Repositório Digital

A- A A+

Isso está de bom tamanho para a comunidade que a gente atende : educação Antirracista na Educação de Jovens e Adultos

.

Isso está de bom tamanho para a comunidade que a gente atende : educação Antirracista na Educação de Jovens e Adultos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Isso está de bom tamanho para a comunidade que a gente atende : educação Antirracista na Educação de Jovens e Adultos
Autor Pinto, Beatris de Moraes
Orientador Cunha, Aline Lemos da
Data 2015
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Curso de Pedagogia: Licenciatura.
Assunto Educação de jovens e adultos
Racismo
Resumo Mesmo com um número expressivo de estudantes negros em turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), por vezes, as problematizações envolvendo as questões étnico-raciais são desconsideradas no cotidiano da sala de aula. Acreditamos ser necessário e urgente realizarmos reflexões sobre a existência ou não, de propostas efetivas para educação antirracista na EJA. A Lei nº. 10.639/03 orienta que a discussão sobre a História e Cultura Afro-brasileira seja feita, porém como vem sendo discutidas as questões cotidianas? Este trabalho, de abordagem qualitativa, trata-se do estudo de caso de uma Escola Estadual situada no Município de Porto Alegre que possui, no seu corpo discente, um número expressivo de estudantes negros e, alguns, residentes em uma comunidade quilombola. A partir da questão “Quais são as ações para uma educação antirracista desenvolvidas em uma escola da rede estadual, considerando as orientações presentes no Estatuto da Igualdade Racial?”, buscamos contribuir para as reflexões acerca das propostas pedagógicas para a modalidade EJA envolvendo tais temáticas. Como fundamentação teórica, trazemos os estudos de Kabenguele Munanga acerca do racismo brasileiro e encontramos em Nilma Lino Gomes e Rosane de Almeida Pires reflexões pertinentes na defesa da educação antirracista com jovens e adultos. Também organizamos nossas análises, a partir da Lei nº 12.288/10 - Estatuto da Igualdade Racial, documento que traz elementos e diretrizes para a efetivação de propostas de educação antirracista na Educação Básica, em geral, e na EJA, em particular. Foi possível verificar que existiram algumas iniciativas de educação antirracista sendo desenvolvidas na Escola estudada, mas que, por questões diversas, dentre elas o racismo naturalizado, estas não foram reconhecidas, nem levadas adiante. Além dessa questão, também foi possível perceber o desconhecimento dos docentes sobre o Estatuto da Igualdade Racial e suas propostas para a escola, expressando a necessidade de maior divulgação de suas diretrizes. Acreditamos que, para além do reconhecimento deste documento, também é necessária a problematização sobre o lugar da escola na luta por igualdade.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/139281
Arquivos Descrição Formato
000990050.pdf (898.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.