Repositório Digital

A- A A+

Seguimento farmacoterapêutico em pacientes internados por exacerbação de doença pulmonar obstrutiva crônica em um hospital terciário no sul do Brasil

.

Seguimento farmacoterapêutico em pacientes internados por exacerbação de doença pulmonar obstrutiva crônica em um hospital terciário no sul do Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Seguimento farmacoterapêutico em pacientes internados por exacerbação de doença pulmonar obstrutiva crônica em um hospital terciário no sul do Brasil
Autor Silva, Juliane Fernandes Monks da
Orientador Moreira, Leila Beltrami
Co-orientador Castro, Mauro Silveira de
Data 2015
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia.
Assunto Doença pulmonar obstrutiva crônica
Qualidade de vida
Quimioterapia
[en] COPD
[en] Pharmaceutical care
[en] Quality of life
[en] Treatment
Resumo Introdução: O seguimento farmacoterapêutico (SFT) é uma metodologia dentro do cenário da atenção farmacêutica desenvolvido para ser aplicado em casos de doenças crônicas, com maior grau de complexidade. A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) acomete milhões de pessoas em todo mundo, gerando incapacitação ao trabalho e atividades diárias, além de muitos gastos ao sistema de saúde. Metanálise de 14 estudos que avaliaram a intervenção farmacêutica em pacientes ambulatoriais com DPOC mostrou que o serviço farmacêutico comparado ao atendimento usual melhora adesão ao tratamento bem como reduz internações hospitalares e gastos em saúde, sem resultados positivos na melhora da qualidade de vida. Objetivos: Descrever a metodologia de um programa de SFT adaptado a partir do Método Dáder e avaliar a eficácia para pacientes internados por exacerbação de DPOC em um hospital terciário sobre o número de hospitalizações, atendimentos emergenciais por exacerbação da DPOC, consultas médicas em função da doença, em comparação com o atendimento usual. Os objetivos secundários foram avaliar a qualidade de vida, problemas relacionados à farmacoterapia e mortalidade. Delineamento: Ensaio clínico randomizado em paralelo e não cegado. Métodos: Pacientes internados por exacerbação de DPOC foram rastreados pelo sistema eletrônico do hospital, de julho de 2012 a maio de 2014, conforme a prescrição de medicamentos utilizados no tratamento da doença, com confirmação do diagnóstico em prontuário. Critérios de exclusão: comorbidade de mau prognóstico, incapacidade de comunicação, doença psiquiátrica, permanência exclusiva no setor de emergência. Após assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido (GPPG 11-0452), os participantes foram randomizados para o grupo intervenção e controle. Na linha de base foi aplicado questionário para coleta de dados sócio-demográficos. Os questionários de qualidade de vida foram aplicados na linha de base e após 30-45 dias da alta. Três farmacêuticas foram treinadas para realizar visitas durante a hospitalização e acompanhamento por contato telefônico por doze meses após a alta. Eram obtidos dados de saúde e farmacoterapia antes da internação e ao longo deste período. Após a alta, foram obtidas informações sobre a adaptação no retorno para casa, atentando a mudanças que poderiam ter ocorrido durante este processo. Dessa forma era possível realizar uma avaliação global do estado de saúde, que permitiriam a elaboração de um plano de cuidado individualizado ao paciente acompanhado. Os dados foram analisados no PASW Statistics 18. Foi utilizada análise por intenção de tratar. Resultados: Oitenta pacientes foram acompanhados ao longo de doze meses e 50% foram alocados para o grupo intervenção. Entretanto, 68 pacientes foram analisados (36 para o grupo intervenção) em função de exclusões que ocorreram após a randomização. A amostra se caracterizou predominantemente por homens (60,3%), com idade média de 67 ±8 anos, renda de até um salário mínimo. A carga tabágica foi de 72,7 ± 35,7 maços-ano, 19,7% eram tabagistas ativos e a maioria apresentava obstrução grave ou muito grave de via aérea. Não houve diferença entre os grupos intervenção e controle em relação às taxas de pacientes atendidos em função da doença para reinternação (65,6% vs. 55,6%; P=0,397), atendimentos emergenciais (40,6% vs. 25%; P=0,169) e consultas médicas (90,6% vs. 80,6%; P=0,242), assim como para qualidade de vida, respectivamente. Foram encontrados 576 PRF, 65% relacionados à efetividade da terapia, com 64,3% das causas relacionadas a falhas na equipe e no sistema de saúde. Conclusão: O SFT permite que o farmacêutico tenha uma visão holística do individuo, identificando possíveis causas de problemas relacionados à farmacoterapia, que impedem o paciente de cumprir com a prescrição e com todas as orientações necessárias para obtenção de resultados clínicos e humanísticos positivos. Entretanto, a implementação do SFT não se mostrou eficaz em nosso cenário. A gravidade da doença, as más condições de vida dos pacientes e as falhas na estrutura e processo do sistema público podem explicar a falha em alcançar resultados clínicos e humanísticos positivos, mesmo com um serviço farmacêutico especializado.
