Repositório Digital

A- A A+

O impacto de um programa de intervenção motora participativa ampliando oportunidades de desenvolvimento em bebês de até dezoito meses em três contextos diferentes

.

O impacto de um programa de intervenção motora participativa ampliando oportunidades de desenvolvimento em bebês de até dezoito meses em três contextos diferentes

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O impacto de um programa de intervenção motora participativa ampliando oportunidades de desenvolvimento em bebês de até dezoito meses em três contextos diferentes
Autor Almeida, Carla Skilhan de
Orientador Valentini, Nadia Cristina
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano.
Assunto Desenvolvimento infantil
Motricidade humana
[en] Child development
[en] Early stimulation
[en] Education in health
Resumo Estudos contemporâneos apontam para uma maior preocupação com o desenvolvimento infantil e a importante influência que o meio ambiente onde a criança vive gera nesse desenvolvimento. O convívio com as pessoas próximas nos primeiros anos de vida pode gerar uma marca durável no desenvolvimento da criança. Objetivos: O presente estudo teve como objetivo verificar o desenvolvimento motor de bebês até dezoito meses antes e após a sua participação em um Programa de Intervenção Motora Participativa Ampliando Oportunidades (PIMPAO). Método: Este foi um estudo experimental, quantitativo, correlacional, onde participaram 94 bebês, entre um e dezoito meses, provenientes de três contextos diferentes de baixa renda: 41 bebês que passavam oito horas do dia em escolas infantis, sendo o educador o seu cuidador, 29 bebês que moravam com suas famílias biológicas e as mães eram as cuidadoras e 24 bebês que moravam em abrigos, sendo os monitores seus cuidadores. Os locais, previamente selecionados, após contato inicial e aceite em participar do estudo, foram: escola de educação infantil conveniadas com a prefeitura de Porto Alegre, Programa de Estratégia de Saúde da Família (ESF) na Região Metropolitana de Porto alegre e Núcleo de Assistência Residencial do Estado do Rio Grande do Sul (NAR). Os grupos interventivo (GI) e controle (GC) foram aleatoriamente escolhidos. Os bebês foram avaliados no início e após oito semanas por meio da Alberta Infant Motor Scale e da Affordances in the Home Environment for Motor Development Self-Report. O programa de intervenção consistia em atividades de perseguição visual, manipulação de brinquedos, controle postural e demonstração de afetividade. Os cuidadores foram treinados e orientados a repetir estas atividades diariamente, cinco vezes por semana. Orientações para ampliação de oportunidades de desenvolvimento no contexto foram realizadas para os cuidadores. A visita para troca de atividades foi chamada de “troca da semana” e, em cada semana, eram apresentadas cinco novas atividades. A análise dos dados foi realizada utilizando o software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 17.0. As variáveis contínuas foram descritas através de mediana e amplitude interquartílica devido à assimetria da distribuição. As variáveis categóricas foram descritas através de freqüências absolutas e relativas. Para comparar as variáveis contínuas entre os grupos foi utilizado o teste de Mann-Whitney. Quando comparados os contextos, o teste de Krukal-Wallis foi aplicado. Para comparar as variáveis categóricas foi aplicado o teste qui-quadrado de Pearson e, na complementação dessa análise, o teste dos resíduos ajustados foi aplicado. Para comparar as oportunidades, antes e após a intervenção em cada grupo e contexto, foi aplicado o teste qui-quadrado de McNemar, exceto para o número de brinquedos referente as motricidade fina e ampla, que foi avaliado pelo teste de Wilcoxon. O nível de significância estatística considerado foi de 5% (p ≤ 0,05). Este estudo teve a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Rio Grande do SUL (UFRGS). O Termo de Consentimento Livre Esclarecido foi formulado tomando por base a Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Resultados: Em relação ao sexo, idade, idade gestacional, número de adultos que conviviam com os bebês, número de crianças, número de cômodos/peças no local e a escolaridade dos cuidadores, não foram detectadas diferenças estatisticamente significativas entre o GI e o GC. Sobre os resultados para categorização AIMS, não houve diferença na categorização do desenvolvimento motor no fator tempo (do pré e para o pós teste) no GC (p=0,545). Porém, no GI, houve um aumento no percentual de normalidade e uma significativa redução no atraso motor (p=0,003). Desconsiderando o grupo (interventivo e controle), o único ambiente que apresentou diferença estatisticamente significativa no fator tempo para o desenvolvimento motor foi a educação infantil (p=0,009). A escola infantil associou-se com a normalidade, a 6 comunidade com o atraso e o abrigo com a suspeita de atraso (p<0,001). Ainda no fator tempo, considerando grupo e ambiente na categorização do desenvolvimento motor no grupo interventivo, somente na escola infantil houve diferença estatisticamente significativa do pré para o pós intervenção (p=0,020). Na avaliação do ambiente, nos resultados do fator tempo para o grupo controle, houve diferença entre as avaliações do pré para o pós intervenção nas questões referentes aos cuidadores deixarem menos as crianças no berço quando acordadas (p=0,008) e mais restritas ao chão (p=0,006) no pós teste. Também houve uma diminuição