Repositório Digital

A- A A+

Influência do GRP na proliferação e expansão de células tronco tumorais de meduloblastoma

.

Influência do GRP na proliferação e expansão de células tronco tumorais de meduloblastoma

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Influência do GRP na proliferação e expansão de células tronco tumorais de meduloblastoma
Autor Masiero, Mauro Miguel
Orientador Roesler, Rafael
Data 2014
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Células-tronco neoplásicas
Meduloblastoma
Peptídeo liberador de gastrina
Resumo Meduloblastoma (MB) é um tumor infantil da fossa posterior com origem neuroectodérmica, sendo o tumor do sistema nervoso central (SNC) mais comum em crianças. A sobrevida dos pacientes melhorou ao longo dos últimos 40 anos, passando de 30% para quase 70% a 80% de sobrevida em 5 anos. Apesar disso, o intenso tratamento deixa efeitos cognitivos intensos, sendo necessária a pesquisa de alvos terapêuticos mais específicos. Evidências mostram que MB é um câncer altamente heterogêneo, que ocorre durante o desenvolvimento do sistema nervoso central, e que em alguns casos depende de vias de sinalização utilizadas no desenvolvimento normal. A hipótese de que alguns cânceres possuem uma população de células tronco tumorais (CSC), células capazes de se auto-renovar e ao mesmo tempo possuir a capacidade de divisão assimétrica, parece ser verdadeira em MB. Diversos estudos evidenciaram e caracterizaram estas células em tumores. O objetivo deste trabalho é testar a influência da sinalização do peptídeo liberador de gastrina (GRP) e seu receptor, o GRPR, na proliferação e expansão de células tronco tumorais, já que o GRPR foi identificado em outros tipos de cânceres em processos de migração, proliferação e ativação de outras vias, como Sonic Hedgehog. Neste trabalho, foi evidenciado que GRP é capaz de aumentar o tamanho médio das esferas em condição de supressão dos fatores de crescimento EGF, FGF, indicando que esta via de sinalização pode influenciar na proliferação, expansão ou diferenciação de CSC, bem como que vias a jusante ao receptor do EGF ou FGF poderiam ser compartilhadas com o GRPR, já que no meio suplementado com FGF e EGF, não houve aumento no tamanho das esferas.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/119156
Arquivos Descrição Formato
000970149.pdf (1.343Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.