Repositório Digital

A- A A+

A forma e o uso dos sufixos -inho e -zinho em variedades do português do sul do Brasil

.

A forma e o uso dos sufixos -inho e -zinho em variedades do português do sul do Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A forma e o uso dos sufixos -inho e -zinho em variedades do português do sul do Brasil
Autor Teixeira, Taize Winkelmann
Orientador Schwindt, Luiz Carlos da Silva
Data 2008
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Alternância
Análise lingüística
Diminutivo
Fonologia
Fonologia prosódica
[en] Alternation
[en] Diminutive
[en] Lexical morphology
[en] Lexical phonology
[en] Prosodic phonology
Resumo Neste trabalho, investiga-se a distribuição dos sufixos -inho e -zinho nos dialetos de Porto Alegre e Curitiba. A partir de estudos que contemplaram tais afixos, olhamos para fatores de natureza lingüística, como classe gramatical (nomes, não-nomes), tonicidade (oxítona, paroxítona e proparoxítona), segmento final da forma primitiva (vogal baixa, vogal média-baixa frontal e posterior, -i, - u primitivos, -e, - o primitivos, -s / -z, -r / -m, -l), onset da sílaba final (nasal dorsal, labiais, coronais, dorsais, onset vazio), e para fatores de natureza extralingüística, como escolaridade (primário, ginásio, secundário), sexo (masculino e feminino), faixa etária (menos de 50 anos e mais de 50 anos), localidade (Porto Alegre e Curitiba). Esta pesquisa faz uso de dados de fala extraídos de 24 entrevistas do Projeto VARSUL e de um teste de produtividade, que se utiliza de pseudopalavras, aplicado a 20 informantes. Para a análise quantitativa dos resultados, fazemos um uso adaptado dos programas que compõem o pacote VARBRUL, lançando mão tão-somente de freqüências, já que não se trata de um fenômeno tipicamente variável. A análise dos resultados mostrou que -inho é o sufixo mais usado, ainda que -zinho seja o preferido no contexto de pseudopalavras. Além disso, observouse um padrão predominantemente alternante, conforme já previu a literatura, definido pela tonicidade, ainda que algum lugar para usos variáveis esteja reservado.
Abstract In this paper, the distribution of the suffixes -inho and -zinho is investigated in the dialects of Porto Alegre and Curitiba. Starting from studies that cover such affix, we looked at factors of linguistic nature, like grammatical class (names, nonames), tonicity (stressed on the last, second last, or third last syllable), final segment in the primitive form (low vowel, back and front low-mid vowels, -i, primitive -u, -e, primitive -o, -s / -z, -r / -m, -l), final syllable onset (dorsal nasal, labial, coronal, dorsal, empty onset), and extra linguistic nature factors, such as educational background (primary, elementary, high school), sex (male and female), age group (less than 50 and more than 50 years old), place (Porto Alegre and Curitiba). This research makes use of extracted speech data of 24 interviews from Projeto VARSUL and of a productivity test, which uses pseudo words, applied to 20 applicants. For the quantitative analysis of the results, we make an adapted use of the programs that compose the package VARBRUL, not taking into account only of frequencies numbers, since it is not a typically variable phenomenon. The analysis of the results showed that -inho is the most used suffix, although -zinho is the favorite in the context of pseudo words. Besides, a predominantly alternating pattern was observed, as already expected in literature, defined by the tonicity, although some place for variable uses may be reserved.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/16216
Arquivos Descrição Formato
000694062.pdf (353.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.