estatisticamente significativa do número total de brinquedos que estimulam a motricidade fina (p=0,009) e um aumento estatisticamente significativo do número total de brinquedos que estimulam a motricidade ampla (p<0,001). No grupo interventivo, houve uma melhora em quatro quesitos referentes às oportunidades oferecidas às crianças. Foram eles: onde guardar brinquedos (p=0,008), crianças escolherem as brincadeiras (p=0,008) e aumento no número de brinquedos que estimulam tanto a motricidade fina quanto a ampla (p<0,001). No pós intervenção, entre os grupos, diferiram significativamente quanto à criança escolher a brincadeira (p=0,018), melhor para o GI. Quando separados os grupos em ambientes, na escola de educação infantil houve aumento estatisticamente significativo no número de brinquedos da motricidade fina e ampla (p<0,001) do pré para o pós intervenção no fator grupos. No ambiente da comunidade houve uma melhora em dois quesitos referentes às oportunidades oferecidas às crianças: diminuição das crianças carregadas no colo (p=0,021) e no berço quando acordadas (p=0,031). No ambiente de abrigo, houve um aumento significativo na proporção de crianças que escolhem as brincadeiras (p=0,031), maior restrição das crianças ao chão (p=0,031) e aumento no número de brinquedos que estimulam a motricidade ampla (p<0,001). A escola de educação infantil permaneceu oferecendo as melhores oportunidades, e a comunidade, em geral, apresentou as piores condições. Nos abrigos, quando foi comparado o desenvolvimento dos bebês filhos de mães usuárias de crack, observou-se diferença estatística significativa entre os escores do pré para o pós intervenção (p=0,011). Comparando diretamente os escores observados, das oito crianças deste grupo, todas apresentaram escores e percentil motor mais elevados na segunda avaliação. Em relação à comparação dos escores das crianças de mães não usuárias de crack, verificou-se que as quatro crianças deste grupo apresentaram escores e percentil motor mais elevados na segunda avaliação. Chama-se atenção para o fato de que os escores apresentados pelas crianças no grupo das mães não usuárias de crack se mostraram mais elevados. Conclusões: Pode-se concluir que os bebês que participaram do PIMPAO obtiveram melhores resultados em relação ao ganho no seu desempenho motor. Modificações do ambiente foram positivas para o desenvolvimento e houve uma associação positiva das mudanças no ambiente com aqueles bebês que melhoraram seu desenvolvimento motor. Os bebês cujas mães fizeram uso de crack durante a gestação obtiveram desenvolvimento motor mais defasado em relação aos bebês cujas mães não utilizaram a droga. Ambos se beneficiaram com o PIMPAO, com maiores ganhos naqueles mais necessitados. Este estudo mostrou a importância da inserção de um trabalho interventivo em diferentes contextos, destacando a escola infantil como a que gerou mais desenvolvimento nos bebês e alterações positivas no ambiente, seguida pelo abrigo e, por fim, comunidade. Os bebês desenvolvem maior qualidade em seu aprendizado motor quando estimulados de maneira correta em ambiente da escola infantil, ou no abrigo e ou no ambiente familiar.
Abstract Recent studies show a greater concern about child development and about how the environment where a child lives affects his development. Relationships with close people during the first years of life may generate a durable mark in child development. Purpose: the purpose of the present study was to verify motor development in infants aging eighteen months maximum, before and after their participation in a Participative Motor Intervention Program Amplifying Opportunities (PMIPAO). Methods: This was an experimental, quantitative, correlational, where 94 infants were in this study, aging from one to eighteen months, coming from three different low income contexts: 41 infants who spent eight hours a day in child educational school, where the educator was also their babysitter, 29 infants who lived with their biological families and their mothers took care of them, and 24 infants who lived in shelters where the employers were their babysitters. The places, previously selected after an initial contact and agreement to participate in the present study, were: child educational schools working along with Porto Alegre City Hall, Family Health Strategy Program (FHSP) in Porto Alegre Metropolitan Area and Home Assistance Group of Rio Grande do Sul (HAG). Intervention group (IG) and control group (CG) were randomly chosen. Infants were assessed in the beginning and after eight weeks using the Alberta Infant Motor Scale and the Affordances in the Home Environment for Motor Development Self-Report. Intervention program consisted of visual persecution activities, toys manipulation, postural control and affection demonstration. The responsible ones taking care of the children were trained and orientated to repeat these activities everyday, five times a week. Orientation to amplification of development opportunities in the context were taught to the ones responsible for the children. The meeting chosen to do the activities change was called “week’s change” and each week five new activities were introduced. Data analyses were performed using the SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) software, version 17.0. Continual variables were described through media and interquartilic amplitude due to distribution asymmetry. Categorical variables were described through absolute and relative frequencies. In