Repositório Digital

A- A A+

Notificação e monitoramento de erros de medicação no ambiente hospitalar : considerações a partir da bioética complexa

.

Notificação e monitoramento de erros de medicação no ambiente hospitalar : considerações a partir da bioética complexa

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Notificação e monitoramento de erros de medicação no ambiente hospitalar : considerações a partir da bioética complexa
Autor Dalmolin, Gabriella Rejane dos Santos
Orientador Goldim, José Roberto
Data 2016
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Bioética
Erros de medicação
Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Notificação
Pessoal de saúde
Sistemas de medicação no hospital
[en] Bioethics
[en] Healthcare professionals
[en] Medication errors
[en] Reporting
Resumo Introdução: Os erros de medicação em hospitais têm origem multidisciplinar e multifatorial, podendo ocorrer em qualquer uma das etapas do processo de utilização dos medicamentos. A constatação de que os erros podem ocorrer implica no reconhecimento de que medidas devem ser tomadas. Os erros de medicação não devem ser banalizados, nem magnificados, devem ser adequadamente abordados em todas as suas repercussões pessoais, profissionais e institucionais. O Modelo de Bioética Complexa é um referencial adequado para abordar a temática dos erros de medicação, por refletir sobre situações de complexidade crescente, incluindo os múltiplos aspectos envolvidos. Objetivos: Avaliar o sistema de notificação de erros de medicação do HCPA segundo o referencial da Bioética Complexa. Analisar a percepção de colaboradores das áreas de Enfermagem, Farmácia e Medicina sobre a notificação e o monitoramento dos erros de medicação na Instituição. Identificar as barreiras para a notificação dos erros de medicação. Identificar os facilitadores para a notificação dos erros de medicação. Identificar os motivos para realizar a notificação de erros de medicação. Método: Trata-se de um estudo descritivo e exploratório. Foi realizada uma pesquisa online através da ferramenta Formulários Google®. O questionário, composto por 9 perguntas, foi elaborado tendo como referência perguntas de estudo prévio sobre o tema. O questionário era anônimo, não sendo possível identificar os participantes. Por e-mail institucional do HCPA, foi enviado convite com o endereço eletrônico para acessar o instrumento de coleta de dados. Não foram incluídos colaboradores vinculados ao Programa de Gestão da Qualidade e da Informação em Saúde (QUALIS) e à Gerência de Risco (GR), bem como coordenadores e assessores do HCPA. O envio dos e-mails foi realizado em um período de 60 dias. Foram realizados 2 a 4 envios, em diferentes dias da semana. Foi obtida uma amostra aleatória de 411 participantes, de um total de 3872 colaboradores (profissionais de nível superior das áreas de Medicina, Enfermagem e Farmácia, contratados ou residentes, e técnicos de Enfermagem e de Farmácia). O conteúdo das respostas às perguntas abertas do questionário foi submetido à técnica de análise de conteúdo de Bardin. Os dados foram armazenados e avaliados no software de análise qualitativo QSR NVivo® versão 10. Resultados: Foram identificadas três categorias principais de barreiras: Barreiras Individuais, Barreiras Organizacionais e Barreiras Culturais. Na categoria Barreiras Individuais, emergiram seis subcategorias: medo, desconhecimento, responsabilidade, falta de comprometimento, esquecimento e vergonha. Na categoria Barreiras Organizacionais, emergiram quatro subcategorias: demanda de trabalho, dificuldades com o sistema de notificação, falta de feedback e infraestrutura. Na categoria Barreiras Culturais, emergiram três subcategorias: cultura de segurança não priorizada, cultura de banalização dos erros e cultura de infalibilidade. O medo foi a barreira individual mais referida pelos participantes. A demanda de trabalho foi percebida como uma das principais barreiras organizacionais pelos colaboradores e foi relacionada à falta de tempo. A partir da análise das respostas dos participantes, emergiram 12 categorias de facilitadores para a notificação dos erros de medicação: Divulgação e informação, Condução adequada da análise, Sistema de notificação, Resposta não punitiva, Feedback, Clareza, Cultura, Treinamento, Anonimato, Trabalho em equipe, Demanda de trabalho e Comprometimento. Doze categorias foram identificadas como motivos para notificar os erros de medicação. As categorias foram agrupadas quanto à sua relação com os profissionais, com os processos e com os pacientes. Motivos relacionados ao profissional: a Educação, a Proteção do Profissional envolvido em um erro de medicação e a Responsabilidade. Motivos relacionados aos processos envolvidos: Prevenir novos erros, Revisão dos processos, Análise dos erros, Barreiras de segurança, Protocolo Institucional e Cultura de segurança. Motivos relacionados aos pacientes: Segurança do Paciente, Qualidade da assistência e Riscos. Considerações finais: Verifica-se o engajamento dos profissionais participantes que deram inúmeras contribuições para o entendimento e aprimoramento do processo de notificação de erros de medicação, com uma ênfase na segurança do paciente.
Abstract Background: Medication errors in hospitals have multidisciplinary and multifactorial origin and can occur at any stage of the process of use of medicines. The finding that errors may occur involves the recognition that measures should be taken. Medication errors should not be trivialized or magnified, they should be adequately addressed in all their personal, professional and institutional repercussions. The Complex Bioethics model is an appropriate framework to address the issue of medication errors, by reflecting on the increasing complexity of situations, including the many aspects involved. Objective: To evaluate the medication error reporting system of the HCPA under the framework of Complex Bioethics. To analyze the perception of employees in the areas of Nursing, Pharmacy and Medicine on the reporting and monitoring of medication errors in the institution. Identify barriers to the reporting of medication errors. Identify facilitators for reporting of medication errors. Identify the reasons to perform medication error reporting. Method: This is a descriptive and exploratory study. It was done a search online through Google Forms tool. The questionnaire consists of 9 questions, it has been established as a previous study questions reference on the subject. The questionnaire was anonymous, it is not possible to identify participants. Email invitation has been sent to the email address of the participants to access the questionnaire. The sending of e-mails was conducted in a period of 60 days. A random sample of 411 participants was obtained, a total of 3872 employees. The content of the answers to open questions of the questionnaire was submitted to Bardin content analysis technique. The data were stored and evaluated by qualitative analysis software QSR NVivo version 10. Results: We identified three main categories: individual barriers, organizational barriers and cultural barriers. In the category individual barriers emerged six sub-categories: fear, ignorance, responsibility, lack of commitment, forgetfulness and shame. In the category organizational barriers, four subcategories emerged: workload, difficulties with the reporting system, lack of feedback and infrastructure. In the category cultural barriers revealed three subcategories: not prioritized safety culture, banalization of errors and infallibility culture. Fear was the individual barrier most reported by the participants. The workload was perceived as a major organizational barrier by employees and was related to lack of time. From the analysis of the responses of the participants emerged 12 categories of facilitators for the reporting of medication errors: shared information, proper conduct of the analysis, reporting system, non- punitive response, feedback, clarity, culture, training, anonymity, teamwork, workload and commitment. Twelve categories were identified as reasons for reporting medication errors. The categories were grouped as to its relationship with the professionals, with the procedures and with patients. Reasons related to Professional: education, professional protection and responsibility. Reasons related to the processes involved: To prevent new errors, review of processes, analysis of errors, safety barriers, institutional protocol and safety culture. Reasons related to patients: patient safety, quality of care and risks. Conclusion: There is the engagement of the professionals who gave numerous contributions to the understanding and improvement of medication errors notification process, with an emphasis on patient safety.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/171351
Arquivos Descrição Formato
001055180.pdf (1.234Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.