Repositório Digital

A- A A+

Uma compreensão etnometodológica da aprendizagem de língua estrangeira na fala-em-interação de sala de aula

.

Uma compreensão etnometodológica da aprendizagem de língua estrangeira na fala-em-interação de sala de aula

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Uma compreensão etnometodológica da aprendizagem de língua estrangeira na fala-em-interação de sala de aula
Autor López Abeledo, Maria de la O
Orientador Garcez, Pedro de Moraes
Data 2008
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Aprendizado
Estudo etnográfico
Língua estrangeira
Resumo Os resultados alcançados por esta pesquisa apontam para uma compreensão etnometodológica da aprendizagem de língua estrangeira na fala-em-interação de sala de aula. O objetivo da pesquisa foi elaborar um posicionamento teórico e metodológico que permitisse analisar e descrever a aprendizagem de língua estrangeira desde a perspectiva da Análise da Conversa Etnometodológica, com o intuito de explorar o alcance e as limitações dessa abordagem para os estudos de Aquisição de Segunda Língua. Foram analisados dados de fala-em-interação de sala de aula de Espanhol como Língua Estrangeira, segmentados de um corpus de 24 horas de registro audiovisual gerado em um curso de línguas no Brasil. Para a análise, foram segmentadas seqüências interacionais com ocorrências de práticas interacionais pelas quais os participantes destacam palavras da língua estrangeira de forma relevante para a construção e reparo dos turnos de fala. Diferentemente do paradigma de pesquisa cognitivista adotado por estudos sobre aquisição de vocabulário da área de pesquisa de Aquisição de Segunda Língua (Pica, Young & Doughty, 1987; Paribakht & Wesche, 1993, 1997, 1999, 2000; Ellis, Tanaka & Yamazaki, 1994), a abordagem adotada nesta pesquisa permitiu mostrar evidências empíricas de aprendizagem de vocabulário na fala-em-interação. A análise dos dados mostrou que, para produzir e mostrar uns aos outros o trabalho de fazer aprendizagem de vocabulário de língua estrangeira, (a) os participantes produzem conhecimento intersubjetivo sobre práticas de descrição e categorização (Sacks, 1992; Schegloff, 2007) em língua estrangeira, orientando-se para identidades institucionais (Schegloff, 1992a) e invocando conhecimento compartilhado sobre práticas de descrição e categorização; e (b) invocam conhecimento compartilhado produzido em conjunto, em seqüências interacionais anteriores, para exibir competência e co-pertencimento à comunidade de prática lingüística que simultaneamente produzem, reorganizando as relações de participação (Goffman, 1979; Goodwin & Goodwin, 2004). Essa descrição do trabalho dos participantes aponta para uma compreensão etnometodológica de aprendizagem (a) como uma realização pública, intersubjetiva, emergente e contingente, produzida para os fins práticos das atividades desenvolvidas em cada interação; (b) observável nos métodos que constituem o trabalho dos participantes para produzir essa realização, que não são generalizáveis, mas adequados a um contexto e a identidades que eles reflexivamente instauram - institucionais ou não -, e a objetos de aprendizagem que eles definem e tornam relevantes; e (c) que produz relações de participação e pertencimento, já que implica a produção pública e intersubjetiva de competência para participar em atividades levadas a cabo em uma comunidade. Constatou-se que a microanálise, ao contemplar o tempo interno de seqüências de fala-em-interação, permite descrever a atualização, modificação ou produção de conhecimento compartilhado, sem necessidade de um desenho longitudinal para a geração de dados. Os métodos observáveis dos participantes para fazer aprendizagem constituem, em si, evidências empíricas de aprendizagem.
Abstract The results reported here point to an ethnomethodological understanding of foreign language learning in classroom talk-in-interaction. The aim of this study was to develop a theoretical and methodological stance that permited the analysis and description of foreign language learning from an ethnomethodological conversation analytic approach, in order to explore the reach and limits of this research tradition for Second Language Acquisition studies. I analyzed Spanish-as-a-Foreign-Language classroom talk-in-interaction data, segmented from a corpus of 24 hours of audiovisual recordings in a language school in Brazil. For the analysis, interactional sequences were segmented which featured ocurrences of interactional practices through which the participants focused on words of the foreign language, relevantly for the construction and repair of turns at talk. Unlike the cognitivist research paradigm adopted by studies of vocabulary acquisition in the area of Second Language Acquisition (Pica, Young & Doughty, 1987; Paribakht & Wesche, 1993, 1997, 1999, 2000; Ellis, Tanaka & Yamazaki, 1994), the approach adopted here produced empirical evidence of vocabulary learning in talkin- interaction. The analysis of the data showed that, for the participants to produce and show each other the work of doing ‘learning foreign-language vocabulary’, (a) they produce intersubjective knowledge on foreign-language description and membership categorization practices (Sacks, 1992; Schegloff, 2007), orienting to institutional identities (Schegloff, 1992a) and invoking their shared knowledge about description and membership categorization; and (b) they invoke shared knowledge that has been jointly produced in previous interactional sequences, in order to exhibit competence and co-membership in the community of linguistic practice that they simultaneously produze, thus reorganizing participation relations (Goffman, 1979; Goodwin & Goodwin, 2004). This description points to an ethnomethodological understanding of learning (a) as a public, emergent and contingent intersubjective accomplishment, produced for the practical purposes of the activities carried out in situated interaction; (b) observable in methods that constitute the members’ work to produce that accomplishment, which are not susceptible to generalization, but are, instead, adequate for a context and identities –institutional or not– that members reflexively establish, and for objects of learning that they themselves define and make relevant; (c) which produces participation and membership relations, since doing learning implies the public and intersubjective production of competence to participate in activities carried out within the community. Microanalysis, since it takes into account the inner time course of sequences of talk-in-interaction, allows us to describe the actualization, modification or production of shared knowledge, without a longitudinal design for data generation. Participants' observable methods for doing learning thus constitute, in and of themselves, empirical evidence of learning.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/14745
Arquivos Descrição Formato
000666851.pdf (975.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.