Repositório Digital

A- A A+

Leptospirose canina : dados clínicos, laboratoriais e terapêuticos em cães naturalmente infectados

.

Leptospirose canina : dados clínicos, laboratoriais e terapêuticos em cães naturalmente infectados

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Leptospirose canina : dados clínicos, laboratoriais e terapêuticos em cães naturalmente infectados
Outro título Canine leptospirosis: clinical, laboratorial and therapeutical data in naturally infected dogs
Autor Oliveira, Simone Tostes de
Orientador Diaz Gonzalez, Félix Hilário
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias.
Assunto Doencas infecciosas dos animais : Caes
Leptospirose : Caes
Patologia clinica veterinaria
[en] C-reactive protein
[en] Diagnosis
[en] Dog
[en] Leptospira
[en] PCR
[en] Serology
[en] Treatment
Resumo A leptospirose é uma zoonose de ampla distribuição mundial, causada pela infecção por sorovares patogênicos do gênero Leptospira. Assim como outras espécies de animais acometidos, os cães que sobreviverem à fase aguda da doença podem se tornar portadores, excretando a bactéria através da urina. Algumas alterações no hemograma, bioquímica sérica e urinálise, juntamente com o histórico do paciente e fatores de risco, auxiliam na suspeita da doença; porém, o diagnóstico definitivo é realizado através de testes mais específicos. Estes testes incluem sorologia, técnicas moleculares como a reação em cadeia da polimerase (PCR) e cultura para isolamento do sorovar. O presente trabalho caracterizou e comparou a leptospirose em três populações caninas de Porto Alegre. Foram avaliados 33 cães com suspeita da doença, atendidos no Hospital de Clínicas Veterinárias (HCV) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); 65 cães provenientes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Porto Alegre; e 155 cães residentes no bairro Arquipélago na zona urbana de Porto Alegre, onde existe uma alta incidência de leptospirose humana. O diagnóstico da leptospirose canina foi baseado na sorologia e PCR no soro e urina. Um total de 14,6% (37/253) dos cães apresentaram resultado positivo na PCR no sangue (leptospiremia) e 14,2 % (36/253) na urina (leptospirúria). Em relação à sorologia, 48,2% (122/253) foram positivos para um ou mais sorovares. Os sorovares mais prevalentes foram canicola, icterohaemorrhagiae e copenhageni. A presença de ratos no ambiente foi associada a leptospirúria (P=0,02). Na população do HCV, o aumento da creatinina sérica (P=0,009), icterícia (P=0,004) e glicosúria (P=0,04) foram associados com leptospirúria. Apesar destas associações encontradas, observou-se que a ausência de sinais clínicos ou de alterações no hemograma, bioquímica sérica ou urinálise não excluíram a infecção (P>0.05). Em um segundo estudo, foi investigada a eficácia da doxiciclina na eliminação do estado de portador renal em quatro cães assintomáticos. Destes, três estavam infectados com o sorogrupo Canicola e um com o sorogrupo Icterohaemorrhagiae. Os cães foram acompanhados por 30 dias após o início do tratamento, e a ausência de leptospiras na urina foi confirmada através de três resultados seriados de PCR negativa em cada cão. Finalmente, valor preditivo da proteína C reativa (C-RP) na leptospirose foi investigado em 62 cães, comparando sua concentração sérica e urinária com os resultados de sorologia e PCR. Sorologia positiva foi associada com C-RP urinária (P= 0,038). Houve apenas associação fraca entre proteína C-reativa sérica e PCR no sangue (área sob a curva= 0,68), e não foi observada associação entre C-RP urinária e PCR na urina. Não foram observadas vantagens de se incluir a C-RP como um teste de triagem para leptospirose em cães. As informações obtidas com os estudos aqui citados mostra a importância do diagnóstico definitivo, preferencialmente realizado através de PCR; a necessidade de se testar cães expostos a fatores de risco, independente de seu estado aparente de saúde; a importância de medidas sanitárias para a prevenção da doença e o tratamento adequado para que se elimine o possível estado de portador renal dos cães.
Abstract Leptospirosis is a zoonosis of worldwide distribution, caused by infection with pathogenic serovars of the genus Leptospira. As other affected species of animals, the dogs that survive the acute phase of the disease can become carriers, excreting the bacteria in the urine. Some alterations in blood count, serum biochemistry and urinalysis, along with patient history and risk factors, may contribute to a presumptive diagnosis, but the definitive diagnosis is made using more specific tests. These tests include serology, molecular techniques like polymerase chain reaction (PCR) and culture for the serovar isolation. The present study characterized and compared leptospirosis in three canine populations of Porto Alegre, RS. Thirty three dogs with suspected disease were evaluated at the Veterinary Hospital of the Federal University of Rio Grande do Sul, 65 dogs from the Control Center of Zoonoses from Porto Alegre and 155 dogs from Archipelago neighborhood, where there is a high incidence of human leptospirosis. The diagnosis of canine leptospirosis was based on serology and PCR in serum and urine. A total of 14.6% (37/253) of dogs tested positive in PCR in blood (leptospiremia) and 14.2% (36/253) in the urine (leptospiruria). With regard to serology, 48.2% (122/253) were positive for one or more serovars. The most prevalent serovars were canicola, icterohaemorrhagiae and copenhageni. The presence of rats in the environment was associated with leptospiruria (P = 0.02). In the Veterinary Hospital population, increased serum creatinine (P = 0.009), jaundice (P = 0.004) and glucosuria (P = 0.04) were associated with leptospiruria. Despite these associations, it was observed that the absence of clinical signs or changes in blood count, serum biochemistry and urinalysis did not exclude infection (P> 0.05). In a second study, we investigated the effectiveness of doxycycline to eliminate the carrier state in four asymptomatic dogs. Three were infected with serogroup Canicola and one with serogroup Icterohaemorrhagiae. The dogs were followed for 30 days after starting treatment, and the absence of leptospires in urine was confirmed by three serial results of negative PCR in each dog. Finally, the predictive value of C-reactive protein (C-RP) in leptospirosis was investigated in 62 dogs, comparing its serum and urinary concentrations with serology and PCR. Seropositivity was associated with urinary C-RP (P = 0.038). There was only a weak association between C-RP and serum PCR in blood (AUC = 0.68), and no association was found between urinary C-RP and PCR in urine. There were no advantages to include the C-RP as a screening test for leptospirosis in dogs. The information gathered from the studies cited here shows the importance of the definitive diagnosis, preferably performed by PCR; the need to test dogs exposed to risk factors, regardless of their apparent health condition, the importance of sanitary surveillance for the prevention of the disease, and adequate treatment to eliminate the carrier state.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/23681
Arquivos Descrição Formato
000740933.pdf (746.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.