Abstract Introduction: The pharmacotherapeutic follow-up (PF) is a methodology in the framework of pharmaceutical care developed for use in cases of chronic diseases, with a higher degree of complexity. Chronic obstructive pulmonary disease (COPD) affects millions of people worldwide, generating disability to work and daily activities, as well as many expenses to the health system. Meta-analysis of 14 articles that evaluated the pharmaceutical intervention in outpatients with COPD showed that the pharmaceutical service compared to usual care improves adherence to treatment and reduces hospital admissions and health-related costs, without significant improvement in the health-related quality of life. Objectives: Describe the methodology of PF program from an adaptation of the Dader method and evaluate the effectiveness for patients admitted for exacerbation of COPD in a tertiary hospital on the number of hospitalizations, emergency visits for COPD exacerbation, medical appointments due to the disease, compared with the usual care. Secondary objectives were to evaluate the quality of life, problems related to drug therapy and mortality. Methods: Inpatients with COPD exacerbation were screened by the electronic system of the hospital, from July 2012 to May 2014, according to the prescription medications used to treat the disease, with confirmation of the diagnosis in medical records. Exclusion criteria: comorbidity poor prognosis, communication disability, psychiatric illness, exclusive stay in the emergency room. After signing the informed consent (GPPG 11-0452), participants were randomized to the intervention and control groups. At baseline questionnaire was applied to collect socio-demographic data. The quality of life questionnaires were administered at baseline and after 30-45 days of discharge. The data from health and pharmacotherapy were obtained before admission and throughout this period. After discharge, we obtained information on the adjustment in the return home, noting the changes that might have occurred during this process. Thus it was possible to undertake a comprehensive assessment of health status, which would allow the development of an individualized plan of care to the patient together. Data were analyzed in PASW Statistics 18. It was used analysis by intention to treat. Results: Eighty patients were followed over twelve months and 50% were allocated to the intervention group. However, 68 patients were analyzed (36 in the intervention group) due to exclusions that occurred after randomization. The sample was characterized predominantly by men (60.3%), mean age 67 ± 8 years, up to one minimum wage. Tobacco intake was 72.7 ± 35.7 pack-years, 19.7% were smokers and most had severe or very severe obstruction of the airway. There were no differences between the intervention and control groups in the rates of patients treated according to the disease for readmission (65.6% vs. 55.6%; P = 0.397), emergency care (40.6% vs. 25% P = 0.169) and medical consultation (90.6% vs. 80.6%; P = 0.242) as well as quality of life, respectively. Found 576 PRF, 65% related to the effectiveness of therapy, with 64.3% of causes related to failures in the health team and in the health system. Conclusion: The PF allows the pharmacist has a holistic view of the individual, identifying possible causes of pharmacotherapy-related problems that prevent the patient to comply with the prescription and with all necessary guidelines for achieving positive clinical and humanistic outcomes. However, the implementation of PF was not effective in our scenario. The severity of the disease, the poor living conditions of patients and flaws in the structure and process of the public system may explain the failure to achieve positive clinical and humanistic outcomes, even with a specialized pharmaceutical service. Further studies are needed to evaluate these hypotheses within the state of proposed art.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/119443
Arquivos Descrição Formato
000969868.pdf (995.5Kb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.