Repositório Digital

A- A A+

Nós, os fabulistas : o pensamento baseado na oralidade e as narrativas de Guimarães Rosa

.

Nós, os fabulistas : o pensamento baseado na oralidade e as narrativas de Guimarães Rosa

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Nós, os fabulistas : o pensamento baseado na oralidade e as narrativas de Guimarães Rosa
Autor Flach, Alessandra Bittencourt
Orientador Tettamanzy, Ana Lúcia Liberato
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Critica e interpretacao
Literatura brasileira
Narrativa
Oralidade
Rosa, João Guimarães 1908-1967.
[en] Guimarães Rosa
[en] Implied author
[en] Narrative
[en] Oral discourse
[en] Performance
Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a obra de Guimarães Rosa a partir do aproveitamento que o autor faz de elementos provenientes de uma cultura oral. Para tanto, são analisadas as estórias “Entremeio com o vaqueiro Mariano”, de Estas estórias, “Pé-duro, chapéu-de-couro”, de Ave, palavra, “Três homens e o boi dos três homens que inventaram um boi”, de Tutaméia, “Cara-de-Bronze” e “O recado do Morro”, de No Urubuquaquá, no Pinhém, e “Uma estória de amor”, de Manuelzão e Miguilim. A escolha dessas narrativas diz respeito ao fato de que as mesmas são ilustrativas do projeto do autor em recriar a literatura de tradição oral, mas também de recriar a situação de enunciação e de divulgação de narrativas que existem em um contexto de oralidade. Além da linguagem, que não é o foco desta pesquisa, o autor valoriza a importância da palavra proferida por seus porta-vozes e a maneira como ela é transmitida, bem como o efeito que ela causa em seus espectadores, através da performance. Para explorar uma espécie de “episteme do pensamento sertanejo”, Rosa constrói um discurso autoral que visa a reforçar seu engajamento com tudo aquilo que provém do sertão, dando credibilidade e verossimilhança ao que é ensinado através das narrativas. O autor apropria-se de um universo popular sem que o resultado disso seja uma produção “artificial” ou simplesmente descritiva, sob um ponto de vista intelectual, distanciado. Dada essa fusão entre popular e erudito e entre oral e escrito, optou-se por recorrer a teóricos preocupados em discutir tanto o comportamento das produções artísticas de caráter oral e as condições de sua produção (como Paul Zumthor, Walter Ong, Peter Burke, André Jolles, Câmara Cascudo) quanto as estratégias ficcionais utilizadas pelo autor para satisfazer seus propósitos (com base nas teorias e nos argumentos de Paul Ricouer, Walter Benjamin, Mikhail Bakhtin, Wolfgang Iser, entre outros). Assim, foi possível perceber que Guimarães Rosa transita entre o popular e o erudito, na medida em que recorre a ambos para compor suas narrativas. Muito mais do que diferenças, o autor demonstra que a fixação do texto na escrita não impede que as situações de oralidade (que privilegiam a troca de experiências entre grupos que compartilham valores, crenças e costumes) deixem suas marcas na leitura silenciosa e solitária que um livro exige.
Abstract This research is aimed at analyzing the work of Guimarães Rosa from the point of view of his incorporation of elements from the oral tradition. For this purpose, the following stories are analyzed: “Entremeio com o vaqueiro Mariano” from Estas estórias, “Pé-duro, chapéu-de-couro” from Ave, palavra, “Três homens e o boi dos três homens que inventaram um boi” from Tutaméia, “Cara-de-Bronze” and “O recado do Morro” from No Urubuquaquá, no Pinhém, and “Uma estória de amor” from Manuelzão e Miguilim. These narratives were chosen because they illustrate Rosa’s project to recreate not only traditional oral literature, but also the situation of telling and spreading narratives in an oral context. In addition to focusing on language, which is not dealt with in this research, Rosa highlights the importance of the character’s own voice and the means by which it is conveyed as well as the effect it has on the audience during the performance. In order to explore a kind of “episteme of the sertanejo thought”, Rosa presents an authorial discourse which reinforces his commitment to all that is related to the sertão, attaching credibility and veracity to lessons taught through oral narratives. Although the author incorporates a popular universe into his work, it does not result in an “artificial” or merely descriptive production presented from an intellectualized, distanced perspective. Due to this fusion between popular and scholarly discourses and between oral and written narratives, the support for the present research includes theoretical frameworks concerned with both discussing the characteristics of oral artistic productions and the conditions of their production (Paul Zumthor, Walter Ong, Peter Burke, André Jolles, Câmara Cascudo) and exploring the fictional strategies employed by the author to achieve his goals (based on theories and arguments by Paul Ricouer, Walter Benjamin, Mikhail Bakhtin, Wolfgang Iser, among others). In conclusion, it is evidenced that Guimarães Rosa traverses between the popular and the scholarly realms given that he embraces both in constructing his narratives. Beyond differences, the author demonstrates that the permanence of the story in written form does not prevent aspects related to its oral character (which reveal the exchange of experiences among groups that share values, beliefs and habits) from leaving their marks on the silent, solitary moment that reading a book requires.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/11152
Arquivos Descrição Formato
000604483.pdf (536.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.