Show simple item record

dc.contributor.authorPontes, Paulo Rógenes Monteiropt_BR
dc.contributor.authorCollischonn, Walterpt_BR
dc.date.accessioned2021-09-02T04:22:25Zpt_BR
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.issn1414-381Xpt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/229361pt_BR
dc.description.abstractEsse artigo é o segundo artigo de uma série que analisa o modelo Muskingum-Cunge-Todini (MCT). No primeiro artigo (Pontes e Collischonn, 2012) é feita uma comparação entre os modelos simplificados de propagação de vazão MCT, MCL (Muskingum-Cunge linear) e MCNL (Muskingum-Cunge não linear).Além disso, também são realizados testes em um sistema real. No atual artigo é apresentada uma modificação do modelo MCT para considerar o fluxo em rios com planície de inundação, onde a velocidade na área alagada é significativamente menor do que a velocidade da água na calha principal, o que afeta fortemente a celeridade da onda de cheia. Também foram realizados testes de conservação de volume variando declividade, rugosidade, discretização temporal e espacial. Além disso, foi realizada uma análise acerca do valor de ∆x ideal, para evitar problemas de volume ou instabilidade numérica, e acerca dos critérios de aplicabilidade descritos por Ponce (1989). O modelo MCT considerando planície de inundação foi comparado com o modelo hidrodinâmico HEC-RAS já consagrado na literatura, e um modelo Muskingum-Cunge não linear (Tucci, 2005). Os resultados mostram que o modelo MCT modificado para considerar a planície de inundação conserva o volume nos casos de variação de declividade e rugosidade. Com relação aos valores de ∆x, o modelo apre- senta certa sensibilidade. Valores muito altos de ∆x podem originar erros de vazão de pico e tempo de ocorrência da vazão de pico, além de instabilidade nos hidrogramas. Os mesmos problemas podem ser identificados no modelo HEC-RAS quando adotado ∆x altos. Também foi sugerida uma formulação para o cálculo do ∆x ideal. Esse novo valor diminui a ocorrência de erros de volume e instabilidade nos hidrogramas.pt_BR
dc.description.abstractThis paper is the second of two papers in a series which analyzes and improves the Muskingum-Cunge-Todini (MCT) model. In the first paper the simplified stream flow model and HEC-RAS are compared. The volume error was analyzed. The current paper presents a modification in the MCT model to account for the flow in floodplain rivers, whose velocity in flooded areas is significantly lower than the velocity in the main channel. This paper also shows the volume conservation tests and analysis of DX to avoid volume errors and numerical stability problems. The results show that the improved MCT model is conservative regarding volume.en
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.relation.ispartofRbrh : revista brasileira de recursos hídricos. Porto Alegre, RS. Vol. 20, n. 2 (abr./jun. 2015), p. 298-309pt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectVolume conservationen
dc.subjectModelagem hidrológicapt_BR
dc.subjectPlanície de inundaçãopt_BR
dc.subjectNon-linear Muskingum-Cungeen
dc.subjectFloodplainen
dc.titleO modelo Muskingum-Cunge-Todini em rios com planície de inundaçãopt_BR
dc.title.alternativeThe Muskingum-Cunge-Todini streamflow routing model in floodplain rivers en
dc.typeArtigo de periódicopt_BR
dc.identifier.nrb000970513pt_BR
dc.type.originNacionalpt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record