Repositório Digital

A- A A+

Reações dos pacientes adolescentes a situações potencialmente coercitivas no tratamento dos transtornos relacionados ao uso de substâncias

.

Reações dos pacientes adolescentes a situações potencialmente coercitivas no tratamento dos transtornos relacionados ao uso de substâncias

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Reações dos pacientes adolescentes a situações potencialmente coercitivas no tratamento dos transtornos relacionados ao uso de substâncias
Autor Bittencourt, Ana Luiza Portela
Orientador Goldim, José Roberto
Data 2016
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Adolescente
Coerção
Serviços de saúde mental
Transtornos relacionados ao uso de substâncias
Vulnerabilidade social
[en] Adolescents
[en] Coercion
[en] Mental health services
[en] Social vulnerability
[en] Substance-Related disorders
Resumo Introdução: A adolescência é considerada um período que requer atenção especial no que tange ao uso de substâncias psicoativas. As modificações físicas, psíquicas e sociais da adolescência aprofundam a condição de vulnerabilidade e aumentam o risco de início precoce do uso de substâncias psicoativas (SPA). Sabendo disso o Ministério da Saúde enfatiza a importância de ações que busquem atender a esta população, considerando, especialmente, as especificidades da faixa etária. Os aspectos coercitivos e pressões sociais podem afetar negativamente o paciente, o curso e os resultados do tratamento. Objetivos: explorar, através da análise de prontuário, as reações dos adolescentes usuários de Substâncias Psicoativas diante de situações potencialmente coercitivas, a fim de identificar que tipo de reações são desencadeadas por estas. Métodos: A pesquisa caracteriza-se por dois momentos distintos. Primeiramente realizou-se estudo transversal com todos os 229 prontuários identificados como pertencentes a adolescentes usuários de substâncias psicoativas em tratamento no Centro de Atenção Psicossocial da Infância e Adolescência (Capsia), no período de novembro de 2002 a dezembro de 2012. Este período corresponde aos primeiros dez anos de funcionamento deste serviço. Os dados foram coletados mediante leitura dos registros em prontuários realizados por diferentes membros da equipe do serviço. Foram coletados dados caracterizando o momento da busca por tratamento (sexo, idade, situação escolar, fonte de encaminhamento), situações consideradas agravantes da condição de vulnerabilidade (violência familiar, envolvimento criminal, evasão escolar) e questões pertinentes ao tratamento (substâncias utilizadas e internações hospitalares). Os dados obtidos foram avaliados quantitativamente e de forma descritiva, permitindo a caracterização de um perfil biopsicossocial desses adolescentes. Em um segundo momento, uma subamostra de 23 dos 229 prontuários consultados foi selecionada através do processo de amostragem sequencial aleatória. O número total de prontuários selecionados foi definido pelo critério de saturação da amostra. Nesta amostra buscou-se identificar registros de diferentes atendimentos realizados ao longo do tratamento (primeira entrevista, consultas médicas, internações hospitalares, visitas domiciliares, etc..) que indicassem situações potencialmente coercitivas, selecionando-os para análise posterior. Os trechos selecionados foram classificados com base na fonte de pressão observada (pressão legal, pressão formal e pressão informal). Seguiu-se a este processo a identificação e classificação de reações dos pacientes às pressões sociais experienciadas. Os dados obtidos foram avaliados quantitativamente a fim de verificar a frequência de ocorrência das variáveis. Os dados qualitativos foram tratados com emprego da análise de conteúdo. Resultados: A maioria dos 229 prontuários analisados pertencia a pacientes do sexo masculino (81,7%) e sua idade, no momento da busca por tratamento, variava de sete (0,4%) a 17 anos (19,2%). Constituíram registros frequentes a prática de atos infracionais (64,2%), a evasão escolar (62,9%) e o convívio com familiares que utilizam drogas (56,8 %). A maioria dos prontuários estudados pertencia a sujeitos identificados como poliusuários (68,1 %), observando-se maior frequência de registro de consumo de maconha (58,9%) e crack (54,6%). Foram encontrados também registros de uso de cocaína (46,7%), bebidas alcoólicas (34,5%), tabaco (25,8%), “loló” (7,0%) e ecstasy (0,4%). As pressões sociais informais (48,1%) foram as mais frequentes, seguidas das pressões sociais formais (30,9%) e pressões sociais legais (21,0%). As reações mais frequentes foram: aceitação (17,5%), resistência (31,6%) e desmotivação (14,0%). A reação mais frequentemente apresentada diante da pressão informal foi a de resistência (33,3%). Diante da pressão social formal duas reações foram as mais frequentemente: desmotivação (30,7%) e resistência (26,9%). À pressão social legal, duas diferentes reações foram as mais frequentes: resistência (30,0%) e resignação (25,0%). A reação de resistência foi manifestada diante de relações conflituosas com o agente da pressão e da desconsideração ou desrespeito da vontade do paciente. A desmotivação, por sua vez, apareceu atrelada a busca por tratamento unicamente em virtude da pressão sofrida, resultando na pouca participação no tratamento. A boa relação entre o paciente e aquele que exerceu a pressão para busca do tratamento destacou-se na análise da reação de aceitação. Conclusão: Os adolescentes atendidos na instituição apresentam um perfil de vulnerabilidade necessitando de proteção adicional. As reações atreladas às situações identificadas são, em sua maioria, entendidas como reações negativas, permitindo inferir que os pacientes podem ter se sentido coagidos em decorrência das pressões sociais vivenciadas. As relações estabelecidas entre os pacientes e os diferentes agentes de pressão se destaca como fator “chave” no modo como estes sujeitos reagem às pressões sofridas.