order to compare continual variables between groups the Mann-Whitney’s test was used. When contexts were compared to each other, the Krukal-Wallis’s test was applied. To compare categorical variables the Person’s Chi-squared test was applied, and to complement these analyses, the adjusted residues’ test was used. In order to compare opportunities, before and after intervention in each group and context, the McNemar’s Chi-squared test was applied, except to number of fine and global motricity toys, which was assessed using the Wilcoxon’s test. Level of statistic significance was 5% (p≤0,05). This study was approved by the Research Ethics Committee (REC) of the Universidade Vale dos Sinos (UNISINOS) under the number 029/2009 and the zip code of the Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). The Free and Informed Consent was formulated respecting the 196/96 Resolution from the Health National Board. Results: Regarding to gender, age, gestational age, number of adults close to the infants, number of children, number of rooms where children lived, and babysitters’ level of instruction we did not find differences statistically significatives between IG and CG. About the results to AIMS classification, there weren’t any differences in classification of motor development considering time factor (before and after the test) in the CG (p=0,545). However, in the IG there was an increase in the normality percentage and a significative reduction in motor delay (p=0,003). Without considering the group (intervention and control), the only place that showed a difference statistically significative in time factor to motor development was child education school (p=0,009). Child school was associated to normality, community to delay and shelter to delay 8 suspicion (p<0,001). Still in time factor, considering group and environment in motor development classification in intervention group, only at the child school there was difference statistically significative between before and after intervention (p=0,020). Considering environment, in the results of time factor to control group, there was difference between assessments before and after intervention regarding to babysitter letting children in the bassinet when awake for shorter periods of time (p=0,008) and more restricted to the floor (p=0,006) after the test. There was also a reduction statistically significative of total number of toys that stimulate fine motricity (p=0,009) and an increase statistically significative of the total number of toys that stimulate global motricity (p<0,001). In intervention group, there was an improvement in four items referred to opportunities offered to children: where putting toys away (p=0,008), children choosing the games (p=0,008) and increase in the number of fine and global motricity toys (p<0,001). After intervention the IG showed better results regarding to children choosing the games (p=0,018). When groups were separated in the environments chosen, in the child education school there was an increase statistically significative in number of fine and global motricity toys (p<0,001) from pre to post-intervention in groups factor. In the community there was an improvement in two items related to opportunities offered to children: reduction in children carried in the arms (p=0,021) and left in the bassinet when awake (p=0,031). In the shelter, there was a significative increase in proportion of children who choose the games (p=0,031), greater restriction to the floor (p=0,031) and increase of number of global motricity toys (p<0,001). Child education school kept offering the best opportunities, and the community, in general, showed the worst conditions. In shelters, when child development was evaluated in infants of crack addicted mothers, it was noticed a difference statistically significative between scores from pre to post-intervention (p=0,011). Comparing directly the observed scores, all eight children from this group showed scores and percentile higher in the second evaluation. Regarding to score comparison of children whose mothers were not addicted to crack, it was verified that the four children from this group showed scores and percentile higher in the second evaluation. It’s important to notice that the scores showed by children from the group of non-addicted mothers were higher in the second evaluation. Conclusions: it’s possible to conclude that infants who participated in the PIMPAO had better results regarding to gain in motor development. Changes in the environment were positive to development and there was a positive association between changes in the environment and those infants who improved their motor development. Infants whose mothers used crack during gestation had a poorer motor development comparing to infants whose mothers did not use the drug. Both benefited from the PIMPAO, with higher gains in those that needed the most. This study showed the importance of including an intervention job in different contexts, pointing up the child school as the one that produced more development in infants and positive changes in the environment, followed by the shelter, and at last the community. Infants developed more quality in their motor learning when stimulated the correct way at the child school, or at the shelter and/or in a family environment.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/24827
Arquivos Descrição Formato
000749550.pdf (1.106Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.