Repositório Digital

A- A A+

“Corrigir, prevenir, fazer corpo” : a circuncisão masculina como estratégia de prevenção do HIV/AIDS e as intervenções cirúrgicas em crianças intersex

.

“Corrigir, prevenir, fazer corpo” : a circuncisão masculina como estratégia de prevenção do HIV/AIDS e as intervenções cirúrgicas em crianças intersex

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título “Corrigir, prevenir, fazer corpo” : a circuncisão masculina como estratégia de prevenção do HIV/AIDS e as intervenções cirúrgicas em crianças intersex
Outro título "Corregir, prevenir, hacer cuerpo" : la circuncisión masculina como estrategia de prevención del HIV/SIDA y las intervenciones quirúrgicas en niños intersex
Outro título "Correcting, preventing, doing the body" : male circumcision as a strategy for prevention of HIV/AIDS and surgical intervention in intersex children
Autor Knauth, Daniela Riva
Machado, Paula Sandrine
Resumo O presente artigo se propõe a refletir sobre as aproximações entre duas práticas médicas de intervenção tecnológico-cirúrgica: a circuncisão masculina, como uma estratégia de prevenção do HIV/Aids proposta pela Organização Mundial de Saúde e UNAIDS, e as cirurgias genitais a que são submetidas as crianças e jovens intersex. A hipótese a ser desenvolvida é a de que as práticas de circuncisão masculina como método preventivo e as cirurgias aplicadas sobre os corpos intersex com objetivos ditos “corretivos” articulam dois principais mecanismos de regulação corporal materializados através de intervenções médicas: 1. a construção de narrativas em torno da validade técnica/tecnológica e social de tais intervenções, que as deslocam de práticas entendidas como rituais, religiosas e/ou mutiladoras para práticas legitimadas pela ciência, ou seja, sustentadas pelas “evidências e comprovações científicas”, e que devem, portanto, ser adotadas por todas as pessoas; 2. a ingerência médica e sistemática nos corpos como garantia (presente e futura) de saúde e normalidade, o que se traduz na emergência de novas “naturezas” e em (re)definições acerca do normal e do patológico.
Resumen El presente artículo propone una reflexión sobre las aproximaciones entre dos prácticas médicas de intervención tecnológico-quirúrgica: la circuncisión masculina, como una estrategia de prevención del HIV/Sida propuesta por la Organización Mundial de la Salud y ONUSIDA, y las cirugías genitales a las que son sometidos niñxs y jóvenes intersex. La hipótesis es que la circuncisión masculina como método preventivo y las cirugías aplicadas sobre cuerpos intersex con objetivos denominados “correctivos” articulan dos mecanismos centrales de regulación corporal, materializados a través de intervenciones médicas: 1. la construcción de narrativas en torno de la validez técnica/tecnológica y social de tales intervenciones, que las dislocan de prácticas entendidas como rituales, religiosas y/o mutiladoras, hacia prácticas legitimadas por la ciencia; es decir, sustentadas por «evidencias y demostraciones científicas » y que, por tanto, deben ser adoptadas por todas las personas; 2. la injerencia médica y sistemática en los cuerpos como garantía (presente y futura) de salud y normalidad, lo que se traduce en la emergencia de nuevas «naturalezas» y en (re)definiciones acerca de lo normal y lo patológico.
Abstract This article aims to compare two medical practices of surgical intervention: male circumcision, an HIV/AIDS prevention strategy proposed by the World Health Organization, and surgical interventions performed on intersex children. The hypothesis is that the practices of male circumcision as a preventative measure and the so-called “corrective” surgeries performed on intersex bodies articulate two important mechanisms of body regulation that materialize into medical practices. The first is the construction of medical narratives around the technical and social validity of these interventions. These interventions are distinguished from practices considered to be ritual, religious, or mutilating by their basis in scientific “evidence,” and must therefore be adopted for everyone. The second mechanism refers to the continuous medical interference with the body as a guarantee of health and normality, which leads to the emergence of new forms of “nature” and to (re)definitions of the normal and the pathological.
Contido em Sexualidad, salud y sociedad : revista latinoamericana. Rio de Janeiro, RJ. N. 14 (ago 2013), p. 229-241
Assunto Circuncisão masculina
HIV
Pessoas transgênero
Prevenção de doenças
Síndrome de imunodeficiência adquirida
[en] Circumcision
[en] Intersexuality
[en] Medicalization
[es] Brasil
[es] Circuncisión
[es] HIV/AIDS
[es] Intersexualidad
[es] Medicalización
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/111614
Arquivos Descrição Formato
000940789.pdf (150.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.