Repositório Digital

A- A A+

Formação de palavras compostas em português brasileiro : uma análise de interfaces

.

Formação de palavras compostas em português brasileiro : uma análise de interfaces

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Formação de palavras compostas em português brasileiro : uma análise de interfaces
Autor Silva, Taís Bopp da
Orientador Schwindt, Luiz Carlos da Silva
Wetzels, W. Leo
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Composição de palavras
Derivação de palavras
Fonologia
Formacao de palavras
Língua portuguesa
Morfologia
Sintaxe
Resumo Na presente tese, defende-se a ideia de que a composição – processo de formação de palavras produtivo em português – é um fenômeno de interface, uma vez que envolve informação fonológica, morfológica e sintática, além, obviamente, de informação de natureza semântica. Nosso objetivo geral é formalizar essa interação de modo a prover uma gramática não modular dos compostos, isto é, uma gramática por meio da qual podemos mostrar a interação de fatores fonológicos, morfológicos e sintáticos. Para situarmos a relação fonologia – morfologia – sintaxe, necessitamos dispor de um arsenal teórico que permita algum grau de referência simultânea aos três componentes gramaticais supracitados. Nesse sentido, julgamos que a Teoria dos Constituintes Prosódicos (Nespor e Vogel, 1986; Selkirk, 1984 e 1986) e a Teoria da Otimidade (Prince e Smolensky, 1993; McCarthy e Prince, 1993) são adequadas aos propósitos da tese que defendemos. Enquanto a primeira focaliza a fonologia em contextos menores e maiores que o morfema (como a palavra e o sintagma, nesse último caso), a segunda permite a postulação de restrições que fazem referência, ao mesmo tempo, à fonologia e a outros componentes da gramática. A partir desse referencial teórico e da análise de estudos anteriores sobre a composição (como Lee, 1995; Moreno, 1997; Vigário, 2003 e 2006, entre outros), buscaremos responder as seguintes perguntas, as quais traduzem nossos objetivos específicos: (1) no âmbito da hierarquia prosódica, em que medida uma sequência de palavras que forma um composto se distingue de uma sequência de palavras que forma um constituinte maior que o vocábulo? (2) tendo em vista a “não naturalidade” do composto na hierarquia prosódica, como formalizá-lo dentro dessa com um custo mínimo para a teoria? (3) como diferenciar composição e derivação? (4) do ponto de vista sintático, como diferenciar compostos e sintagmas? (5) na formalização dessa gramática dos compostos, quais restrições estão envolvidas? A hipótese que norteia nossa pesquisa é de que os compostos possuem estrutura própria que os diferencia de outras unidades – seja na fonologia (em que se estrutura como palavra prosódica recursiva) ou na sintaxe (em que se distingue do sintagma por violação a uma restrição de alinhamento) – e da palavra derivada (nesse caso, também pela atuação de uma restrição de alinhamento). A confirmação ou a rejeição dessas hipóteses deve revelar o mecanismo que subjaz à formação de palavras compostas no PB.
Abstract This dissertation seeks to demonstrate that compounding, a productive word formation process in Portuguese, is an interface phenomenon, since it involves phonological, morphological and syntactic information; besides, obviously, semantic factors. Our general goal is to formalize this interaction in order to provide a non modular grammar of compounds, that is, a grammar which can show the interaction of phonological, morphological and syntactic factors. In order to account for phonologymorphology- syntax relation, we need to make use of a theoretical background which allows some degree of simultaneous reference to the three grammatical components mentioned above. Then, in order to promote a dialog between phonology, morphology and syntax, we believe that Prosodic Phonology (Nespor and Vogel, 1986; Selkirk, 1984 and 1986) and Optimality Theory (Prince and Smolensky, 1993; McCarthy and Prince, 1993) fit our purpose. While the first focuses on phonology in contexts which are smaller and bigger then morphemes (like the word and the phrase, in this case), the latter allows postulating constraints which make reference, at the same time, to phonology and other components of the grammar. From this theoretical premises and from the analysis of previous studies on compounding (Villalva, 1992; Lee, 1995; Moreno 1997; Pepperkamp, 1997; Vigário, 2003 and 2006), we seek to answer the following questions, which are our specific objectives: (1) from the point of view of the prosodic hierarchy, to what extent a sequence of words that forms a compound is different from a sequence of words that forms a bigger domain? (2) considering the lack of naturalness of the compound within the prosodic hierarchy, how can it be formally integrated in this hierarchy with a minimal cost to the theory? (3) how can compounding and derivation be differentiated? (4) from a syntactic point of view, how can compounds and phrases be differentiated? (5) which constraints are involved in the formalization of the grammar of compounds? The hypothesis which guides our study is that compounds have their own structure that differentiates them from other units. From the phonological point of view compounding will be defined as recursive prosodic word; their difference from syntactic phrases will be expressed as a violation of an specific alignment constraint. Equally, their structural difference as compared with derived words will be shown to be consequence of misalignment. The confirmation or rejection of these hypothesis points out the mechanism that underlies the formation of compounds in Brazilian Portuguese.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/27496
Arquivos Descrição Formato
000764937.pdf (791.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.