Repositório Digital

A- A A+

A inserção de profissionais de educação física em ambientes de saúde

.

A inserção de profissionais de educação física em ambientes de saúde

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A inserção de profissionais de educação física em ambientes de saúde
Autor Gonçalves, Alana Martins
Orientador Santos, Luís Henrique Sacchi dos
Data 2015
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde.
Assunto Educação física
Exercício físico
Prática profissional
Prescrições
Serviços de saúde
[en] Health environments
[en] Medicalization
[en] Prescription
[en] Professionals of physical education
Resumo Ao mesmo tempo em que a expansão do campo da Educação Física parece significar efeitos positivos em relação à carreira profissional e em termos de disciplina, também pode significar um aumento da medicalização e dos conhecimentos biomédicos mais legitimados no âmbito das práticas cotidianas, como parte das recomendações acerca do que se deve fazer para se ter mais saúde. Nesse sentido, cabe ressaltar que dentre as estratégias que podem ser consideradas como prescritivas/medicalizantes, a prática de exercícios físicos – de forma prescritiva e regulamentar – também pode ser considerada uma forma de medicalizar os indivíduos. Mesmo que a inserção da prática de exercícios físicos não tenha nenhuma relação com o uso de algum tipo de medicamento (remédio), cabe pensar como tal medida também pode ser entendida de forma prescritiva/medicalizante. Neste estudo, analiso e problematizo a inserção e a atuação dos profissionais de educação física nos diferentes ambientes de saúde, discutindo como os processos de prescrição de exercícios físicos nesses ambientes podem, também, se constituir numa forma de medicalização do cotidiano dos usuários dos serviços. Para isso, realizei doze entrevistas semiestruturadas, em sua maioria online, com profissionais de educação física atuantes em diferentes ambientes de saúde do município de Porto Alegre/RS. As entrevistas apresentaram importantes colaborações que auxiliaram na problematização acerca dos caminhos que a Educação Física tem tomado nos últimos anos, e do quanto estes percursos têm influenciado as práticas nos serviços de saúde. A partir das compreensões apresentadas pelos participantes desta pesquisa, foi possível observar a existência de muitos movimentos de ‘resistência ou de fuga’ às práticas consideradas como prescritivas/medicalizantes, sinalizando com isso, o quanto a atuação dos profissionais nos ambientes de saúde ainda está pautada em um processo medicalizante em curso no âmbito da sociedade. Contudo, a evidência desses movimentos ‘de fuga e resistência’ parece demonstrar mudanças significativas em relação ao grau de adesão aos planos terapêuticos, bem como, nos níveis de saúde dos usuários dos serviços.
Abstract At the same time the expansion of the Physical Education seems to mean positive effects related to professional career and in terms of discipline, it can also mean an increase of medicalization and more legitimate biomedical knowledge in the context of daily practices, as part of the recommendations about what should be done to be healthier. In this sense, it is noteworthy that among the strategies that can be considered prescriptive / medicalized, the practice of physical exercises – prescriptive and regulatory – can also be considered a way of medicalizing people. Even if the inclusion of physical exercises is not drug-related (medicine), it is worth to think about how this measure can also be understood as a prescriptive / medicalized way. In this study, I analyze and problematize the inclusion and the performance of the professionals of physical education in different healthcare environments, discussing how the process of prescription of physical exercises in these environments can also constitute a way of medicalization of daily lives of service users. In this regard, I conducted twelve semi-structured interviews, mostly online, with professionals of physical education who work at different healthcare environments in the city of Porto Alegre/RS. The interviews showed important collaborations that helped in the problematization about the ways that physical education has taken in recent years, and how these ways have influenced practices in health services. From the understandings presented by the participants of this study, it was possible to observe that there are many movements of 'resistance or escape' to practices considered as prescriptive / medicalized, signaling that the work of the professionals in healthcare environments is still guided in a medicalized process underway within society. However, the evidence of these movements of 'escape and resistance' seems to demonstrate significant changes related to the degree of adherence to treatment plans as well as in health levels of service users.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/130004
Arquivos Descrição Formato
000977819.pdf (3.296Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.