Repositório Digital

A- A A+

Characiformes fósseis (Teleostei: Ostariophysi) da formação entre-córregos, bacia terciária de Aiuruoca, Minas Gerais

.

Characiformes fósseis (Teleostei: Ostariophysi) da formação entre-córregos, bacia terciária de Aiuruoca, Minas Gerais

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Characiformes fósseis (Teleostei: Ostariophysi) da formação entre-córregos, bacia terciária de Aiuruoca, Minas Gerais
Autor Weiss, Fernanda Elisa
Orientador Malabarba, Luiz Roberto
Co-orientador Malabarba, Maria Claudia de Souza Lima
Data 2008
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal.
Assunto Aiuruoca, Bacia de (MG)
Characiformes
Cichlidae
Resumo A Bacia Terciária de Aiuruoca está localizada no sul do Estado de Minas Gerais, próximo às divisas com os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A estratigrafia da bacia está representada pelo grupo Aiuruoca, composto por duas formações: Pinheirinho e Entre-Córregos. A Formação Entre-Córregos está constituída por sedimentos pelíticos (folhelhos papiráceos) e seu conteúdo fossilífero inclui plantas, palinomorfos, insetos e vertebrados (peixes e anfíbios). A idade obtida para a parte aflorante da formação é Eoceno-Oligoceno (35-30 milhões de anos). A ictiofauna da Formação Entre-Córregos, ainda não descrita, é representada por espécimes de Cichlidae (Teleostei, Perciformes) e Characiformes (Teleostei). O objetivo do presente trabalho é descrever os caraciformes fósseis e tentar estabelecer suas relações de parentesco. Os três espécimes fósseis estudados de Aiuruoca representam três espécies novas e distintas de Characiformes da família Characidae, onde a Sp. n. “A” distingui-se de Sp. n. “B” principalmente pelo diâmetro da base dos dentes da série interna do pré-maxilar; do formato do processo ascendente e dentígero do pré-maxilar e pela posição da linha lateral. Já a Sp. n. “C” distingui-se das Sp. n. “A” e Sp. n. “B” pelas modificações encontradas na região da nadadeira caudal além do formato do opercular. As semelhanças morfológicas apresentadas por estas três espécies com os membros atuais das subfamílias de Characidae nos permitem relacioná-las a Tetragonopterinae sensu Géry (1977), Glandulocaudinae ou Stevardiinae. A falta de resolução filogenética dos gêneros atuais, ou falta de sinapomorfias descritas com base em características osteológicas preservadas nos fósseis não permite a alocação inequívoca em nenhum dos gêneros atuais.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/15481
Arquivos Descrição Formato
000676662.pdf (3.769Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.