Repositório Digital

A- A A+

Avaliação de uma política pública de inclusão digital : os telecentros comunitários de porto alegre

.

Avaliação de uma política pública de inclusão digital : os telecentros comunitários de porto alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação de uma política pública de inclusão digital : os telecentros comunitários de porto alegre
Autor Gimenes, Simone Camargo
Orientador Carvalho, Marie Jane Soares
Data 2008
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação.
Assunto Exclusão social
Inclusão digital
Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs)
Telecentro comunitário
[en] Communitarian telecenters
[en] Digital inclusion
[en] Public politics
Resumo As Tecnologias de Informação e Comunicação se tornam cada vez mais presentes no nosso cotidiano e com elas vimos emergir uma nova categoria de exclusão social, a chamada exclusão digital. Para darmos conta dessa polarização entre os que têm e os que não têm acesso às novas tecnologias, o estudo apresenta dados que evidenciam tal exclusão e se propõe a discutir o que é feito em nível de políticas públicas para enfrentar essa desigualdade. Para tanto, avaliamos a política pública implementada pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre intitulada "Telecentros Comunitários". Os Telecentros Comunitários são ambientes informatizados que possibilitam acesso às pessoas até então excluídas digitalmente. Seus objetivos são reduzir o índice de exclusão digital na cidade, levar conhecimento e educação às comunidades carentes, capacitar os usuários para o mercado de trabalho, viabilizar o acesso à internet e oferecer cursos de informática básica gratuitamente para a comunidade. São trinta e cinco unidades implementadas situando-se em bairros de grande vulnerabilidade social e em pontos centrais da cidade para garantir o acesso da população em geral. Para avaliarmos tal política e identificar seus pontos fortes e fracos utilizamos o conceito de efetividade, entendida como a relação entre os objetivos e metas e os impactos e efeitos produzidos pela política. Levantamos indicadores que avaliam 1) o índice de satisfação dos usuários, 2) a organização da política, 3) o envolvimento de organizações da sociedade civil no programa, 4) a capacitação dos monitores e 5) as atividades complementares desenvolvidas nos Telecentros. Trabalhamos a partir do estudo de caso, tendo em vista que dos trinta e cinco Telecentros existentes no município, quatro são alvos de análise minuciosa. A coleta de dados privilegiou observação em campo e entrevistas semi-estruturadas. As entrevistas foram realizadas com os três segmentos da política: coordenadores, monitores e usuários, totalizando treze entrevistas que nos permitiram conhecer a visão de quem garante a implementação, de quem a executa e de quem se beneficia da política. Os Telecentros Comunitários surgem a partir de reivindicações das associações comunitárias e muitos deles são mantidos através de parcerias da prefeitura com instituições privadas. Os usuários avaliam a política como satisfatória, porém nomeiam pontos que merecem atenção: a) ampliação da quantidade de unidades de Telecentros na cidade: b) disponibilização de serviços, tais como impressão de documentos e; c) liberação de acesso a todos os aplicativos de interação na internet como, por exemplo, Orkut e MSN. Há esforço da Coordenação em qualificar cada vez mais os monitores, via formações, para que eles interajam com maior propriedade junto aos usuários. Os Telecentros Comunitários são importantes instrumentos de transformação social, pois conseguem incidir diretamente na vida de usuários e monitores. Os primeiros se qualificam digitalmente e, em razão disso, usam com freqüência os telecentros para buscar informação, formação e emprego. Esses espaços são igualmente alternativas de lazer e socialização entre os indivíduos. Os telecentros comunitários assumem papel central na vida da comunidade e são referência, principalmente, para os jovens freqüentadores que compõem a maioria dos usuários.
Abstract The communication and information technologies have become more frequently in our everyday. Through it, we could see a new category of social exclusion, the digital exclusion. To manage this polarizations between the ones who have and the ones who does not have access to the new technologies, this study presents data that shows such exclusion and it aims to discuss what is done on terms of public politics to face theses unequal differences. In order to that, we evaluated a public politics called "Communitarian Telecentres" implemented by Porto Alegre city hall. The Communitarian Telecenters are computing environment that enable digitally excluded people to have access to informatics. Their goals are to decrease the rate digital exclusion in the city, to take knowledge and education to poor communities, to able the users to marketing word, to make possible the internet access, and to offer free basic informatics courses to the local community. There are thirty-five unities that are implemented in neighborhoods of a great social vulnerability, besides the central locals of the city to assure the access of the population in general. For us to evaluate this politics and to identify strong and weak aspects, we use the concept of effectiveness, which is understood as the relation between the objectives, the goals and the impacts and effects produced by this politics. We see indicatives that evaluate 1) the rate of user's satisfaction, 2) the politics organization, 3) the involvement of civil organizations in the program, 4) the trainers' capableness, and 5) the complementary activities developed in the telecenters. This research analyses four of the thirty five elecenters, and it is based on a case study. The data collection was based on observations and semistructures interviews. The interviews were done with the three sections of the politics: coordinator, trainers, and users, with the amount of thirteen interviews that enable us to know the point of view of the ones who guarantee the implementation, the ones who execute, and the ones who are benefited by the politics. The communitarian telecenters appears from a claim of communitarian associations and many of them are maintained by the city hall and private institutions. The users evaluate this politics satisfactorily, but they name some aspects that need attention: a) to increase the quality of the telecenters in the city, b) availability of some services, like impressions, and) free access of all internet resources, such as Orkut and MSN. There is an effort to capable the trainers through formation. This action makes them to work better with the users. Communitarian telecenters are important ways of social transformation, once that they can change directly the life of users and trainers. The users are been educated digitally and, because of it, they often use the telecenters to get information, formation, and jobs. Theses spaces are also an alternative of leisure time and socializations among the individuals. The communitarian telecenters has a fundamental role in the life of the community and they are meeting point mainly to the youth that usually frequent the telecenters.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/17602
Arquivos Descrição Formato
000719721.pdf (4.335Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.