Abstract Background: Adolescence is considered a period that requires special attention regarding the use of psychoactive substances. The physical, psychological and social modifications in adolescence deepen the condition of vulnerability and increase the risk of precocious use of psychoactive substances (SPA). Knowing that, the Ministry of Health emphasizes the importance of actions that seek to attend this population, considering, especially, the particularities of the age group. The coercive aspects and social pressures may adversely affect the patient, the course of treatment and its outcomes. Objective: explore, by chart analysis, the reactions of adolescents users of psychoactive substances to potentially coercive situations, in order to identify what kind of reactions are triggered by them. Methods: The research is characterized by two distinct moments. First we conducted a cross-sectional study of all 229 medical records of adolescents users of psychoactive substances under treatment at a Psychosocial Care Centers (CAPS, acronym in Portuguese), from November 2002 to December 2012. This service is locally called CAPSIA. This period corresponds to the first 10 years of operation of the CAPSIA. Data were collected by reading the observation notes held by different members of the service staff in the medical records. Data were collected characterizing the moment of seeking treatment (gender, age, school status, source of referral), situations considered aggravating the condition of vulnerability (family violence, criminal involvement, truancy) and issues related to the treatment (used substances and hospital admission). The data obtained were evaluated quantitatively and descriptively, allowing the characterization of a biopsychosocial profile of these adolescents. In a second phase, a subsample of 23 from the 229 the medical records was selected through random sampling sequential process. The number of selected medical charts was set by the sample saturation criterion. In this sample we sought to identify observational notes about different moments of the treatment (first interview, doctor visits, hospital referral, home visits, etc ..) in order to identify potentially coercive situations, these notes were selected for further analysis. After identifying the potentially coercive situations, social pressures were classified according to referral source into legal, formal, and informal. Subsequently, passages describing patients’ reactions to these coercive situations were identified in the medical records. The data were evaluated quantitatively in order to check the frequency of occurrence of the variables. Qualitative data were analyzed using content analysis. Results: Most of the 229 medical records belong to male patients (81.7%) and their age, at the time of seeking treatment, ranged from seven (0.4%) to 17 years old (19.2%). Records of illegal acts (64.2%), school dropout (62.9%) and living with family members who use drugs (56.8%) were common. The majority of the medical charts belong to subjects identified as “multiple drugs” users (68.1%), with a higher frequency of marijuana (58.9%) and crack (54.6%) use records. Usage records of cocaine (46.7%), alcoholic beverages (34.5%), tobacco (25.8%), "loló" (7.0%) and ecstasy (0.4%) were also found. Informal social pressures were the most frequent (48.1%), followed by formal social pressures (30.9%) and legal social pressures (21.0%). The most frequent reaction were: acceptance (17.5%), resistance (31.6%) and motivation (14.0%). The most frequently presented reaction to informal pressure was resistance (33.3%). Before the formal social pressure two reactions were the most frequently: lack of motivation (30.7%) and resistance (26.9%). To Legal social pressure two different reactions were the most common: resistance (30.0%) and resignation (25.0%). The resistance reaction was manifested face of conflicting relationships with the pressure agent and disregard or disrespect to the patient's will. The lack of motivation, in turn, appeared linked to seeking treatment because of social pressure suffered, resulting in little participation in treatment. The good relationship between the patient and the one who exerted pressure to seeking treatment stood out in the analysis of the acceptance of reaction. Conclusion: Adolescents treated at the institution have a vulnerability profile requiring additional protection. The reactions linked to the identified situations are mostly perceived as negative reactions, it can be inferred that patients may have felt coerced as a result of social pressures experienced. The relationships established between patients and different pressure agents is highlighted as a "key" factor in the way these subjects react to suffered pressures.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/143046
Arquivos Descrição Formato
000991942.pdf (1.687Mb) Texto parcial Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.