Repositório Digital

A- A A+

A bicicleta que tinha bigodes : para uma (re)significação de Angola através da leveza do olhar infantil

.

A bicicleta que tinha bigodes : para uma (re)significação de Angola através da leveza do olhar infantil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A bicicleta que tinha bigodes : para uma (re)significação de Angola através da leveza do olhar infantil
Autor Seidl, Surian
Orientador Tettamanzy, Ana Lúcia Liberato
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Crítica literária
Literatura africana
Literatura angolana
Literatura comparada
Literatura e História
Literatura portuguesa
Narrativa
Ondjaki 1977-. A bicicleta que tinha bigodes
Oralidade
[es] Historia
[es] Infancia
[es] Leveza
[es] Memoria
Resumo Este trabalho de pesquisa investiga a obra A Bicicleta que tinha bigodes (2011), do escritor angolano Ondjaki, no intento de analisar como ele configura o ato de narrar histórias baseado na dimensão da memória, mesclando elementos autobiográficos e ficcionais. A recuperação do passado, presente em suas obras, centra-se na afirmação do ponto de vista da infância. A partir desse olhar subjetivo, a história recente – a guerra civil, o pós-guerra – é trazida à tona de forma leve, poética e onírica. Com uma linguagem oralizada, o escritor permite ao leitor um contato muito próximo com as vivências provocadas pelo narrador, que pode ser aproximado a um contador de histórias. No entanto, essa presença em Ondjaki não está ligada a uma visão exótica de Angola, presa a uma ancestralidade e a uma tradição fixa. Seus narradores são urbanos, convivem com espaços da escrita e outras linguagens e mídias. É nesse viés que letra e voz vão tecendo os fios da narrativa através das lembranças da infância. Nessa forma de narrar os encaminhamentos do pós-guerra em Angola percebe-se que, além da dor – já instaurada há muito tempo em seu povo –, também existe a alegria.
Resumen Este trabajo de investigación analiza la obra La bicicleta que tenía bigotes (2011), del escritor angolés Ondjaki, en el intento de analizar como configura el acto de narrar historias basado en la dimensión de la memoria, mezclando elementos autobiográficos con elementos de la ficción. El rescate del pasado, presente en sus obras, se concentra en la afirmación del punto de vista de la infancia. A partir de esa mirada subjetiva, expone la historia actual – la guerra civil, la pos-guerra – de manera leve, poética y onírica. Con un lenguaje oralizado, el escritor permite al lector un contacto muy próximo de las vivencias provocadas por el narrador, que se aproxima más a un contador de historias. Mientras tanto, esa presencia en Ondjaki no está ligada a una visión exótica de Angola, presa de una ancestralidad y a una tradición fija. Sus narradores son urbanos, conviven con espacios de la escritura y otros lenguajes y medios. Es en esa trama que letra y voz van tejiendo los hilos de la narrativa a través de los recuerdos de la infancia. En esa forma de narrar los encaminamientos de la pos-guerra en Angola se perciben que, además del dolor – ya instaurado hace mucho tiempo en su pueblo -, también existe la alegría.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/102207
Arquivos Descrição Formato
000929964.pdf (895.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.