Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da capacidade funcional motora em pacientes esquizofrênicos

.

Avaliação da capacidade funcional motora em pacientes esquizofrênicos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da capacidade funcional motora em pacientes esquizofrênicos
Autor Szortyka, Michele Fonseca Vieira
Orientador Belmonte-de-Abreu, Paulo Silva
Data 2014
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria.
Assunto Atividade motora
Esquizofrenia
[en] C-reactive protein
[en] Functional capacity
[en] Schizophrenia
Resumo Introdução: A esquizofrenia é um transtorno mental grave e debilitante, que afeta o paciente tanto na sua saúde física como na diminuição de sua capacidade funcional, causando um grande comprometimento ao longo da vida. Apesar de ser possível que o prejuízo em motricidade e prejuízo cognitivo possam representar expressão de um mesmo processo inflamatório sistêmico, pouco se sabe sobre a relação entre motricidade e esquizofrenia. Objetivos: Avaliar a capacidade funcional motora em pacientes esquizofrênicos correlacionando com marcadores inflamatórios, gravidade de doença e tratamento medicamentoso. Métodos: Estudo transversal, por amostra de conveniência, aprovado pelo comitê de ética do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Foram recrutados 40 indivíduos com esquizofrenia estabilizada, em tratamento no ambulatório do HCPA. Foi avaliada a capacidade funcional motora através do Teste de Caminhada de 6 Minutos. O nível de significância adotado foi de 5% para todas as variáveis e as análises foram realizadas no programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS, versão 21.0). Resultados: A amostra foi estratificada por anos de doença através do percentil 25, onde apresentou significância no estado civil apresentando uma maior frequência de solteiros e separados em pacientes com o maior tempo de doença (p=0.022). As médias das variáveis funcionais e clínicas laborais que comparadas com médias populacionais apresentaram significância foram: frequência cardíaca (p=0.004), pressão arterial diastólica e sistólica (p=0.001 e p<0.001), frequência respiratória (p<0.001), Proteína C reativa (p=0.015), borg (p<0.001) e Tc6m em homens e mulheres (p<0.001 e p=0.024). No desempenho funcional e dispneia houve uma correlação com a proteína C reativa (r=-0,369 e r= 0,535). Conclusão: O presente estudo mostrou a associação entre o prejuízo funcional com marcadores inflamatórios, principalmente com níveis elevados de PCR. Alterações clínicas foram associadas como reações adversas a utilização de antipsicóticos, apesar de não ser possível descartar também mecanismos inflamatórios antecedendo ambas as alterações. O prejuízo na capacidade funcional associado com aumento da PCR sugere um paciente com sinais de deterioração maior. Todos achados deste estudo apresentam uma contribuição para o entendimento do processo psicótico e abrem caminho para novas intervenções terapêuticas.
Abstract Introduction: Schizophrenia is a severe, debilitating mental disorder that affects both the physical health and the functional capacity of patients, causing great impairment throughout the life course. Although physical and cognitive impairments may represent different expressions of a single systemic inflammatory process, little is known about the relationship between motor function and schizophrenia. Objective: To evaluate physical functional capacity in patients with schizophrenia and ascertain whether it correlates with markers of inflammation, disease severity, and pharmacotherapy. Methods: Cross-sectional study using a convenience sampling strategy. Forty patients with stable schizophrenia, undergoing treatment, were recruited from the outpatient psychiatry clinic of Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), a tertiary referral center in Southern Brazil. The 6-minute walk test (6MWT) was used to assess physical functional capacity. The significance level was set at 5% for all variables, and all statistical analyses were carried out in SPSS 21.0. The study was approved by the HCPA Research Ethics Committee. Results: The sample was homogeneous and normally distributed. Subjects were stratified by disease duration, which was significantly associated only with marital status (p=0.022). Comparison of mean functional and clinical variables to population averages showed significant differences in heart rate (p=0.004), diastolic (p=0.001) and systolic (p<0.001) blood pressure, respiratory rate (p<0.001), C-reactive protein levels (p=0.015), Borg Scale of Perceived Exertion scores (p<0.001), and 6MWT distances in men (p<0.001) and women (p=0.024). Conclusion: The present study detected an association between functional impairment and markers of inflammation, especially elevated CRP levels, in patients with schizophrenia. Clinical changes were associated with adverse reactions to antipsychotics, although underlying inflammatory mechanisms could not be ruled out. The loss of functional capacity associated with increased CRP suggests a patient with signs of deterioration increased. The findings of this study contribute to current understanding of the psychotic process and may pave the way for novel therapeutic interventions.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/106761
Arquivos Descrição Formato
000941223.pdf (1.469Mb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.