Repositório Digital

A- A A+

Deve-se retribuir? : gratidão e dívida simbólica na infância

.

Deve-se retribuir? : gratidão e dívida simbólica na infância

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Deve-se retribuir? : gratidão e dívida simbólica na infância
Outro título Should one return a favor? : gratitude and symbolic debt in childhood
Autor Castro, Fernanda Maria Palhares
Silveira, Paula Grazziotin
Hoefelmann, Tatiana Buchabqui
Pieta, Maria Adélia Minghelli
Freitas, Lia Beatriz de Lucca
Resumo O objetivo deste estudo foi investigar se, para as crianças, haveria obrigação de retribuir um favor, enfocandose as suas justificativas. Realizaram-se entrevistas individuais com 30 crianças, distribuídas em três grupos etários (5-6, 7-8 e 11-12 anos). Utilizou-se uma história na qual um adulto (benfeitor) ajuda uma criança (beneficiário) e investigou-se se o beneficiário deveria retribuir o favor. Os resultados indicaram uma evolução na forma como as crianças concebem a obrigação de retribuir: (a) todas as crianças de 5-6 anos enfocaram consequências para o benfeitor; (b) esse tipo de justificativa diminui com a idade; (c) a retribuição para evitar o juízo alheio negativo foi a explicação mais encontrada entre as crianças a partir dos 7 anos; (d) a retribuição como um bem moral apareceu apenas entre as crianças de 11-12 anos. Este trabalho contribui para a compreensão das diferenças entre gratidão e obrigação e traz subsídios para intervenções educativas.
Abstract The goal of this study was to investigate whether children feel an obligation to return a favor by focusing on their justifications. Individual interviews were conducted with 30 children from three age-groups (5-6, 7-8, and 11-12 years). We used a story in which an adult (benefactor) helps a child (beneficiary) and investigated whether the beneficiary should return the favor. Results demonstrated an evolution in the form in which children conceive of the obligation to return a favor: (a) all the 5- to 6-year-olds focused on the consequences to the benefactor; (b) this justification diminshed over time; (c) returning a favor to avoid a negative judgment was the most common explanation given by children aged 7 and older; (d) returning a favor as a moral value appeared solely among 11- to 12-year-olds. This study contributes to the understanding of differences between gratitude and obligation and has implication for educational interventions.
Contido em Estudos de psicologia (Natal). Vol. 16, n. 1 (jan./abr. 2011), p. 75-82
Assunto Criança
Desenvolvimento moral
Gratidão
[en] Children
[en] Development
[en] Gratitude
[en] Moral
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/98900
Arquivos Descrição Formato
000787267.pdf (628.5Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.