Show simple item record

dc.contributor.advisorBuchweitz, Augustopt_BR
dc.contributor.authorEspíndula, Izabela Amaropt_BR
dc.date.accessioned2019-09-20T03:47:19Zpt_BR
dc.date.issued2018pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/199578pt_BR
dc.description.abstractA violência é considerada um problema de saúde pública pelas suas consequências na saúde individual e coletiva. A exposição à violência (vitimização) representa uma fonte de estresse, sendo que o estresse crônico pode alterar a regulação do sistema neuroendócrino e a produção de cortisol; durante o início da vida este sistema está mais suscetível aos efeitos deletérios do estresse crônico. Na adolescência o processo de maturação cerebral está em curso, e o indivíduo tende a estar mais exposto a situações de violência; além disso, psicopatologias como depressão e ansiedade têm sua incidência aumentada durante a adolescência. A exposição a situações estressoras pode ser mais frequente ou mais grave em áreas de vulnerabilidade social, sendo esta um fator que fomenta a violência e criminalidade. Visto que a exposição à violência prejudica o desenvolvimento, o objetivo deste trabalho foi analisar a exposição à violência e os níveis de cortisol em pré-adolescentes que vivem em áreas de vulnerabilidade social de Porto Alegre. Para tanto, 45 pré-adolescentes, recrutados em escolas localizadas em bairros socialmente vulneráveis, responderam ao Juvenile Victimization Questionnaire (JVQ); foram coletadas mechas de cabelo para medida da concentração de cortisol capilar. A pontuação média do questionário foi 4,1±4,26, sendo que a pontuação do questionário poderia variar entre 0 e 34; comparado a outros estudos da literatura é uma pontuação alta. O tipo de violência mais prevalente foram crimes convencionais. Os resultados mostraram também correlação positiva moderada entre a concentração de cortisol capilar e a pontuação do questionário, sendo que o módulo de violência por pares e irmãos apresentou o maior coeficiente de correlação dentre os módulos do questionário. Em suma, unindo medidas psicométricas e bioquímicas, o trabalho avaliou como a vitimização se relaciona à produção de cortisol, mostrando uma correlação positiva entre as variáveis, e alertando sobre o impacto das relações dos pré-adolescentes com seus pares e irmãos. A ampliação do conhecimento a respeito da exposição à violência, embasado pelas ciências biomédicas, pode orientar políticas sociais de prevenção da violência nos locais estudados.pt_BR
dc.description.abstractViolence is considered a public health problem due to its consequences for individual and collective health. Exposure to violence (victimization) is a source of stress, and chronic stress may alter the regulation of neuroendocrine system and the cortisol response; during early life this system is more vulnerable to negative effects of chronic stress. In adolescence, brain maturation is happening, and people tend to be more exposed to violent situations; besides, the incidence of psychopathologies, such depression and anxiety, increases during adolescence. Exposure to stressful situations may be more frequent and severe in areas of social vulnerability, which foments violence and criminality. Because exposure to violence impairs development, this work aimed to analyze the exposure to violence and cortisol levels in early adolescence in areas of social vulnerability in Porto Alegre. For that, 45 adolescents were recruited at schools located in districts in social vulnerability; they answer the Juvenile Victimization Questionnaire (JVQ), and hair samples were collected to measure hair cortisol concentration. Mean score of JVQ was 4,1±4,26, and score could range from 0 to 34; it is a high score compared with others finding obtained in similar studies. Conventional crimes were the most prevalent type of violence. There was a positive correlation between hair cortisol concentration and JVQ score, and peers and sibling victimization had the highest correlation coefficient compared to the other modules. In conclusion, uniting psychometrics and biochemistry measures, this work evaluated the association between victimization and cortisol production, showing a positive correlation between this two, and alerting to the impact of peers and siblings relationships in early adolescence. Enhancement of knowledge about exposure to violence, based on biomedical research, can guide public politics about violence prevention in the community.en
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectViolenceen
dc.subjectHidrocortisonapt_BR
dc.subjectEstressept_BR
dc.subjectStressen
dc.subjectAdolescentept_BR
dc.subjectJVQen
dc.subjectHair cortisolen
dc.subjectViolênciapt_BR
dc.subjectVulnerabilidade socialpt_BR
dc.titleAnálise de exposição à violência e níveis de cortisol em pré-adolescentes em situação de vulnerabilidade socialpt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisor-coAzeredo, Lucas Araújo dept_BR
dc.identifier.nrb001101583pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentInstituto de Ciências Básicas da Saúdept_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2018pt_BR
dc.degree.graduationBiomedicinapt_BR
dc.degree.levelgraduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record