Repositório Digital

A- A A+

Calados por Deus ou de como Angola foi arrasada pela história : os tons do silêncio no processo de construção da identidade angolana e sua representação na ficção de Pepetela

.

Calados por Deus ou de como Angola foi arrasada pela história : os tons do silêncio no processo de construção da identidade angolana e sua representação na ficção de Pepetela

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Calados por Deus ou de como Angola foi arrasada pela história : os tons do silêncio no processo de construção da identidade angolana e sua representação na ficção de Pepetela
Autor Conte, Daniel
Orientador Tutikian, Jane Fraga
Data 2009
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Angola
Identidade nacional
Literatura angolana
Literatura e História
Literatura engajada
Pepetela (Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos), 1958-.
Teoria literária
[es] Angola
[es] Literatura
[es] Mito
[es] Pepetela
[es] Silencio
Resumo Com relação ao conjunto da obra de Pepetela - Arthur Mauricio Pestana dos Santos, procurase evidenciar o trajeto construído por Angola para a edificação de sua identidade. Um processo que começou a gerar-se desde o primeiro contato com o colonizador, representado, aqui, pela chegada de Diogo Cão à Foz do Rio do Zaire em 1489. Importante dizer que este caminho está evidenciado nas narrativas de Pepetela. Além disso, este trabalho pretende traçar o perfil do Novo-Homem angolano e de sua identidade que surge com as tradições em conflito, com a superação das diferenças tribais, historicamente fomentadas pelos colonizadores, além de se deter sobre as relações de imposição simbólica dentro da organização sistêmica da Luta de Libertação. Aliás, a única fuga possível dessa imposição é a habitação de silêncios de diversos tons que fazem o homem construir-se a partir dos valores da revolução ou de sua negação. O trabalho divide-se em quatro partes: a de fomentação da Luta anticolonialista e estruturação perfilática do Novo-Homem angolano, que se erguerá a partir da tomada de consciência de sua História e da transgressão dos códigos tribais que impedem sua autodeterminação, muito bem expressados n'As aventuras de Ngunga e em Mayombe; a da representação das relações sociais no pré-independência, da invenção do negro bárbaro e do silêncio como ferramenta do conhecimento do Outro, em Yaka; a de análise e desencantamento ético e moral da revolução angolana e o sonho de uma sociedade igualitária abortado, em O cão e os caluandas e O desejo de Kianda e, a do começo do fim da utopia e da sedimentação da repetição dos valores e práticas negados na Parábola do Cágado Velho e A geração da utopia. Estas partes vão compor o constructo do silêncio desde o qual se ergue a identidade angolana.
Resumen Con relación al conjunto de la obra de Pepetela - Arthur Mauricio Pestana dos Santos, se busca evidenciar el trayecto construído por Angola para la edificación de su identidad. Un proceso que empezó a generarse desde el primer contacto con el colonizador, representado, aquí, por la llegada de Diogo Cão a la Foz del Río Zaire en 1489. Importante decir que este camino está evidenciado en las narrativas de Pepetela. Además, este trabajo intenta hacer el trazado del perfil del Nuevo Hombre angolano que surge con las tradiciones en conflito, con la superación de las diferencias tribales, históricamente fomentada por los colonizadores, además de detenerse sobre las relaciones de imposición simbólica dentro de la organización sistémica de la Lucha de Liberación. Así, la única huída posible de esa imposición es la habitación de un silencio edificante que hace el hombre construirse desde los valores de la revolución. El trabajo se divide en cuatro partes: la de fomentación de la Lucha anticolonialista y estruturación perfilática del Nuevo Hombre angolano, que se yerguerá desde la toma de consciencia de su Historia y de la transgresión de los códices tribales que impiden su autodeterminación, muy bien expresados en As aventuras de Ngunga y en Mayombe; la de la representación de las relaciones sociales y de la invención del negro bárbaro y del silencio como herramienta del conocimiento del Otro, en Yaka; la de análisis y desencantamiento ético y moral de la revolución angolana y el sueño de una sociedad igualitaria abortado, en O cão e os caluandas y O desejo de Kianda y la del comienzo del fin de la utopía y de la sedimentación de la repetición de los valores y prácticas negados en la Parábola do Cágado Velho y A geração da utopia. Estas partes van a componer el constructo del silencio desde el cual se yergue la identidad angolana.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/15895
Arquivos Descrição Formato
000692665.pdf (1.201Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.