Repositório Digital

A- A A+

Estresse, ansiedade, depressão, mecanismos de defesa e coping dos estudantes no início e no término do curso de medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

.

Estresse, ansiedade, depressão, mecanismos de defesa e coping dos estudantes no início e no término do curso de medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Estresse, ansiedade, depressão, mecanismos de defesa e coping dos estudantes no início e no término do curso de medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Autor Bassols, Ana Margareth Siqueira
Orientador Eizirik, Claudio Laks
Data 2014
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Ansiedade
Depressão
Estresse psicológico
Estudantes de medicina
[en] Anxiety
[en] Coping behavior
[en] Defense mechanisms
[en] Depression
[en] Medical students
[en] Psychological stress
Resumo A presente tese aborda o tema da saúde mental do Estudante de Medicina da UFRGS, em dois momentos chave, a entrada no curso (1º ano) e a saída (6º ano), usando metodologia transversal. Um dos seus objetivos foi comparar os níveis e prevalência de sintomas de ansiedade e depressão na entrada e saída do curso médico. No primeiro estudo, um total de 232 alunos (110 do primeiro ano, 122 do sexto ano) completou o questionário, com taxa de resposta de 73,8% no primeiro e de 62,6%, no sexto ano. Na amostra, 50,4% dos entrevistados eram do sexo masculino (56,4% do primeiro ano e 45,1% dos alunos do sexto ano). Sintomas de ansiedade foram relatados por 30,8% dos alunos do primeiro ano e de 9,4% dos alunos do sexto ano (p < 0,001). Estudantes do sexo feminino foram mais afetadas pela ansiedade do que os estudantes do sexo masculino. Não houve diferença significativa entre os grupos em relação aos sintomas depressivos, com escores médios de 8,02 ± 6,14 e 6,62 ± 5,23 pontos na escala BDI em respondentes do primeiro e sexto ano, respectivamente. Nenhum dos sujeitos da amostra exibiu um nível grave de sintomas depressivos. O modelo final de regressão demonstrou associação entre sintomas depressivos e tabagismo (RR 3.12, 95% CI 1,30-7,51) e entre os sintomas depressivos e insatisfação com o curso (RR 4.32, 95% CI 2,34-7,97). Evidenciou-se a presença de maior ansiedade no início do curso, o que sugere a necessidade de serem desenvolvidas estratégias de cuidado nesse momento critico, de forma a auxiliá-los a lidar com a ansiedade. O achado de maior prevalência de sintomas de ansiedade nas mulheres da amostra deve ser levado em conta em futuras abordagens e intervenções preventivas neste grupo. O segundo artigo, avaliando estresse e coping, demonstrou alta prevalência de sintomas de estresse, que foram significativamente maiores nos alunos do primeiro ano do que no grupo do sexto ano (49,1% x 33,6%; p = 0,018). No modelo multivariado as seguintes variáveis foram significativamente associadas com o stress na amostra: ano do curso (1º ano > 6º ano), renda familiar (renda mais baixa > renda mais alta), a satisfação com o curso (insatisfeito > satisfeito) e o uso de fuga-esquiva como estratégia de coping (associação positiva). Assim como ocorre em relação a sintomas de ansiedade, é necessário auxiliar os alunos que estão iniciando o curso médico a contarem com ajuda psicológica para lidar com situações de estresse associadas a este período de forma mais madura do que a encontrada. Por fim, o terceiro artigo, visando avaliar a associação entre níveis de ansiedade e intensidade de uso de mecanismos de defesa nos alunos, relata que as analises multivariadas mostraram que mecanismos de defesa neuróticos e imaturos estavam associados à presença de ansiedade (p < 0,001). Os dados encontrados no estudo apontam que alunos do curso médico que apresentaram sintomas de ansiedade utilizaram significativamente mais mecanismos de defesa neuróticos e imaturos do que os que não tinham esses sintomas. A autora da presente tese não considera a possibilidade de que a educação médica ocorra sem estresse, pois alguma pressão pode incentivar a produtividade e o aprendizado. Entretanto, seu excesso pode prejudicá-lo. Os programas de graduação médica devem ser examinados de forma crítica para avaliar possibilidades de garantir que o estresse se mantenha num nível manejável. Assim, planos de prevenção, atenção e estratégias de apoio psicológico a este grupo devem ser desenvolvidos em nosso meio, com o objetivo de educar e profissionalizar jovens que escolheram dedicar suas vidas a uma área tão desafiante.
Abstract The present thesis broaches the subject of mental health of the Medical Student of the UFRGS, at two key moments, at the beginning of the course (1st year) and when finishing (6th year), using cross-sectional methodology. One of its aims was to compare the prevalence levels of anxiety and depressive symptoms when entering and leaving the medical course. In the first study, a total of 232 pupils (110 of the first year and 122 of the sixth year) filled in a questionnaire, with a response rate of 73.8% in the first year and 62.6% in the sixth. In the sample, 50.4% of those interviewed belonged to the male gender (56.4% in the first year and 45.1% of the sixth year students). Anxiety symptoms were reported by 30.8% of first year students and 9.4% of sixth graders (p < 0.001). Female students were more affected by anxiety than male students. There was no significant difference between groups regarding depressive symptoms, with mean scores of 8.02 ± 6.14 and 6.62 ± 5.23 points in the BDI scale in participants of the first and sixth years respectively. None of the subjects in the sample showed serious levels of depressive symptoms. The final regression model demonstrated an association between depressive symptoms and smoking (RR 3.12, 95% CI 1.30 - 7.51) and between depressive symptoms and dissatisfaction with the course RR 4.32, 95% CI 2.34 - 7.97). The presence of increased anxiety at the beginning of the course was evident, which suggests the need to develop care strategies for that critical moment, to help them deal with anxiety. The finding of a higher prevalence of anxiety symptoms in the female population of the sample must be taken into account in future approaches as well as preventive interventions in this group. The second article, assessing stress and coping, demonstrated a high prevalence of stress symptoms, that were significantly higher in the first year students than in those of the sixth year group (49.1% x 33.6%; p = 0.018). In the multivariate model, the following variables were significantly associated with stress in the sample: year of the course (1st year > 6th year), family income (lower income > higher income), level of satisfaction with the course (unsatisfied > satisfied) and the use of avoidance/escape as a coping strategy (positive association). As it happens in relation to anxiety symptoms, it is necessary to aid students who are beginning the medical course, to be able to count with psychological help to deal with stressful situations, associated with this period, in a more mature way than what was found. Finally, in a third article, aiming to assess the association between levels of anxiety and the intensity of use of defense mechanisms in students, the multivariate analysis showed that neurotic and immature defense mechanisms were associated with the presence of anxiety (p < 0.001). The data found in this study indicate that medical students who showed symptoms of anxiety used more neurotic or immature defense mechanisms that those students who did not present these symptoms. The data found in the study indicate the beginning of the medical course as critical for the expression of anxiety symptoms, as compared to the ending point of the course. Defense mechanisms against anxiety still show themselves as immature at this time. The author of the present thesis does not consider the possibility that medical education might take place without stress, since some pressure can encourage productivity and learning. However, too much can detract from them. Undergraduate medical programs should be examined critically to assess possibilities to ensure that stress is maintained at a manageable level. Prevention programs, attention care and psychological support strategies for this group should be developed among us, aiming to educate and professionalize young people who have chosen to devote their lives to such a challenging area of learning.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/104141
Arquivos Descrição Formato
000938859.pdf (5.992Mb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.