Repositório Digital

A- A A+

Didelphimorphia, chiroptera e rodentia (mammalia) do holoceno do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil : aspectos taxonômicos, paleoambientais e paleoclimáticos

.

Didelphimorphia, chiroptera e rodentia (mammalia) do holoceno do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil : aspectos taxonômicos, paleoambientais e paleoclimáticos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Didelphimorphia, chiroptera e rodentia (mammalia) do holoceno do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil : aspectos taxonômicos, paleoambientais e paleoclimáticos
Autor Rodrigues, Patrícia Hadler
Orientador Ferigolo, Jorge
Co-orientador Ribeiro, Ana Maria
Data 2008
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Programa de Pós-Graduação em Geociências.
Assunto Holoceno
Mamíferos fósseis
Montenegro (RS)
Paleontologia
Palinologia
Rio Grande do Sul
Santo Antônio da Patrulha (RS)
Taxonomia
[en] Chiroptera
[en] Didelphimorphia
[en] Holocene
[en] Rio Grande do Sul State
[en] Rodentia
Resumo Nas últimas décadas os estudos sobre mamíferos fósseis do Brasil aumentaram significativamente, mas ainda assim pouco se conhece sobre o registro daqueles de pequeno porte (Didelphimorphia, Chiroptera e Rodentia, Hystricognathi). Apesar destes serem registrados para onze estados brasileiros, as ocorrências são muito pontuais e fragmentárias, exceto pela fauna de Lagoa Santa, Estado de Minas Gerais. Estudou-se os mamíferos de pequeno porte de dois sítios arqueológicos com datações que abrangem desde o Holoceno inicial (± 9.400 anos AP) até o Holoceno final (± 3.700 anos AP). Os sítios localizam-se na porção nordeste do estado, nos Municípios de Montenegro e Santo Antônio da Patrulha, no limite entre duas sub-regiões biogeográficas neotropicais, a Chaquenha e a Paranaense. Além da taxonomia, também estudou-se aspectos paleoclimáticos e paleoambientais para as duas áreas. Registrou-se 24 táxons de mamíferos de pequeno porte, sendo eles: Gracilinanus agilis, G. microtarsus, Monodelphis americana, Thylamys velutinus, Thylamys cf. T. velutinus, Didelphis sp., Philander opossum (Didelphidae), Chrotopterus auritus, Pygoderma bilabiatum (Phyllostomidae), Eptesicus brasiliensis, Eptesicus fuscus, Myotis cf. Myotis ruber, Vespertilionidae aff. Lasiurus (Vespertilionidae); Tadarida brasiliensis, Molossus molossus (Molossidae), Cavia sp., C. aperea, C. magna (Caviidae), Ctenomys sp. (Ctenomyidae), Myocastor coypus (Myocastoridae), Phyllomys sp., Euryzygomatomys mordax, Dicolpomys fossor e uma nova espécie, Clyomys sp. nov. (Echimyidae). A composição da fauna de pequenos mamíferos em ambos os sítios, especialmente em relação aos Echimyidae, evidencia uma similaridade taxonômica com a fauna de Lagoa Santa. Entre os táxons registrados, pelo menos três deles estão extintos (D. fossor, E. mordax e Clyomys sp. nov), o que poderia indicar uma maior diversidade dos Echimyidae durante o Holoceno, assim corroborando a hipótese de extinções mais tardias da fauna de roedores na região mais ao norte da América do Sul do que no extemo sul deste continente. Em relação ao paleoclima, a fauna de marsupiais e roedores caviomorfos manteve-se quase a mesma ao longo do tempo em ambas as áreas, o que pode ter-se devido a mudanças climáticas mais lentas e graduais. A ocorrência de marsupiais e roedores caviomorfos de ambientes campestres e áreas florestadas nos mesmos níveis poderia dever-se a um ambiente em mosaico, mas com predomínio dos campos. A diferença temporal no início da expansão das florestas entre as duas áreas, a qual é hipotetizada pelos dados palinológicos, não pôde ser corroborada pelo registro dos mamíferos de pequeno porte, já que desde o Holoceno inicial (± 8.000 anos AP) estavam presentes em ambos os sítios animais típicos de áreas florestadas. Os Chiroptera não contribuiram para com as análises paleoambientais e paleoclimáticas devido à sua distribuição estratigráfica irregular e o pequeno número de espécimes. As inferências paleoclimáticas e paleoambientais embora preliminares, são as primeiras com vistas ao melhor entendimento do Holoceno do Estado do Rio Grande do Sul.
Abstract During the last decades, there was an increase in the studies about the fossil mammals from Brazil, although very little is known about the record concerning those of small size (Didelphimorphia, Chiroptera e Rodentia, Hystricognathi). Although these animals are recorded for eleven Brazilian states, most occurrences are isolated and fragmentary, except from Lagoa Santa, Minas Gerais State. Small mammals from two archaeological sites were studied, dating from the Early Holocene (± 9,400 years BP) until the Late Holocene (± 3,700 years BP). The sites are in the Northeast of Rio Grande do Sul State, at Montenegro and Santo Antônio da Patrulha Counties, situated at the boundary of two neotropical biogeographic subregions, Chaco and Parana. Besides from taxonomy, there were also studied paleoclimatic and paleoenvironmental aspects of both areas. There were recorded 24 taxa of small mammal: Gracilinanus agilis, G. microtarsus, Monodelphis americana, Thylamys velutinus, Thylamys cf. T. velutinus, Didelphis sp., Philander opossum (Didelphidae), Chrotopterus auritus, Pygoderma bilabiatum (Phyllostomidae), Eptesicus brasiliensis, Eptesicus fuscus, Myotis cf. Myotis ruber, Vespertilionidae aff. Lasiurus (Vespertilionidae); Tadarida brasiliensis, Molossus molossus (Molossidae), Cavia sp., C. aperea, C. magna (Caviidae), Ctenomys sp. (Ctenomyidae), Myocastor coypus (Myocastoridae), Phyllomys sp., Euryzygomatomys mordax, Dicolpomys fossor and a new species, Clyomys sp. nov. (Echimyidae). The small mammal fauna composition from the two sites, mainly that of Echimyidae, made evident a taxonomic similarity with the fauna from Lagoa Santa. Among the taxa recorded, at least three of them are extinct (D. fossor, E. mordax and Clyomys sp. nov), what might indicate a greater diversity of Echimyidae during Holocene, in this way corroborating the hypothesis of rodent extinctions occurring much later northern than in southern South America. Concerning paleoclimatic aspects, the composition of the marsupials and caviomorphs was quite the same over time in both areas, indicating that climatic changes during the Holocene were possibly slow and gradual. The occurrence of marsupials and caviomorphs of grasslands and other ones of forested areas at the same levels incates a mosaic environment, but with grasslands predominance. The temporal difference in the beggining of forest expansion in both areas, which is hypothetized by the palynological data, could not be corroborated on the basis of the small mammals, because since Early Holocene (± 8,000 years BP) forest animals were present at both sites. Data on the Chiroptera did not contribute to the paleoclimatic and paleoenvironmental analyses, because of their irregular stratigraphic distribution and small number of specimens. The paleoclimatic and paleoenvironmental inferences although preliminary, are the first contribution to a better understanding of Holocene of Rio Grande do Sul State.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/13779
Arquivos Descrição Formato
000652808.pdf (28.06Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.