of a first-person experience. In this sense, the study was developed by interpreting experiences observed among babies, their teachers, and the researcher during an ethnographic/interventional research, conducted at Baby House, an early childhood school located in Porto Alegre. Based on experience, corporeality, temporalityspace, welcome and hospitality, the work proposes a new perspective on early childhood education, stressing how significant Education is when geared towards pedagogy potentially responsible for the uniqueness of each human being and that welcomes such newcomer Individuals. Upon birth, those who come into the world take the initiative to break away from time continuity. Early childhood education requires breaking away from truism, ordinariness, and pre-established concepts. It is necessary to consider the complexity involved in human action throughout the world, based on the principle that human status is the explicit formulation of concepts concerning commencement, novelty, and new beginnings. Thus, childhood truly is, far beyond a stage of life, a condition of human experience. Education that proposes to receive and welcome new beings must be accepted; it must be seen as a radical novelty and contributor to human formation.
Resumen La presente tesis trata la educación desde una perspectiva que nos conduce a la responsabilidad por este mundo en que vivimos, teniendo en cuenta los nuevos seres que a él llegan. El estudio toca cuestiones relativas a los bebés de cero a dos años de edad, enfocando la investigación en sus primeras experiencias en espacios de vida colectiva. Como cuestión guía del trabajo, tengo que la educación es relación humana, es vivir y estar con el otro. En esta perspectiva el estudio interroga cuales aspectos son parte de una educación para formación humana, que se preocupe con el vivir colectivo de los seres humanos en la contemporaneidad. Además, se pregunta qué es parte integrante de la experiencia educativa de los bebés en la relación con el otro y en sus acciones significativas en la Escuela de Educación Infantil. Las reflexiones e interpretaciones de este trabajo están basadas en un aporte filosófico, en un diálogo entre Merleau-Ponty, Hannah Arendt, Humberto Maturana, Francisco Varela y Walter Kohan, y también por contribuciones traídas de las Sociología de la Infancia. Los conceptos que sostienen la discusión están basados en una visión fenomenológica de ciencia y humanidad, donde los fenómenos se observan desde una experiencia en primera persona. En ese sentido, el estudio se ha desarrollado a través de la interpretación de las experiencias que emergieron entre los bebés, sus educadoras y la investigadora, en una investigación de tipo etnográfico/ interventor y fue realizada en la escuela de educación infantil Baby House, en Porto Alegre. A través de los conceptos de experiencia, corporeidad, espacio temporalidad, acogida y hospitalidad, el trabajo muestra perspectivas para la escuela de la infancia, señalando la necesidad para el área de la Educación de pensar en una pedagogía volcada hacia el acogimiento hospitalero de ese nuevo Ser apenas llegado, una práctica interesada en los sujetos, responsable por la unicidad de cada ser humano. Con el nacimiento, el Ser que llega al mundo asume una actitud que rompe con una continuidad del tiempo. Educar la infancia necesita huir de la obviedad, de lo común, de lo establecido. Es necesario pensar en la complejidad de la acción de los seres en el mundo, basado en el principio de que la condición humana está en la formulación explícita de las ideas de inicio, comienzo y novedad. Así la infancia, más allá de ser una etapa de la vida, es, en realidad, condición de la experiencia humana. La educación que se proponga a recibir y acoger los nuevos seres que llegan al mundo necesita apertura, necesita que la miren como una radical novedad, como formación humana.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/98596
Arquivos Descrição Formato
000922540.pdf (4.759Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.