Repositório Digital

A- A A+

O ambiente escolar e o ambiente urbano como fatores intervenientes nas atividades físicas de adolescentes

.

O ambiente escolar e o ambiente urbano como fatores intervenientes nas atividades físicas de adolescentes

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O ambiente escolar e o ambiente urbano como fatores intervenientes nas atividades físicas de adolescentes
Autor Dias, Arieli Fernandes
Orientador Gaya, Adroaldo Cezar Araujo
Data 2015
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano.
Assunto Adolescente
Atividades de lazer
Ensino médio
Exercício físico
[en] Adolescents
[en] Built environment
[en] Physical activity
[en] School environment
[en] Squares and parks
Resumo O objetivo principal desse estudo foi identificar as contribuições dos ambientes (escolar e urbano) na atividade física dos adolescentes em diferentes contextos: (1) no período total do dia (diário) e especificamente, (2) no turno escolar; (3) na aula de educação física; (4) no recreio e (5) no período que corresponde ao tempo fora da escola. É um estudo de corte transversal, desenvolvido em 176 adolescentes (71 meninos e 105 meninas) de 10 escolas da rede estadual de ensino médio na cidade de Passo Fundo - RS, selecionadas por procedimento aleatório. A atividade física foi avaliada através de pedometria, verificando o número de passos nos diferentes contextos avaliados. O ambiente escolar foi avaliado por observação direta, observou-se a quantidade e a qualidade das estruturas físicas da escola, com o auxílio de uma ferramenta de auditoria. O ambiente urbano também foi avaliado por observação direta, através do Physical Activity Resource Assessment Instrument. Os adolescentes foram geocodificados e as características do ambiente urbano foram avaliadas em um raio de 500 metros (buffer) circundantes as suas residências. Para análise de dados utilizou-se estatística descritiva, test t independente e regressão linear generalizada. Os resultados indicaram que os meninos são mais ativos fisicamente em relação as meninas na aula de educação física, no recreio, fora da escola e no diário (p<0,05). As análises descritivas indicam que as escolas estaduais se diferem em relação a estrutura física e que metade dos adolescentes (52,5%) não possuem espaços públicos no buffer. Com relação as análises de associações, os resultados mostram, que não houve contribuição significativa das características do ambiente escolar com a atividade física realizada dentro da escola, nos diferentes contextos avaliados. Foi encontrada uma associação inversa, onde os meninos que estudam nas escolas com estruturas de qualidade regular, realizaram em média 208,04 (IC Intervalo de Confiança 95%=16,44/ 399,65; p=0,03) passos a mais quando comparados aos meninos das escolas com estruturas de qualidade boa. No ambiente urbano os resultados mostram que os meninos que tem um espaço público no buffer, aumentaram em média de 3.239,90 (IC 95%=1.133,86/ 5.345,93; p=0,003) passos diário e 4.073,29 (IC 95%=1.915,27/ 6.231.32; p<0,0001) passos fora da escola, em relação aos meninos que não tem espaços ou os que tem duas ou mais estruturas disponíveis. Ainda para os meninos, a proximidade de até 250 metros da sua residência até um espaço público, está associada com um aumento em média de 2.855,61 (IC 95%=785,25/ 4.925,97; p=0,007) passos diário e 3.907,96 (IC 95%=1.818,63/ 5.997,29; p<0,0001) passos fora da escola, em relação aos meninos que não tem espaço público no buffer e aos que possui esses espaços acima de 250 metros. Para as meninas a única associação encontrada foi que a menor distância até um espaço público (até 250 metros), está associada a um aumento de em média 1.908,88 (IC 95%= 98,51/ 3.719,26; p=0,03) passos diários, com relação as meninas que não tem espaço público no buffer ou as que possui esses espaços acima de 250 metros. A partir dos resultados encontrados, conclui-se que não há contribuição do ambiente escolar para a atividade física na aula de educação física, no recreio e no turno escolar. Com relação ao ambiente urbano, ter espaço público no buffer e se esses forem mais próximos de suas residências os adolescentes tendem a realizar mais atividades físicas.
Abstract The main objective of this study was to identify the contributions of environments (scholar and urban) in adolescent’s physical activity in different context: (1) total time of day (daily) and specifically, (2) the school period; (3) in physical education class; (4) in recess and (5) the period corresponding to the time out of school. This is cross sectional study, developed in 176 adolescents (71 boy and 105 girls) of 10 public high school from Passo Fundo city, Rio Grande do Sul state, selected by random procedure. Pedometer evaluated the physical activity, checking the different context of steps number. School environment was valued by direct observation, was observed the quantity and quality of school physical structures, with auditing tool helps. The urban environment was valued by direct observation too, with Physical Activity Resource Assessment Instrument. The adolescents were geocodified and the urban characteristics were valued in residence buffer (500 meters radius). Descriptive statics were used for data analysis, independent t test and generalized linear regression. The results indicate what the boys are active physically more in related girls in physical education class, in recess, out of school and daily (p<0,005). The descriptive analysis indicate that public schools differ in relation to physical structure and the half of adolescents (52,5%) don’t have public spaces in buffer. Regarding the analyzes of associations, the results show no significant contribution of environment scholar characteristics in physical activity in school, in the different context. Was found a inverse association, in which boys what study in regular structure quality school realized in mean 208.04 (CI Confidence Interval 95%=16,44/ 399,65; p=0,03) more steps related the boys what study in good structure quality school. In the urban environment the results show, the boys what have one public space in buffer realized in mean 3,239.90 (CI 95%=1.133,86/ 5.345,93; p=0,003) daily steps and 4,073.29 (CI 95%=1.915,27/ 6.231.32; p<0,0001) out school steps more related the boys what don’t have public space in buffer or have two or more structures available. Also for the boys, the proximity of up to 250 meters from his residence to a public space, is associated with an increase mean of 2,855.61 (CI 95%=785,25/ 4.925,97; p=0,007) daily steps and 3,907.96 (CI 95%=1.818,63/ 5.997,29; p<0,0001) out school steps more related the boys what don’t have public spaces in buffer and when have public spaces more than 250 meters. To girls, only found association what was the smaller distance to public space (up to 250 meters), it’s associate with increase mean of 1,908.88 (CI 95%= 98,51/ 3.719,26; p=0,03) daily steps, related the girls what don’t have public space in buffer or have a space more than 250 meters. From these results, it has concluded that there is contribution of the school environment for physical activity in physical education class, in recess and in the school period. Regarding the urban environment, have public space in buffer and these are closer to their homes teenagers tend to perform more physical activities.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/127300
Arquivos Descrição Formato
000973590.pdf (3.469Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.