Repositório Digital

A- A A+

Helmintofauna do marrecão, Netta peposaca (Vieillot, 1816) e da marreca-caneleira, Dendrocygna bicolor (Vieillot, 1816) no Rio Grande do Sul

.

Helmintofauna do marrecão, Netta peposaca (Vieillot, 1816) e da marreca-caneleira, Dendrocygna bicolor (Vieillot, 1816) no Rio Grande do Sul

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Helmintofauna do marrecão, Netta peposaca (Vieillot, 1816) e da marreca-caneleira, Dendrocygna bicolor (Vieillot, 1816) no Rio Grande do Sul
Autor Mohr, Leonardo Vianna
Orientador Amato, Suzana Bencke
Data 2001
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal.
Assunto Dendrocygna bicolor
Helmintofauna : Marreca-caneleira : Dendrocygna bicolor
Helmintofauna : Marrecão : Netta peposaca
Helmintologia
Netta peposaca
Rio Grande do Sul
Resumo O Rio Grande do Sul possui a maior riqueza de anatídeos do Brasil, com 21 espécies ocorrendo em seu território. Contudo, estudos sobre a helmintofauna destas aves aquáticas são praticamente inexistentes. Durante os anos de 1999 e 2000, necropsiou-se 33 espécimes do marrecão, Netta peposaca e 20 espécimes da marreca-caneleira, Dendrocygna bicolor, coletados nos municípios de Mostardas e Capivari, localizados na Província Costeira do Rio Grande do Sul, Brasil. 15 helmintos foram determinados até a categoria de espécie ou gênero, sendo 11 trematódeos digenéticos (Dendritobilharzia pulverulenta, Zygocotyle lunata, Notocotylus sp., Typhlocoelum cucumerinum, Typhlocoelum sp., Eucotyle warreni, Eucotyle sp., Echinostoma revolutum, Psilochasmus oxyurus, Prosthogonimus ovatus e Athesmia heterolecithodes), dois cestóides (Cloacotaenia megalops e Diploposthe laevis), um acantocéfalo (Corynosoma iheringi) e um nematóide (Tetrameres sp.). Efetuou-se novos registros de helmintos para o Brasil (Eucotyle warreni e Diploposthe laevis), para N. peposaca (oito novos registros) e para D. bicolor (nove novos registros). O índice de diversidade de Shannon indicou que a diversidade de helmintos entre as duas espécies são significativamente diferentes. A comparação da diversidade de helmintos entre machos e fêmeas de N. peposaca indicou que existem diferenças significativas na composição da helmintofauna, o que não foi observado em D. bicolor. Calculou-se os valores de prevalência e intensidade de infecção para todos helmintos determinados até gênero ou espécie: o cestóide C. megalops apresentou, em machos de N. peposaca, o mais alto índice de prevalência do presente estudo, infectando 100% destes hospedeiros. Em D. bicolor, C. iheringi foi o helminto mais prevalente, com 73,3% e 80% de infecção, em machos e fêmeas, respectivamente. A intensidade média de infecção para este acantocéfalo, em hospedeiros fêmeas de D. bicolor, foi de 24,5 vermes por hospedeiro, sendo esta intensidade média, a mais alta obtida no presente estudo.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/17542
Arquivos Descrição Formato
000307367.pdf (4.289Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.